Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).
https://www.espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Prestação jurisdicional célere?



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Abril de um ano da década passadaFalava-se na gripe H1-N1, a pandemia era algo inimaginável. Num evento do meio empresarial estão presentes alguns conselheiros da OAB. Representa a corte estadual um desembargador - normalmente afável e que tem por hábito receber os advogados.

A conversa começa com eleições na Ordem, três possíveis chapas; logo discute-se o pleito no TJRS, duas chapas. Comenta-se também os riscos de deixar crescer, cada vez mais, a “estagiariocracia”. Convicto, o desembargador pondera que a “assessorcracia” é confiável.

Um profissional de notória advocacia contenciosa refere que é mais fácil encontrar determinados juízes na sede da Ajuris do que no foro central.

Aproxima-se da roda um capitão da indústria e revela:

- Os advogados que hoje atendem minha empresa lamentam não mais saber se ainda existe prestação jurisdicional minuciosa.

Provocado, o desembargador admite:

- Por causa da multiplicação de processos, a jurisdição está sendo prestada também, de fato, em casos pontuais, por pessoas sem os desejáveis predicados. E no contexto macro não se pode mais fazer jurisdição artesanal.

Um dirigente da Ordem gaúcha, então, reforça:

- Atualmente, não há mais jurisdição artesanal – ela é talvez 99 por cento industrial...

Súbito a conversa termina porque o mestre de cerimônias anuncia que “a cerimônia vai começar, solicitando-se aos convidados que ocupem seus assentos”.

O assunto, assim, é encerrado.

>>>>> 

Abril de 2021, sábado dia 3. O portal do TJRS publica uma mensagem presidencial. São três longas frases, uma das quais com “votos de uma Feliz Páscoa a todos os operadores do Direito, que constituem a grande família do Sistema de Justiça, bem como aos (às) jurisdicionados(as), por quem diuturnamente estamos com os olhos voltados para prestar-lhes uma jurisdição célere e justa”.

Certamente a publicação terá sido incumbência social do chefe de Poder.

Mas, falar em jurisdição célere, francamente...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

A cola que reprovou o estudante

 

A cola que reprovou o estudante

O estudante de Educação Física era destacado nas aulas práticas, mas sem brilho nas provas teóricas. Certo dia, foi pilhado “colando”: levara em minúsculas tirinhas, alguns resumos que sorrateiramente poderiam ajudá-lo a responder as questões.

Charge de Gerson Kauer

O juiz ladrão...

 

O juiz ladrão...

Era uma tarde quente, numa segunda-feira. No fórum local: pilhas de processos; estagiário e assessor em pleno trabalho; advogados esperando alvarás. De forma solene, realizava-se uma audiência. Ao fundo, escutava-se, em aproximação - o som de um pistom, alguns tambores e gritos: “Não tem conversa não; o juiz é um ladrão”.

Ilustração de Gerson Kauer

O TRT-4 tem rosas. Mas não tem Rosa

 

O TRT-4 tem rosas. Mas não tem Rosa

A corte trabalhista gaúcha desconversa quando se lhe pedem informações sobre a existência, ou não, de uma ação trabalhista contra a ministra do STF Rosa Weber. A reclamante seria uma cuidadora de idosos que teria prestado serviços à mãe da suprema magistrada.

Charge de Gerson Kauer

O canal preferido

 

O canal preferido

Na audiência de tentativa de conciliação num divórcio litigioso, a causa da ruptura conjugal: flechadas recíprocas em relação às preferências do casal. O futebol na Fox Sports, ou as “saliências” do Sexy Hot.

Charge de Gerson Kauer

Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência

 

Qualquer semelhança com a vida real é mera coincidência

A comarca é a de Ilha da Vera Cruz. Ali tramita desde 2014 um divórcio litigioso sobre o adultério unilateral praticado por Gilda, a cônjuge feminina. Ela foi flagrada, em cores, como habitual parceira espúria de um jovem solteiro. Sete anos depois, Cornelius - o cônjuge enganado - recebe uma ligação de seu advogado: "O juiz Doutor Justus julgou a ação..."