Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, terça-feira, 11 de maio de 2021.
(Próxima edição: sexta-feira, 14).
https://www.espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Os piratas internautas e o Judiciário



ImagemMegaCurioso.com.br

Imagem da Matéria

PONTO UM:

O verbo piratear, representando o ato de piratear, é reproduzido no dicionário pelo significado de violência, apropriação ou depredação cometido no mar, e, mais modernamente, já se reconhecendo a pirataria como reprodução, sem autorização dos titulares, de livros, gravações, som e imagem, sistemas informatizados, mostrando um lado contemporâneo do ato de piratear.

Mas a palavra pirata ainda nos faz lembrar, com uma certa nostalgia, dos piratas que entre os séculos XVI e XVIII agiam principalmente nos mares que costeavam as Américas, representando figuras românticas - ora do bem, ora do mal - graças aos romances e filmes hollywoodianos.

Historicamente, houve piratas famosos, como Edward Teach, que viveu no final do Século XVII e início do Século XVIII, mais conhecido pela alcunha de Barba Negra. Ele era inglês e pirateava pelo mar do Caribe e na costa leste da América do Norte. Muitas histórias que o cercam são lendárias, entre as quais o fato de atear fogo em sua barba para assustar seus adversários.

Morreu de forma violenta, tendo sua cabeça cortada e pendurada no navio de seus algozes. Mas não só homens ganharam fama pirateando os mares. Também mulheres piratas mereceram registros, como Anne Bonny, que viveu entre 1697 e 1782, portanto teve vida longa o que era incomum no meio dos piratas. Anne era irlandesa e pirateava nos mares do Caribe. Vestia-se como homem e era implacável nas abordagens das embarcações invadidas. Chegou a ser presa e condenada a forca, mas alegando gravidez, escapou à sentença.

PONTO DOIS:

Contemporaneamente a pirataria não morreu, apenas se reinventou. E nem o Judiciário dela escapa. Há poucos dias o TJRS foi a vítima da vez. Ataques cibernéticos já ocorreram antes, como a invasão no STJ - o maior tribunal superior em volume de trabalho - no final do ano de 2020, e o TRF da 3ª Região em janeiro deste ano.

Ao que consta, desta vez a violência e os problemas causados pelos hackers foi muito mais poderosa. O saite do tribunal estadual gaúcho permanece inacessível e significativa parte dos processos está paralisada. Segundo noticiado pelo próprio TJRS, os processos que tramitam pelo e-Proc (mais modernos) embora inicialmente paralisados já estão em curso, com a recuperação da rede.

Já aqueles que tramitam pelo sistema Themis (processos físicos) e e-Themis (processos virtuais) estão ainda paralisados. Os prejuízos são enormes, especialmente nos casos, cíveis ou criminais, que reclamam urgência.

Há notícias de que pedidos, oriundos da Policia, Mistério Público e advogados, foram formalizados em papel e à caneta (quem hoje ainda tem máquina de escrever?) no auge da crise. Sem dúvida que o trabalho incansável levado a efeito pelos técnicos de informática vão lograr êxito, no todo ou em parte, da recuperação dos dados e arquivos e retomada dos trabalhos.

A questão é: os piratas de barba e espada - sabia-se bem - queriam ouro, pedras preciosas, joias.

Mas qual o lucro ou vantagem dos hackers que invadem bancos de dados do poder público? Dinheiro por certo não, porque não há como materialmente atender eventuais pedidos de resgate.

Informação. Essa é a riqueza do Século XXI. Com informação, o mundo está a seus pés e abre uma infinidade de opções. E aquelas obtidas pelos hackers certamente não serão utilizadas para fazer o bem. Prevalecerá, mais uma vez, o mal.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Google Images

Que não seja para morrer na praia...

 

Que não seja para morrer na praia...

“O TSE retoma o debate sobre os sistemas eleitorais: a discussão sobre desafios e perspectivas do sistema proporcional, a fragmentação partidária, a representação das mulheres e a desproporcionalidade entre votos e cadeiras no parlamento”.

Foto Downtown Filmes - Divulgação

O tempo, o vento e a vacina

 

O tempo, o vento e a vacina

“Precisamos de tempo, mas contado por outra dimensão. Tempo em semanas, dias, horas por vezes já não basta. Ou a guerra da Covid-19 estará perdida. O efeito dominó da transmissão do vírus já se faz sentir com o crescimento geométrico da doença”.

Arte EV

A venda de armas no Brasil e o seu ranqueamento

 

A venda de armas no Brasil e o seu ranqueamento

“Em janeiro foi divulgado o significativo aumento na compra de novas armas de fogo, alcançando 180 mil recentes unidades. Eu gostaria, porém, de outras notícias nos ranques nacionais. Por exemplo: o significativo aumento na compra de livros, físicos ou digitais, propagando o conhecimento”.