Ir para o conteúdo principal

Edição de terça, 9 de agosto de 2022.
(Próxima edição: sexta dia 12.)

Surpresa doméstica sem a liturgia do cargo: esposa senta no colo de desembargador



Imagem da Matéria

Reprodução

O desembargador João Egmont Leôncio Lopes foi mostrado em um momento íntimo durante sessão on line da 2ª Turma Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJ-DFT), na quarta-feira (1º). Um vídeo que circulou nas redes sociais – e já hospedado no YouTube - mostra o momento em que uma mulher senta no colo do magistrado (de toga), já no final da sessão. Esta durou cerca de quatro horas e foi transmitida ao vivo pelo YouTube do TJ-DFT.

Percebe-se que a mulher se aproxima do desembargador enquanto come algo e senta no colo dele, que recua. Segundos depois, desconfiada, ela se levanta-se e afasta-se. O magistrado então parece, em seguida, mexer no computador para fechar a tela.

O episódio - sem a liturgia do cargo - ocorreu enquanto a relatora Sandra Reves proferia seu voto. No mesmo instante, outro desembargador presente na sessão percebe a cena inusitada.

Após a repercussão, o TJ-DFT informou que a mulher em questão é esposa do desembargador, não sendo servidora da corte.

Leia a nota do tribunal

"O TJ-DFT esclarece que, em contato com o desembargador João Egmont, restou apurado que a pessoa que aparece na tela durante a sessão da 2ª Turma Cível, nesta quarta-feira, 1º/12, na residência do magistrado, trata-se da sua esposa.

Esclarece, ainda, que ela não é servidora do TJDFT e que o fato não gerou qualquer prejuízo aos trabalhos da sessão".

Veja abaixo 

 


Notícias Relacionadas

 

Corrupção na Justiça Federal, propina para o juiz, etc.

Google Imagens

Corrupção na Justiça Federal, propina para o juiz, etc.

Órgão Especial do TRF-3 (SP) condena o magistrado Leonardo Safi de Melo (foto), um servidor judicial, um perito e duas advogadas a penas que variam de 9 a 39 anos de prisão. Os crimes: cobrança de propinas para a liberação de precatórios em São Paulo. Magistrado usava o codinome de “os ingleses”.

 

Uma campeã da demora

Charge de GERSON KAUER

Uma campeã da demora

Sentença proferida na Justiça Federal negou pedido de indenização por danos morais a uma ex-servidora pública que ajuizou em 1992 uma primeira ação na Justiça do Trabalho. Vinte e nove anos depois, a demanda trabalhista ainda não teve solução prática. Sete dos 31 autores já faleceram.

 

Judiciário ótimo... ou péssimo?

Arte EV

Judiciário ótimo... ou péssimo?

Ou seria regular? Quem sabe, muito bom?... O CNJ está solicitando a colaboração de quem é/ou tenha sido parte em processo judicial nos últimos cinco anos. Também conclama advogados/as, defensores públicos e membros do Ministério Público a participarem.