Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).
https://www.espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

Os falaciosos que iludem a paixão dos torcedores



Arte: Internacional.com.br - Editada

Imagem da Matéria

No futebol surgem expressões com objetivos mágicos para que os falaciosos tentem iludir a paixão dos torcedores. Em mais de 30 anos de vida no Internacional, convivendo com gente experiente, aprendi que não há milagres no futebol.             

A grande mentira que preponderou nas eleições passadas, meticulosamente explorada pelos “influencers” - covardes injuriadores sob encomenda –   foi a conversa fiada adotada por aqueles que jamais pisaram em um vestiário e, quando pisaram, não ganharam nada.

Pois bem, a tal ciência de dados nada mais é que servir-se de forma séria da monitoração dos adversários e dos atletas. Em síntese, acabar com o “achismo” que tanto prejuízo já trouxe aos cofres dos clubes e abrindo espaço à corrupção. Nada mais do que isso.

Ian Graham em 2015, contratado assumiu o Liverpool e implantou o método que tem como conceito o domínio de campo com base em estatísticas obtidas em partidas anteriores. Coincidentemente o Liverpool melhorou muito, tornando-se campeão europeu.

Sim, coincidentemente porque seguramente não foi apenas isso que mudou a realidade de derrotas.

Aqui no Internacional - quando fomos campeões do mundo FIFA e por duas vezes campeões da América, época em que o atual presidente não existia no quadro social - preponderava uma ideia de mudança com muita dedicação, trabalho e seriedade, cada qual na sua área de direção.

A “ciência de dados” é apenas um dos aspectos para a mudança estrutural para que um cube deixe o status de perdedor.

No Gre-Nal do coelhinho da Páscoa, o resultado foi amargo: mais uma derrota com o gol de um novato, justamente quando os ponteiros do relógio davam início ao dia 4 de abril, aniversário do Sport Club Internacional.

Um alento de ressureição aos colorados como eu: pelo conceito da ciência de dados, vencemos o  clássico!...

Sim, tivemos mais posse de bola, mais domínio de campo e só perdemos por um detalhe: o espanhol esqueceu que o essencial é vencer, ingressando na estatística das vitórias.

A maneira de ele fazer o time jogar me lembrou muito do Nelsinho Batista porteño, o Coudet: muita jogada lateralizada com ausência de objetividade e efetividade.

Esqueceram de contatar aos “moderninhos” do futebol o óbvio, aquilo que faz parte de um elementar fundamento: a goleira do adversário é do outro lado do campo e quanto o mais rápido nosso atleta ficar diante dos zagueiros e do goleiro melhor.

Todos sabem que quando se ataca o gol adversário com rapidez, podemos obter o gol, um pênalti, uma falta perigosa, um escanteio e na pior das hipóteses uma lateral na proximidade da área.

A posse de bola ineficiente só traz supremacia porcentual, nada mais, é o ouro de tolo. Impor uma mecânica imprópria ao plantel tem como consequência certa o descrédito e o desgaste.

Na estatística registrada pela história mais uma vitória para o rival.  Há apenas uma única vitória pelas mãos do Abelão que tem muito a ensinar aos que por aqui se aventuram: quem não faz leva.                        

Estava esquecendo: com a derrota perdemos a liderança no campeonato.

Por tudo, foi uma triste Páscoa para o Inter.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre imagem Medium.com

Falta generosidade no Inter

 

Falta generosidade no Inter

Na semana em que veio à tona que o Abel Braga teria chamado, dentro do vestiário, os atuais dirigentes do Internacional de “moleques” e em plena pandemia, o Pernambuco é despedido. Ele tinha uma vida dedicada ao clube, com 50 anos de serviços prestados.

Pedro H. Tesch/AGIF

Porque o Internacional é roubado

 

Porque o Internacional é roubado

É histórica a centralização do futebol no eixo Rio - SP, o que foi agravado pelos interesses do televisionamento que busca a maior audiência. Isso colaborou para que a estrutura diretiva do futebol brasileiro sofra forte influência dos chamados grandes, aqueles que possuem expressiva torcida em todo o país e, assim, milhões de telespectadores”.