Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, sexta-feira 15.10.
(Próxima edição: terça-feira, 19)
https://www.espacovital.com.br/images/jus_azul_especial_cigarra_2.jpg

Matou a torcida tricolor e foi ao cinema!



Imagem Papo de Cinema.com.br

Imagem da Matéria

Há um filme antigo que se chamava “Matou a Família e Foi ao Cinema”, de Neviille de Almeida. Parafraseando, digo: o time do Grêmio perdeu mais uma partida; matou a torcida e foi tirar folga; matou a torcida e foi ao cinema.

Incrível. O time perde, perde e perde. E ganha folga de três dias. Fantástico!...

Isso não é clube de futebol. É de recreação. E, cá entre nós, o Maicon com aquela barriga parece jogador de time de Solteiros contra Casados. Vejam a foto que saiu nas redes. E vejam também as imagens das confusões de campo em que o time se meteu. (O link está no final desta página).

O plantel do Grêmio, feitas as contas, não fecha um time. Mandando embora Maicon, Jean Pyerre, Luiz Fernando, Everton Fake, Rafinha, Vitor Ferraz, Paulo Miranda, Cortez, Leo Pereira (que decepção!) e completem a lista. No frigir dos ovos, não dá onze para jogar.

Aliás, psicólogos, psiquiatras e psicanalistas têm de estudar dois jogadores do Grêmio: Jean Pyerre e Ferreirinha. Que super autoestima, hein? Pensam que são Messi e Cristiano Ronaldo. Quer dizer: na verdade, eles têm certeza de que são melhores que Messi e CR7.

Por vezes Ferreirinha e Jean Pyerre parecem bem uma tosa de porco: muito grito e pouquíssima lã.

E lá se vai o Grêmio jogando por uma bola. Sim, joga por uma bola e sempre leva uma bola...no próprio gol.

E parte da imprensa brucutu diz: primeiro tem de se preocupar em não levar gol. Ora, ora, discípulo gafanhoto, diria o mestre, se a tese estiver correta, empate é lucro. Logo, se tivermos sorte e empatarmos todas as partidas em zero a zero, já estamos de antemão na Segundona. É só fazer os cálculos. Como têm Einsteins por aí.

Parece que ao time do Grêmio se aplica a teoria do Paradoxo do Queijo Suíço - Swiss Cheese Paradox Theory, que faz sucesso entre coachings e jogadores gordos.

Explico a Swiss Cheese Paradox Theory: o melhor queijo é o suíço; o melhor queijo é o suíço porque tem muitos furos; assim, quantos mais furos, melhor o queijo; mais furos, menos queijo, melhor queijo.

Moral da história: o melhor queijo é não queijo. É o queijo-nenhum.

Isso. O time do Grêmio é um queijo suíço. Quanto menos gols levarmos, melhor. Se não fizermos gols, empatamos. Como não fazemos gols, ganhamos um ponto se não levarmos gols. Moral da história: se formos bem, vamos mal.

Ou outra versão: um time bom não tem jogadores ruins; assim, quanto mais nos livramos de jogadores ruins, melhor fica o plantel; menos jogadores ruins, melhor time; como a maioria é ruim, ficaremos sem time.

Bingo. Palavra que, em sânscrito clássico, quer dizer...bingo.

Em tempo – Maicon saiu do Grêmio nesta segunda, às 17h. Já era hora.

Veja as confusões no gramado da Arena. Clique aqui.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor