Ir para o conteúdo principal

Edição de terça, 9 de agosto de 2022.
(Próxima edição: sexta dia 12.)

Íris Nogueira eleita a nova presidente do TJRS



Imagem da Matéria

ANDRESSA PUFAL/JC

A desembargadora Iris Helena Medeiros Nogueira foi eleita, nesta segunda-feira (6), a nova presidente do Tribunal de Justiça do RS, para o biênio 2022/2023. Ela teve 71 dos 136 votos possíveis. O resultado foi proclamado às 15h12min.

O outro candidato foi o desembargador Tasso Caubi Delabary, com 63 votos. Houve dois votos em branco. Ambas as chapas não se apresentaram como oposicionistas ao atual presidente Voltaire de Lima Moraes.

A eleição tem a singularidade de consagrar pela primeira vez uma mulher como mandatária da corte. Já aconteceram, em gestões anteriores, eleições de mulheres como vice-presidentes, assumindo a presidência eventualmente.

Outro detalhe festejável: Íris é a também a primeira pessoa negra a alcançar a presidência.

No Rio Grande do Sul, a história do Judiciário teve início no dia 3 de fevereiro de 1874. Nesse dia, foi instalado na Rua Duque de Caxias, 225, em Porto Alegre - um prédio alugado que hoje não existe mais -, o Tribunal da Relação de Porto Alegre, com jurisdição sobre as Províncias de São Pedro do Rio Grande do Sul e (temporariamente) Santa Catarina.

A corte, composta por sete desembargadores, teve como primeiro presidente o desembargador João Baptista Gonçalves Campos. 

Currículo e outros detalhes

  • A magistrada Íris é natural de Pelotas (RS). Graduou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal de Pelotas, em 1981.
  • Foi nomeada pretora em março de 1985, na Comarca de Santa Cruz do Sul. Assumiu o cargo de juíza de Direito em setembro de 1986, na Comarca de Santa Rosa. Posteriormente, jurisdicionou as Comarcas de Campina das Missões, Espumoso e São Jerônimo, sendo promovida para Porto Alegre em junho de 1992.
  • Exerceu a função de juíza-corregedora de 1994 a 1998. Até ser empossada como desembargadora, em 22 de março de 2004, exercia a jurisdição do 2º Juizado da 2ª Vara do Júri. Foi a corregedora-geral da Justiça no biênio 2016-2017. Sua posse será no dia 1º de fevereiro de 2022.
  • São seus companheiros de chapa são os desembargadores Alberto Delgado Neto (1º vice), Antonio Vinicius Amaro da Silveira (2º vice) Lizete Andreis Sebben (3ª vice) e Giovani Conti (corregedor-geral).
  • Detalhe: Lizete é oriunda do quinto constitucional (advocacia). Chegou ao TJRS em fevereiro de 2012.

Notícias Relacionadas

 

Corrupção na Justiça Federal, propina para o juiz, etc.

Google Imagens

Corrupção na Justiça Federal, propina para o juiz, etc.

Órgão Especial do TRF-3 (SP) condena o magistrado Leonardo Safi de Melo (foto), um servidor judicial, um perito e duas advogadas a penas que variam de 9 a 39 anos de prisão. Os crimes: cobrança de propinas para a liberação de precatórios em São Paulo. Magistrado usava o codinome de “os ingleses”.

 

Uma campeã da demora

Charge de GERSON KAUER

Uma campeã da demora

Sentença proferida na Justiça Federal negou pedido de indenização por danos morais a uma ex-servidora pública que ajuizou em 1992 uma primeira ação na Justiça do Trabalho. Vinte e nove anos depois, a demanda trabalhista ainda não teve solução prática. Sete dos 31 autores já faleceram.

 

Judiciário ótimo... ou péssimo?

Arte EV

Judiciário ótimo... ou péssimo?

Ou seria regular? Quem sabe, muito bom?... O CNJ está solicitando a colaboração de quem é/ou tenha sido parte em processo judicial nos últimos cinco anos. Também conclama advogados/as, defensores públicos e membros do Ministério Público a participarem.