Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, sexta-feira 15.10.
(Próxima edição: terça-feira, 19)
https://www.espacovital.com.br/images/eu_nao_invento_3.jpg

Os superiores desdobramentos da frase “Inferno de facada mal dada...”



Fotos Camera Press – Montagem meramente ilustrativa

Imagem da Matéria

  •  “Expressão inadequada”

A médica paulista Ana Paula Rodriguez Arias - que em outubro de 2020 postou no Twitter a mensagem "Inferno de facada mal dada! A gente não tem um dia de sossego nesse país!" - não cometeu crime contra a honra do presidente Jair Bolsonaro. A conclusão é da 3ª Seção do STJ, que na quarta-feira (8) concedeu habeas corpus para trancar o inquérito penal aberto pela Polícia Federal.

Segundo o voto do relator, desembargador convocado Olindo Menezes, “não há nenhum indicativo da intenção de ofender a honra do Presidente da República”.

O acórdão avaliou a manifestação da médica, em sua rede social, como “expressão inadequada, inoportuna e infeliz, mas que não é suficiente para sustentar a pretendida imputação penal". (HC nº 667.203).

  •  O fim da longa ´boquinha´

Menos sorte do que a magistratura gaúcha – abençoada com o generoso “auxílio-saúde & seus penduricalhos” - tiveram algumas senhoras cearenses. É que o Supremo vetou a pensão para viúvas de políticos, que fora concedida pelo  Município de Campos Salles (CE), onde residem 27 mil pessoas.

O caso judicial teve início em 2015, quando a Procuradoria-Geral da República ajuizou uma arguição de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) contra a lei local nº 27/1985. Esta "autoriza a concessão de pensão às viúvas de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores falecidos em exercício de suas funções". De acordo com a PGR, “o ato normativo é incompatível com preceitos constitucionais, entre os quais o da moralidade e o da impessoalidade”.

A derrubada da lei ocorreu 36 anos depois de ela ter entrado em vigência, e seis anos depois de iniciada a ação judicial. A lesão ao erário municipal foi tanto mais grave em se tratando de município com 61,37% de incidência de pobreza na população. (ADPF nº 368).

  • Finanças com aperto

Entrementes, enquanto o TJRS, o MP, a Defensoria Pública e o TCE-RS dispensam sua gente de desembolsar  com planos de saúde, etc., o Dieese anunciou que a cesta básica de agosto subiu em 13 das 17 capitais pesquisadas. Os maiores aumentos foram em Campo Grande/MS (3,48%), Belo Horizonte/MG (2,45%) e Brasília (2,10%).

E é claro que também em Porto Alegre, que foi a sétima.

Só não sente isso quem não vai aos supermercados.

  • Os prazeres e o anjo

Uma família que teve o corpo de um parente trocado no hospital por outro cadáver será indenizada solidariamente pela entidade hospitalar e a funerária. Só depois de quatro horas velando um desconhecido, os chorosos viúva e filhos foram informados do equívoco. Pelos danos morais sofridos, os familiares pediram R$ 400 mil, mas receberão R$ 10 mil para dividirem entre si. O caso é catarinense.

O porteiro do hospital liberou o corpo do homem para a funerária, sem a possibilidade de reconhecimento, porque havia sido internado para tratamento da Covid. Com o caixão lacrado, os enlutados velavam outro falecido, quando receberam a informação da funerária de que aquele não era o corpo do parente. Um dos filhos teve que ir ao necrotério do hospital em busca do cadáver do pai.

A decisão da 4ª Vara Cível da comarca de Lages (SC) alcança o Hospital Nossa Senhora dos Prazeres e a Funerária Anjo da Guarda.

(Proc. nº 5008081-52.2021.8.24.0039).

  • Cruz, credo!

A propósito do tópico aí de cima, observaram bem os nomes da instituição hospitalar e da empresa ré? Na prática, nada de Prazeres. Nada também de Anjo da Guarda!...

Ora, coisa nenhuma. Pois, pois. 

  • Quase prenderam o juiz!

Na quinta-feira da semana passada, policiais à paisana foram à casa do juiz Eduardo Lino Bueno Fagundes Júnior, em Curitiba (PR). Tocaram a campainha e - dizendo apenas que eram do Fórum Criminal - pediram que ele abrisse a porta. Assim que ele se apresentou, recebeu voz de prisão.

