Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 3).

Antes que o sino da igreja seja badalado anunciando a morte da advocacia e da justiça



Imagem: Youtube

Imagem da Matéria

Solano

Por Augusto Solano Lopes Costa, advogado (OAB/RS nº 22.740), de São Gabriel/RS para o Espaço Vital

Ainda estamos em meio aos efeitos e transformações decorrentes da pandemia. Efeito imediato para os profissionais da advocacia, a crise é equivalente à grande depressão econômica de 1929. E é a maior crise que a advocacia enfrenta nestes 35 anos de exercício profissional que vivencio.

Entristecido, evoco a famosa citação de José Saramago, lida por ocasião do encerramento do Fórum Social Mundial realizado em Porto Alegre em 2002. Nela é descrita a situação do Camponês de Florença, que após perder uma pretensão em que se discutia a questão limítrofe dos marcos de propriedade - tendo conhecido o resultado, negativo à sua pretensão - subiu ao campanário da pequena igreja da aldeia e lá tocou o sino, como que para avisar à população que a Justiça havia morrido.    

Neste momento em que completamos mais de 19 meses sem atividade forense, desde setembro de 2019 (greve dos serventuários) e março de 2020 (início da pandemia), até os presentes dias, lembro justamente do Camponês de Florença.

Quando leio que setores da economia lamentam seus prejuízos e resultados negativos advindos das situações pandêmicas, lamento muito mais as vidas que se perderam. Praticamente nenhuma família ficou livre de haver pranteado algum familiar e ente querido cuja vida foi ceifada.

E o comparativo com o exercício profissional da advocacia se faz inevitável. Longo período sem o exercício regular da atividade.  Estoica e heroica, ela resiste bravamente nas ações em que a OAB/RS busca freneticamente o diálogo. Na conjunção, há que contornar as barreiras possíveis, mas que esbarram nos obstáculos instransponíveis dos meandros cibernéticos e dificuldades impostas pela vagarosa ambientação à modernidade.

A Justiça Estadual do RS, a mais abrangente e diretamente ligada ao nosso dia a dia, desnudou-se atrasada em seu processo de digitalização de seus processos e serviços; e naquilo em que se iniciava, foi literalmente atropelada pelos fatos.

Do outro lado do balcão, nós advogados e partes, já combalidos das refregas de outros campos de batalha, nos vimos diante de algumas situações inusitadas.  Literalmente atropelados pelos fatos, vamos dando um jeito aqui e por ali. Como a água que escorre nas enchentes, buscando uma saída. 

Não nos é permitido buscar o porquê desta situação – mas, sim, buscar ou vislumbrar saídas pela sobrevivência. Sem salários garantidos no final do mês, a busca é literalmente pela sobrevivência. Nesta guerra buscamos somente sobreviver e tentar saber o que virá? E como virá? 

Verificaremos isso no andar do tempo. Oxalá seja antes que o Camponês de Florença suba novamente ao campanário daquela pequena igreja da aldeia. Ele foi visto já na escadaria; estamos torcendo para que ele desista no meio da subida...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Google Imagens

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

 

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

A mudança no artigo 7° do Estatuto da Advocacia. “A pertinência do PL n° 4426/2020, elaborado com o objetivo de garantir as prerrogativas legais do exercício da advocacia. A proposta baseia-se nos princípios da isonomia e está alicerçada nos direitos fundamentais previstos na Constituição de 1988”. Artigo do deputado federal Nereu Crispim

Álbum de família

Um começo de justiça para Mara Rúbia

 

Um começo de justiça para Mara Rúbia

Indenização será de R$ 350 mil. O viúvo demonstrou que o empregador negligenciou nos cuidados na prevenção contra o coronavírus, mesmo sabendo das comorbidades que incluíam a trabalhadora nos grupos de risco. Artigo do advogado Thiago Rocha Moyses

Charge de Gerson Kauer

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

 

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

“Estamos em tempos que parece ter havido um reflexo invertido entre o sonho do renascimento do diálogo e uma certa advocacia amestrada, sempre pronta a atender caprichos imperiais ou, como se diz nas democracias, abusos ou arbitrariedades”. Artigo do advogado Deivti Dimitrios Porto dos Santos, presidente da Subseção de Gravataí (RS).