Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, terça-feira, 07.12.
(Próxima edição: sexta-feira, 10.12)
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Ficou mais fácil trambicar politicamente



Imagem Folha do Espírito Santo

Imagem da Matéria


Prova “ilegal”...

A partir de agora, nos processos eleitorais são consideradas ilícitas as provas obtidas por meio de gravação ambiental clandestina feita em ambiente privado, sem autorização judicial e sem o conhecimento dos interlocutores. Essa foi a conclusão do Tribunal Superior Eleitoral, que ontem (7) formou maioria apertada (4 x 3 votos) para alterar a própria jurisprudência sobre o tema.

Os casos haviam sido paralisados por pedidos de vista, seguidas vezes, e foram retomados coma a leitura de voto-vista do ministro Luís Felipe Salomão.

A corte julgou três recursos provenientes de ações de investigação judicial eleitoral que tiveram como base informações obtidas por meio de gravações feitas contra candidatos, sem o conhecimento dos mesmos. Os fatos ocorreram nas cidades de São Pedro da Água Branca (MA), Santa Inês (PR) e São José da Safira (MG).

Os três casos se referem às eleições municipais de 2016, para as quais a jurisprudência do TSE, formada em 2019, indicava a validade do validade de gravação ambiental como prova de compra de votos. Ela só não seria válida na hipótese do chamado flagrante preparado, quando o interlocutor induz o ilícito.

Prevaleceu agora, porém, a posição do relator dos três casos, ministro Alexandre de Moraes. Para ele, “tais provas são ilícitas porque a privacidade e a intimidade, que são direitos fundamentais garantidos pela Constituição, devem prevalecer, sob o risco de incentivar essa prática em cenário de disputa acirrada como o eleitoral”.

Em outras palavras: com a impunidade garantida, fica mais fácil trambicar politicamente. (Procs. nºs 0000293-64.2016.6.16.0095, 0000634-06.2016.6.13.0247 e 0000385-19.2016.6.10.0092).


Assombroso e tenebroso

O apreciado Consultor Jurídico publicou, na última quarta-feira (5), artigo do juiz do Trabalho Otavio Torres Calvet, do TRT da 1ª Região (RJ) em que - sob a cartola “Trabalho contemporâneo” – ele discorre sobre julgados da 8ª Turma do TRT-4. Com o título “Decisões de cunho assombroso: um estranho mundo tenebroso” o texto mira no desembargador Marcelo Ferlin d´Ambroso. (São sutilmente coincidentes duas palavras do título e do conteúdo do texto: assombroso e tenebroso.)

O Espaço Vital ofereceu, em sequência, à Amatra-4, à presidência do TRT-4 (RS) e ao magistrado D'Ambroso oportunidades para que se manifestassem sobre a crítica e a conjunção. Vieram três respostas:

  • “Vou analisar com a diretoria eventual resposta”. (Juiz Tiago Mallmann Sulzbach, presidente da Amatra-4). [Observação: nada mais veio na sequência.]
  • “A presidente agradece o convite. Porém o referido artigo publicado no Conjur, trata de matéria jurídica em caso concreto, objeto de processo em tramitação. Sendo assim, a presidência não irá se manifestar”. (Jornalista Gabriel Borges Fortes, do TRT-4).
  • “Parece-me que o artigo está criticando a decisão colegiada da 8ª Turma. Sobre o julgado eu não posso me manifestar”. (Marcelo Ferlin D´Ambroso, desembargador do TRT-4).


A crítica feita pela Agetra

O Espaço Vital também disponibilizou oportunidade a que a Associação dos Advogados Gaúchos se manifestasse. Do seu presidente, advogado Felipe Carmona, veio o artigo “O assombro da Agetra ao ver um juiz carioca atacar o TRT-4”, que está sendo publicado nesta edição.

Uma das frases do advogado: “Se admitirmos calados esse tipo de atitude, não poderemos nos surpreender com a reiteração dessas ´opiniões´ pusilânimes”.

Foi raro verificar que a defesa do magistrado assacado tenha partido de uma associação de advogados. Mas foi bacana a atitude!

Para o acesso imediato ao artigo do juiz Otavio Torres Calvet há um link direto no final desta página.


Direito à saúde

A 12ª Vara Cível do Rio determinou que a Bradesco Saúde autorize, em 24 horas (sob pena de multa diária de R$ 1 mil), todo o material necessário ao procedimento cirúrgico para “troca percutânea da valvar aórtica” (válvula do coração) da idosa Lucinha Araújo, mãe do falecido artista Cazuza.

A operadora do plano de saúde está obrigada a arcar com todos os custos dos materiais, equipamentos e tudo o que for necessário durante a internação até a alta médica.

Conforme o laudo médico, Lucinha “é portadora de estenose aórtica valvar, sintomática (desfalecimento), e, aos 85 anos, necessita ser submetida à intervenção cirúrgica, em caráter emergencial, ante o risco de morte súbita”.