Eduardo Júnior é um magistrado conhecido na cidade. Há dez anos atua na 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba e já mandou prender muita gente, mas nunca esteve ´do outro lado´. Ele pediu para ver o mandado de prisão, mas os policiais disseram que não tinham o documento em mãos, mostrando porém um print na tela do celular. Era um documento assinado pelo próprio Eduardo duas horas antes: um mandado de prisão relacionado a um caso de furto. De fato, seu nome estava lá, mas no campo “juiz expedidor”.

Constatado o erro de leitura, os PMs pediram desculpas e foram embora dizendo que o “setor de inteligência” é que havia passado a informação errada.

O juiz administrou bem o incidente. Disse que “o caso será resolvido institucionalmente, para evitar que erros similares se repitam”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Kacio Pacheco - Tribuna da Internet

 A ´normalidade anormal´ de Davi Alcolumbre

 

A ´normalidade anormal´ de Davi Alcolumbre

  • As explicações do senador ao STF sobre a demora na sabatina de André Mendonça.
  • Dentista obtém vínculo empregatício e terá indenização de R$ 160 mil.
  • União terá que readmitir uma militar transexual afastada do serviço em 2015.
  • Canal Rural ganha ação ajuizada por um seu ex-operador de câmeras.
  • Senado vai reformar imóveis dos apartamentos residenciais.

Google Imagens

Cinco penas de prisão perpétua para um único assassino

 

Cinco penas de prisão perpétua para um único assassino

  • Homem que matou cinco funcionários da redação de um jornal também recebe pena complementar de mais 345 anos no cárcere.
  • Vantagens para que advogados brasileiros se inscrevam na OAP – a Ordem de Portugal.
  • ´Shabat´ respeitado em concurso público.
  • O primeiro julgamento de dois filhos da ex-deputada Flordelis. 

Imagem Camera Press

Primeiro de outubro: começa o novel penduricalho “auxílio-saúde”

 

Primeiro de outubro: começa o novel penduricalho “auxílio-saúde”

  • A lista de dependentes que podem ser incluídos no plano do TJRS é ampla: cônjuge, companheiro (a) em relação estável, filhos menores de 18 anos (ou até 24 se estudante), ex-cônjuge ou ex-convivente que perceba pensão alimentícia.  E também o enteado solteiro, nas mesmas condições dos filhos.   
  • Advocacia sem penduricalhos. Chapa oposicionista de Paulo Torelly e Lucia Kopittke enfrentará Leonardo Lamachia (ainda sem vice anunciado/a).

Imagem Silvimar

STJ edita nova súmula

 

STJ edita nova súmula

  • O novo enunciado disporá sobre a demissão do servidor público quando caracterizadas as hipóteses previstas no artigo 132 da Lei nº 8.112/90.
  • Advogados articulam lançamento de terceira chapa às eleições da OAB/RS.
  • As profissões que estão em alta e em baixa.
  • Departamento de Justiça dos EUA pede cinco anos de prisão para o brasileiro José Carlos Grubisich, ex-presidente da Rhodia, Eldorado e Braskem.
  • Rafael Foresti Pego será o novo procurador-chefe do MPT no Rio Grande do Sul. 

Foto: Pixabay

Protocolo do primeiro produto à base de cannabis na Anvisa

 

Protocolo do primeiro produto à base de cannabis na Anvisa

  • Empresa Ease Labs protocola na Anvisa o pedido para produzir Canabidiol Fitocomplexo.
  • Os meandros da propaganda enganosa e o rumoroso caso dos automóveis Veloster.
  • Juiz gaúcho Alex González Custódio passa a ser investigado pelo Ministério Público.
  • Leia o contraponto dos advogados Nereu Giacomolli e Pedro Bossle.

O Globo Digital - reprodução

Quem se habilita a comprar um apartamento de R$ 35 milhões?

 

Quem se habilita a comprar um apartamento de R$ 35 milhões?

  • Há três unidades de 350 m2 à venda à beira-mar, no Leblon (RJ). O preço é de R$ 100 mil por metro quadrado.
  • A insensatez do cônjuge adúltero ao praticar “tais atos” no ambiente familiar, onde as partes moravam com os três filhos comuns.
  • A predominância masculina no Itamaraty: dos 205 embaixadores brasileiros, apenas 20% são mulheres.
  • Chega ao STJ um novo recurso sobre a proibição (ou liberação) do Airbnb.