Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 30 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 3).

Ser criminalista é trabalhar com a dor



Foto Adobe Stock

Imagem da Matéria

daiane

Por Daiane de Oliveira, advogada (OAB-RS nº 102.311) 

daianeoliveiraadvogada@gmail.com

Toda a vez que afirmo ser criminalista, escuto: “Você defende bandido? Que absurdo! Como consegue?”

Já ouvi esse preconceito de colegas de profissão. Fico triste. Mas não defendo bandido. Defendo o direito. Defendo a Constituição Federal e o Estado  Democrático de Direito.

Criminalista não defende o crime cometido. Defende o devido processo legal e a ampla defesa do acusado. Sou contra o abuso do Estado ou seja de quem for, contra meu cliente. Quero e defendo o respeito aos princípios constitucionais.

Ser criminalista é trabalhar com a dor. A dor da morte, a dor da perda, a dor da agressão, a dor da prisão.

É tentar entender o que levou uma pessoa a praticar um delito. É impedir que o Estado massacre uma pessoa sem o devido processo legal. Que esqueça um cidadão dentro do sistema prisional.

Ser criminalista é ver uma família chorar. É ver o réu chorar. A vítima e os familiares desta. Trabalhamos diretamente com a dor. Vou confessar: é pesado.

Dói ver um familiar angustiado. Dói ver teu cliente preso. Dói saber que alguém morreu. Dói saber que o princípio da celeridade processual não é respeitado. Que um processo se arrasta por anos...a morosidade para quem está preso é cruel.

Quem milita nessa área cansou de ver os olhos do pré-conceito. A opinião pré-formada de que advogados criminalistas só defendem bandido.

Mas opinião muda. Sabe quando? Quando um familiar responde um processo penal. Quando o cidadão é alvo de uma acusação injusta. Nesse momento as pessoas entendem a real função de um advogado criminalista e a opinião pré-formada, caí por terra.

Eu tenho orgulho em trabalhar na área criminal!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Google Imagens

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

 

Projeto de lei autoriza porte de armas para advogados

A mudança no artigo 7° do Estatuto da Advocacia. “A pertinência do PL n° 4426/2020, elaborado com o objetivo de garantir as prerrogativas legais do exercício da advocacia. A proposta baseia-se nos princípios da isonomia e está alicerçada nos direitos fundamentais previstos na Constituição de 1988”. Artigo do deputado federal Nereu Crispim

Álbum de família

Um começo de justiça para Mara Rúbia

 

Um começo de justiça para Mara Rúbia

Indenização será de R$ 350 mil. O viúvo demonstrou que o empregador negligenciou nos cuidados na prevenção contra o coronavírus, mesmo sabendo das comorbidades que incluíam a trabalhadora nos grupos de risco. Artigo do advogado Thiago Rocha Moyses

Charge de Gerson Kauer

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

 

Resistir para não nos transformarmos em advocacia amestrada

“Estamos em tempos que parece ter havido um reflexo invertido entre o sonho do renascimento do diálogo e uma certa advocacia amestrada, sempre pronta a atender caprichos imperiais ou, como se diz nas democracias, abusos ou arbitrariedades”. Artigo do advogado Deivti Dimitrios Porto dos Santos, presidente da Subseção de Gravataí (RS).