Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 3).
https://www.espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

O juiz modernoso



Arte de Camila Adamoli sobre foto de Sora Shimazaki (Pexels)

Imagem da Matéria

Por Carlos Alberto Bencke, advogado (OAB/RS nº 7.968).

As agendas ainda não eram digitais como agora. Eram impressas e existiam empresas especializadas na confecção dos “livrinhos”. Tinham capas personalizadas e, no interior, informações, projetos exclusivos, formas e conteúdos até registrados como propriedade intelectual.

Duas dessas empresas – as maiores do País – iniciaram processo de violação de direito autoral. Uma acusava a outra dessa contrafação. O processo corria numa comarca da região calçadista do Estado. O magistrado marcou audiência.

Como advogado da empresa gaúcha, recebi um telefonema do advogado adverso, convidando-me e ao empresário meu cliente para um almoço no dia da audiência, que começaria às 14 horas. Marcamos encontro na galeteria que ficava na rua lateral da BR-116, próxima ao fórum. Haveria, entre nós, uma tentativa de conciliação antecedente à audiência.

Os empresários, hoje falecidos, eram pessoas austeras, de comportamento e atitude conservadoras, até pela procedência de ambos: um, o gaúcho, nascido na Alemanha; o outro, paulista, natural da Inglaterra.

Não houve o prévio acordo. Mas o almoço transcorreu amistoso. E não poderia ser diferente, pois ambos eram educados, cavalheiros, como dois fidalgos da nobreza europeia. Após, o inglês saboreou um havana de primeira linha e assim fomos para o fórum.

Já sentados, todos, em seus respectivos lugares: o escrivão, as partes e seus advogados. Faltava o juiz. Feitas as qualificações, tudo pronto para o início da solenidade, todos de terno e gravata, entra o magistrado... cabelos compridos, de camiseta, tênis e calça de brim. Sentou-se no lugar mais alto e perguntou: “Há possibilidade de acordo?”

Antes que eu pudesse responder, meu cliente, com seu sotaque germânico, sem esconder sua estupefação, atalhou: “Quem é esse?”

Respondi: “É o juiz”.

Nosso rápido diálogo, no silêncio da sala de audiências, foi ouvido por todos os circunstantes.

O magistrado, sem perder o bom humor, também respondeu de forma clara e didática: “Eu sou o juiz e sempre me visto assim. Não é pela vestimenta que se mede a capacidade intelectual de alguém. E lhe digo mais: camiseta, calça de brim e tênis eu só uso de marca, assim como o terno Armani que o senhor está vestindo”.

A audiência seguiu porque não houve acordo. Depoimentos pessoais desistidos por cavalheirismo germânico e inglês. Testemunhas ouvidas, sentença em audiência e tudo confirmado pelos tribunais superiores.

Não interessa quem ganhou. Ganharam todos e o mais importante é que a vitória foi da Justiça, da rapidez na prestação jurisdicional, do exemplo de educação de todos (partes, advogados e juiz). E, principalmente, a vitória da superação do preparo intelectual e da “liturgia do cargo” sobre as vaidades pessoais.

Nada parecido com o que ocorre na Suprema Corte...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Expedito, o pinto do padre

 

Expedito, o pinto do padre

O erudito desembargador lecionava num curso para formação de magistrados. Aos doutos alunos exortou que - quando ingressados na profissão - se relacionassem polidamente com os advogados, com a imprensa, e principalmente com a sociedade – “que em última análise é a empregadora da magistratura”. E contou a história do padre que estava à procura de seu pinto...

Charge de Gerson Kauer

A esposa demitida...

 

A esposa demitida...

Na conjunção de uma união estável e de apoio no consultório do dentista Romualdo, a convivente Dulcinéia tentou obter o reconhecimento de uma união estável que teria durado uma década... Mas não conseguiu os reflexos da “boca rica”...  

Charge de Gerson Kauer

O anjo do voo JJ-3054

 

O anjo do voo JJ-3054

O caso do empresário (casado) que escapou da morte no voo trágico que explodiu em Congonhas. Ele safou-se porque – trocando a reserva do voo de ida – optou por desfrutar horas de prazer na companhia da namorada porto-alegrense.

Charge de Gerson Kauer

Um saboroso Risoto Especial Judicial

 

Um saboroso Risoto Especial Judicial

Era uma ação de indenização por dano moral decorrente de ofensas postadas na internet. E de repente, na penúltima folha da petição de recurso especial, lá estava: “Risotto judiciaire au fromage et à la tomate”. A receita era apropriada para seis pessoas.

Charge de Gerson Kauer

As buzinadas no motel

 

As buzinadas no motel

O operador do Direito está cometendo adultério com uma garota em um motel. De repente, toca o celular e, sem pensar, o hóspede comete o erro de atender. Quem está ligando é a esposa dele. O diálogo é rápido: “Onde tu estás? Eu liguei para o teu gabinete e disseram que, depois da audiência, tinhas saído...” (...) “Estou no trânsito!” (...) “Então, buzina que eu quero ouvir”.