Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, sexta-feira 15.10.
(Próxima edição: terça-feira, 19)

STJ confirma tese da PGE-RS sobre cobertura de tratamento por laboratório



Imagem: https://www.perapharma.com/

Imagem da Matéria

A Procuradoria-Geral do Estado do RS garantiu, no STJ, o ressarcimento aos cofres públicos dos valores despendidos com a compra de medicamento para paciente que participava de estudo promovido por um grande laboratório, mas acabou desassistida pela empresa. Após atuação da PGE-RS, a Justiça entendeu que cabia à farmacêutica dar continuidade ao tratamento.

A mulher recebeu o fármaco Aldurazyme da empresa Sanofi-Aventis Farmacêutica Ltda., braço brasileiro do conglomerado farmacêutico multinacional Sanofi, sediado em Gentilly, França – que é uma das maiores empresas do setor no mundo.

Para que serve o medicamento?

O Aldurazyme é indicado a pacientes com doenças genéticas raras, entre as quais a mucopolissacaridose I, nas diversas formas da doença: Hurler (grave), Hurler-Scheie (intermediária) e Scheie (menos grave).

Cada frasco (conteúdo injetável) custava de R$ 2,7 mil a R$ 3 mil. Atualmente, o produto não está disponível no mercado brasileiro.

O Aldurazyme funciona no combate aos distúrbios no armazenamento de certas substâncias no organismo, chamadas mucopolissacarídeos; estes são causados pela deficiência de outra substância, chamada enzima, a qual é necessária para a degradação dos mucopolissacarídeos.

Durante o período de testes clínicos prévios à obtenção do registro na Anvisa - também conhecido como tratamento experimental – a entrega do medicamento Aldurazyme foi regular.  Obtida a patente, a entrega obrigatória foi descontinuada unilateralmente. A paciente então solicitou judicialmente o produto ao Estado. Este deu assistência, e ingressou com ação visando à restituição do montante de R$ 771.362,46 gasto com o tratamento completo da paciente.

A discussão judicial

O ponto central da discussão judicial consistiu no dever da multinacional francesa cobrir a vultosa quantia empregada pelo erário, assegurando a não interrupção do tratamento - ainda que fosse de eficácia questionável - para preservar a saúde da cidadã.

Como não obteve êxito no TJRS, a indústria farmacêutica interpôs recursos aos tribunais superiores. Diante das novas tentativas, o STJ confirmou a tese da PGE-RS.

Não há trânsito em julgado. A multinacional interpôs recurso extraordinário ao STF. (ARESP nº 1.735.048 – Apelação no TJRS nº 70082322611).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Foto Notibras

Os destaques das pautas do STJ no segundo semestre

 

Os destaques das pautas do STJ no segundo semestre

Corpos estranhos em alimento. A penhora de verba alimentar em ação de improbidade. As suspeitas sobre o Judiciário da Bahia. O julgamento de seis temas repetitivos. Os expurgos inflacionários. A prescrição em ações sobre contrato de seguro. A Taxa Selic na reparação de danos. E... o leitor sabe o que é cram down?

Inter e Grêmio/ DIVULGAÇÃO

O “bom futebol” na previsão do “locutor raiz”

 

O “bom futebol” na previsão do “locutor raiz”

Francisco Cechin Júnior - depois do sucesso com o lançamento do “curso online para caçar tartarugas forenses” - está de volta ao Espaço Vital. Com sua voz marcante, ele critica a solução colorada: escapar graças a um habitual gol de pênalti. E evoca o “brilhantismo do Grêmio”: a impetuosidade de Jean Pyeerre, que ganhou o apelido de “jump tortuguita”. 

Clique para acessar a página que levará o leitor ao áudio.