Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, sexta-feira 15.10.
(Próxima edição: terça-feira, 19)
https://www.espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

A campanha eleitoral e o fundo bilionário



Chargista Baggi Jornal de Brasilia

Imagem da Matéria

PONTO UM:

A cada eleição, o assunto retorna: gastos públicos com as campanhas eleitorais. Mas a eleição não é só no ano que vem? A eleição sim, mas a campanha eleitoral já está no ar – ou alguém duvida disso? – e, lado a lado, a discussão sobre o tamanho do Fundo Especial de Financiamento de Campanha, o FEFC.

Cumpre à lei de diretrizes orçamentária, aprovada pelo Congresso no decorrer do mês de julho, a previsão das dotações orçamentárias para o Fundo Eleitoral. Apenas para relembrar, o FEFC foi criado em 2017, estabelecendo-se um sistema público de financiamento das campanhas eleitorais, em substituição às doações por pessoas jurídicas, até então vigente. Isso porque o STF havia declarado, em 2015, a inconstitucionalidade dos dispositivos que tratavam das doações pelas pessoas jurídicas, conforme legislação eleitoral.

Atenção, não foi considerado pelo Supremo que doação por pessoa jurídica é inconstitucional, mas sim o sistema adotado pela nossa legislação eleitoral. O fato é que o Congresso Nacional optou por buscar nos recursos públicos o financiamento para as campanhas eleitorais, criando o FEFC na minirreforma eleitoral de 2017. Para as eleições de 2018, o Fundo foi estabelecido em 1,7 bilhões e para as eleições de 2020, em torno de 2 bilhões. Na previsão atual, o valor sobe para 5,7 bilhões. Aqui reside o problema. 

PONTO DOIS:

Como se chegou a tal montante, absolutamente desproporcional às duas experiências anteriores, aumentando em quase 300% o valor que regeu as eleições de 2020?

Primeiro, há de se entender que a principal dotação para a constituição do fundo vem dos valores destinados às emendas parlamentares. Até então a regra era de que essa dotação ficaria limitada a 30% dos recursos destinados às emendas de bancada estadual, que são de execução obrigatória. Pela nova redação, o valor deve ser equivalente ao total dessa destinação, afastada a limitação.

Segundo, estabeleceu-se a partir de 2019 uma nova modalidade no tratamento de emendas, criando-se um marcador específico a ser

utilizado pelo relator, pouco ou nada transparente. Os valores das emendas vinham sendo fixados a partir de Identificadores de Resultado Primário – RP, que podem ser individuais (RP6), previstos para cada parlamentar; de bancadas estaduais (RP7) entre outros tantos. O RP9 passou a constituir Emenda do Relator Geral da LDO, que não é submetida ao plenário ficando por sua exclusiva proposta e responsabilidade. Uma espécie de cheque em branco.

Essa artimanha orçamentária passou a ser chamada de “orçamento secreto” ou “orçamento paralelo”, adjetivando-se o Relator Geral de

“Super-Relator”. Por tais caminhos legislativos, o fato é que o fundo eleitoral corre o risco de ir a quase 6 bilhões de reais nas eleições de 2022. 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagem Question Pro

Eleições na OAB: movimento para a democracia representativa, digital e inclusiva

 

Eleições na OAB: movimento para a democracia representativa, digital e inclusiva

“Além das novidades do voto on line, também merecem destaque as alterações que vêm ao encontro de uma representatividade mais fiel às diversidades de nossa sociedade. Uma, diz com a obrigatória paridade de gênero em cada bloco de pleitos. Outra diz com o atendimento da cota mínima de 30% de advogados negros e de advogadas negras (autodeclarados pretos/as ou pardos/as)”.

Chargista Junião / Google Imagens

Eleições de 2022: meio passo à frente

 

Eleições de 2022: meio passo à frente

Foi aprovada pelo Senado a proposta de contagem distinta para mulheres e pessoas negras candidatas às cadeiras proporcionais, valendo tais votos em dobro para distribuição dos recursos do Fundo Partidário e do Fundo Especial de Financiamento de Campanhas. Os votos obtidos por essas reconhecidas minorias no âmbito político eleitoral serão computados em dobro.

https://ensaiosenotas.com/

Amigos x seguidores e a Teoria Dunbar

 

Amigos x seguidores e a Teoria Dunbar

“Segundo o antropólogo britânico Robin Dunbar, - as pessoas encontram limites na quantidade de amigos, estabelecendo um número mágico máximo: 150. Essa limitação tem a ver com o nosso cérebro, mais precisamente o néocortex, que está associado à cognição e à linguagem e encontra limites para guardar informações e realizar conexões”.

Charge de Gerson Kauer

Os processos lançados em escaninhos de espera indefinida

 

Os processos lançados em escaninhos de espera indefinida

“Na Justiça comum gaúcha ainda vivemos em coabitação com autos físicos e autos eletrônicos. A demora no andamento dos processos físicos frente ao sistema eletrônico já é anterior ao período de crise, embora tenha se acentuado de forma aguda. Muito por conta da suspensão dos prazos e pelos insucessos na sua digitalização”.