Vejam a importância de um laudo médico bem posto para dar suporte às ações contra inadimplentes operadoras.


O preço do assédio

Rogério Caboclo, o presidente afastado da CBF, já depositou judicialmente os R$ 110 mil acordados com o MP do Rio como como transação penal, após a denúncia de assédio sexual feita por uma ex-funcionária da entidade. Os cem salários mínimos serão destinados a organizações sociais. O acordo teve desfecho em 29 de setembro.

Caboclo aguarda que a juíza Simone Frota, do 9º Juizado Especial Criminal do Rio, homologue a transação penal, para dar fim ao caso.


A dor das queimaduras

A 5ª Turma do TRT da 4ª Região (RS) confirmou a determinação de pagamento de indenizações a um metalúrgico que sofreu queimaduras químicas de segundo grau, com soda cáustica e cianeto. Serão R$ 6 mil por danos morais e estéticos.

Ele também ganhou direito à remuneração – cerca de R$ 1,5 mil – de cada mês em que recebeu benefício previdenciário, descontados os 15 primeiros dias de afastamento, já pagos pelo empregador.

A condenação alcança a empresa TDI Indústria Metalúrgica Ltda. (ora, massa falida), de Caxias do Sul. A empregadora não comprovou as adequadas condições de segurança nas tarefas de galvanização, nem o alegado treinamento ao trabalhador e a disponibilidade de EPIs no momento do acidente.

Mais doloroso porém é saber agora que – face ao processo falimentar – vem sendo retardado o pagamento ao lesionado trabalhador.

A propósito: quem sabe o Ministério Público do Trabalho intervém na ação? (Proc. nº 0020513-35.2019.5.04.0406).

-------------------------------------------------------------------------------------

PARA ACESSAR O ARTIGO “O assombro da Agetra ao ver um juiz carioca atacar o TRT-4”, CLIQUE AQUI.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Jorge Goulart - YouTube

O preço final dos croques terapêuticos verbais

 

O preço final dos croques terapêuticos verbais

  • 5º Grupo Cível do TJRS condena general a indenizar magistrado por dano moral: R$ 25 mil. Divergência majoritária foi aberta pela desembargadora Thais Coutinho de Oliveira.
  • Uma nova Justiça gaúcha? Nela, os magistrados em casa e atendendo advogados – sempre e exclusivamente – on line.
  • O que a OAB/RS fará para combater o cômodo projeto?
  • Quem reside em Porto Alegre, não pode prestar jurisdição em Xangri-lá, nem em Gramado ou Canela.

Shutterstock

As diferenças entre fertilização in vitro e inseminação artificial sob o prisma do STJ

 

As diferenças entre fertilização in vitro e inseminação artificial sob o prisma do STJ

  • Definição de tese em recurso repetitivo: “Salvo por disposição contatual expressa, os planos de saúde não são obrigados a custear a solução do bebê de proveta”.
  • Divergência minoritária: “Não há previsão legal que desobrigue as operadoras de plano de saúde de custear tratamento de fertilização in vitro”.
  • Fracassos do Grêmio podem derrubar a pretensão de Romildo Bolzan concorrer a governador do RS.
  • Com Marcos Herrmann fora, começa a renascer a oposição gremista.
  • Amadeu Weinmann concorrerá às eleições da OAB/RS.

Imagem TST – Arte EV

TST condena Colégio Farroupilha a indenizar professor de Química

 

TST condena Colégio Farroupilha a indenizar professor de Química

  • O reconhecimento de que as atividades desempenhadas no ambiente escolar eram “insalubres em grau médio”.
  • 21ª condenação de Sérgio Cabral faz a soma das penas chegar a 401 anos de prisão.
  • STJ anula citação defeituosa via WhatsApp.
  • Não é primeiro de abril. Hoje, 1º de outubro, começa a valer o “auxílio-saúde”. É o novo penduricalho do TJRS, MP-RS, Defensoria Pública e Tribunal de Contas.

Fabrice Coffrini / AFP / Google Imagens

Até a austera Suíça adere ao “matrimônio igualitário”

 

Até a austera Suíça adere ao “matrimônio igualitário”

  • Com sua população de 8,5 milhões de habitantes, a nação aprova o casamento para pessoas do mesmo sexo: é a 30ª no mundo todo e a 17ª na Europa.
  • Inveja saudável, enquanto vivemos em Porto Alegre: saiba quais as dez cidades mais habitáveis do globo terrestre.
  • Cresce o percentual dos que desconfiam do STF.
  • Os sinônimos e os antônimos de supremo.
  • Atenção, advogados: a magistratura começa a sua estratégia para tornar definitivo o “home-office”.
  • O que a OAB está fazendo para combater essa pretendida comodidade de desembargadores, juízes e servidores?