Ir para o conteúdo principal

Edição de terça, 5 de julho de 2022.
(Próxima edição: sexta dia 8.)
https://www.espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Uma comarca só de advogados



Charge de GERSON KAUER

Imagem da Matéria

Na cafeteria de uma grande cidade brasileira estão um advogado, um juiz e um promotor. Eles conversam sobre a rotina forense, o congestionamento de cartórios, a precariedade de funcionamento dos JECs, as dificuldades para operar o processo eletrônico, a justiça e a injustiça dos penduricalhos, a consolidação da estagiariocracia, etc.

Aborrecido, o promotor chuta algo que encontra sob a mesa. O magistrado faz que não vê. O advogado se abaixa e pega - era uma lâmpada mágica. Esfrega-a e, como de praxe, sai um gênio. Este, agradecido por ter sido libertado, diz que realizará um pedido de cada um deles. Era só pedir!

O juiz impõe que, por ser magistrado, tem preferência na escolha. Analisa a sofrida carreira dele e dos colegas.

- Eu exijo um resort paradisíaco, melhor que os da Bahia, para formar uma república só de magistrados, sem problemas e sem processos. Nosso compromisso será apenas com a hermenêutica.

O gênio imediatamente realiza o pedido, transferindo o juiz para lá, com direito a patrocínio chancelado pela federação dos bancos.

Depois, o promotor - que havia gostado da ideia do magistrado - pede:

- Eu quero uma ilha que lembre o Éden, para formar uma república só de promotores, mas distante dos juízes e sem advogados.

O gênio concede o pedido e situa o promotor num dos locais insulares mais lindos do mundo.

Virando-se para o advogado, o gênio pergunta:

- E o senhor, que ficou por último, o que pede?

Ao que o advogado responde:

- Oh, gênio, já que me fizeste dois favores tão grandes, afastando duas classes privilegiadas, basta-me oferecer um chimarrão...e estarei agradecido.

* * * * *

Em tempo - O texto foi sintetizado pelo Espaço Vital a partir de uma defesa prévia de advogado, numa das Seccionais da OAB, ante procedimento disciplinar instaurado a partir de representação conjunta de um juiz e de um promotor. O expediente foi arquivado na Ordem.


Mais artigos do autor

Charge de GERSON KAUER

Consulta ginecológica à moda romana

 

Consulta ginecológica à moda romana

Ela era uma mulher interessante, sem exuberâncias, estava sempre perfumada, usava saltos altos, cabelos bem penteados. Um dia, ela foi ao consultório de um ginecologista que só atendia “particular”. O recôndito era decorado com objetos típicos das antigas milícias romanas.

Charge de GERSON KAUER

A suprema vibração

 

A suprema vibração

A segurança do STF resolveu aplicar o que seus agentes chamam de “cana dura”. É a dica que significa ser minuciosamente exigente na revista dos pertences pessoais de todos os que chegam – mesmo os mais conhecidos e idôneos frequentadores. Vai daí que...

Charge de GERSON KAUER

Serviços sexuais insatisfatórios

 

Serviços sexuais insatisfatórios

Granjeiro do interior gaúcho, após tratar de assuntos comerciais em Porto Alegre, deu uma esticada nas bandas da avenida Farrapos. No local escolhido, sentou-se, pediu um uísque, e outros mais... A percanta combinou o preço e garantiu a excelência da voluptuosidade que prestaria...

Charge de GERSON KAUER

Pamonha jurisdicional

 

Pamonha jurisdicional

Na petição de apelação, o advogado embutiu um recado sutil: “A advocacia vem sendo desrespeitada por magistrados que não se dão ao trabalho de analisar os pleitos que apresentamos. Como somos tratados como pamonhas, informo que gostosas receitas desta iguaria oriunda do milho estão facilmente disponíveis na internet”.

Charge de GERSON KAUER

Perfumes jurisdicionais

 

Perfumes jurisdicionais

Num desdobramento de audiência de ação penal relativa a um assalto à mão armada, de repente a surpresa: “Doutor, o senhor tem compromisso hoje à noite?” – questiona a vítima (30 de idade), dirigindo-se ao juiz (50 anos). Na apoteose, até Vinicius de Moraes é evocado...

Charge de GERSON KAUER

A importância do currículo

 

A importância do currículo

A reclamante é uma mulher bem talhada, 30 de idade. O reclamado, um senhor de 60. A alegação é a de que, por vários anos, ela trabalhara para a família dele como empregada doméstica, sem carteira assinada. De repente, a patroa faleceu... Imaginem o capítulo seguinte