Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta, 20 de maio de 2022.
(Próxima edição: terça dia 24 de maio.)
https://www.espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

O TRT-4 tem rosas. Mas não tem Rosa



Ilustração de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Abril do ano passado, saites especializados em noticiário jurídico publicaram que “a ministra do STF, Rosa Weber, é ré numa ação na Justiça do Trabalho da 4ª Região (RS), sendo também reclamado o irmão da magistrada”. A demanda seria movida por uma ex-cuidadora da mãe da ministra). A reclamante estaria pedindo o reconhecimento de vínculo de emprego e o pagamento de parcelas rescisórias.

Precipitada, a “rádio-corredor” advocatícia acrescentou que a petição inicial alegava “trabalho em condições degradantes”. E que o valor buscado ultrapassaria R$ 1,3 milhão de reais. Nada mais foi confirmado, porque o suposto processo teria logo sido colocado sob sigilo.

Em janeiro – durante as férias forenses – o Espaço Vital fez uma pesquisa com 250 leitores escolhidos aleatoriamente. Dos 206 (82%) que se manifestaram, 139 (55%) responderam afirmativamente que desejariam ler, numa das nossas próximas edições, “a confirmação da existência, ou não, uma ação trabalhista em que é parte a cidadã brasileira Rosa Maria Candiota Weber - e, acaso existindo, por que a tramitação é sigilosa?”

O Espaço Vital acionou a Secretaria de Comunicação Social do TRT-4, pedindo que “após ouvidos os desembargadores presidente e/ou vice (Carmen Izabel Centena Gonzalez e Francisco Rossal de Araújo - respectivamente) - fosse respondida a seguinte demanda jornalística: ´A ação existe, ou não existe?´”. Solicitou-se, também que - dependendo da eventual resposta afirmativa - complementarmente fossem informados detalhes da pretensa ação.

Sem demora veio a resposta oficial do TRT-RS: “Seguindo diretriz da Comissão de Comunicação Social e Relações Institucionais, fornecemos o número apenas de processos relacionados às notícias de decisões judiciais divulgadas no nosso saite. Também prestamos informações à imprensa a respeito de processos em tramitação, mediante a indicação, pelo veículo interessado, do número da reclamatória. Como o pedido do Espaço Vital não se enquadra nos casos mencionados, não poderemos atendê-lo”.

A conjunção fez lembrar do governo Geisel (1974/1979), especialmente do ministro da Justiça, Armando Falcão. Sua gestão, nos anos de chumbo, ficou marcada com a carimbada frase "Nada a Declarar". As três frias palavras caracterizavam a relação do Poder com a imprensa, com recusas a comentar assuntos considerados “confidenciais” ou “polêmicos”.

Mesmo o TRT-4 não tendo nenhum Armando, nem qualquer Falcão na sua administração, forçosamente prevalece a impressão de que a ação trabalhista não existe. E que a especulação jornalística não passou de uma cíclica “fake new”, que volta e meia ressurge.

Sem desdouro de idêntica referência elogiosa ao gênero masculino, a Justiça do Trabalho gaúcha está cheia de rosas, simbolizadas, na charge de Gerson Kauer, pelas operosas magistradas e servidoras que ali trabalham. A Justiça do Trabalho rio-grandense só não tem uma Rosa como reclamada.

Nem Armando Falcão faria melhor... Enfim, coisas do Poder. Em 1974/1979 foi assim. E em 2021 também é.

______________________________________________________________________________________

 Acordo trabalhista encerra ações contra a ministra Rosa Weber

PARA LER A NOTÍCIA SOBRE O ACORDO FEITO NA AÇÃO TRABALHISTA, CLIQUE AQUI.


Mais artigos do autor

Charge de GERSON KAUER

Consulta ginecológica à moda romana

 

Consulta ginecológica à moda romana

Ela era uma mulher interessante, sem exuberâncias, estava sempre perfumada, usava saltos altos, cabelos bem penteados. Um dia, ela foi ao consultório de um ginecologista que só atendia “particular”. O recôndito era decorado com objetos típicos das antigas milícias romanas.

Charge de GERSON KAUER

Uma comarca só de advogados

 

Uma comarca só de advogados

Um advogado, um juiz e um promotor conversam sobre a rotina forense, o congestionamento de cartórios, a precariedade de funcionamento dos JECs, as dificuldades para operar o processo eletrônico. “Eu exijo morar num resort” – pede o magistrado. “Eu quero uma ilha que me possa fazer lembrar o Éden” – pretende o representante do Ministério Público...

Charge de GERSON KAUER

A suprema vibração

 

A suprema vibração

A segurança do STF resolveu aplicar o que seus agentes chamam de “cana dura”. É a dica que significa ser minuciosamente exigente na revista dos pertences pessoais de todos os que chegam – mesmo os mais conhecidos e idôneos frequentadores. Vai daí que...

Charge de GERSON KAUER

Serviços sexuais insatisfatórios

 

Serviços sexuais insatisfatórios

Granjeiro do interior gaúcho, após tratar de assuntos comerciais em Porto Alegre, deu uma esticada nas bandas da avenida Farrapos. No local escolhido, sentou-se, pediu um uísque, e outros mais... A percanta combinou o preço e garantiu a excelência da voluptuosidade que prestaria...

Charge de GERSON KAUER

Pamonha jurisdicional

 

Pamonha jurisdicional

Na petição de apelação, o advogado embutiu um recado sutil: “A advocacia vem sendo desrespeitada por magistrados que não se dão ao trabalho de analisar os pleitos que apresentamos. Como somos tratados como pamonhas, informo que gostosas receitas desta iguaria oriunda do milho estão facilmente disponíveis na internet”.

Charge de GERSON KAUER

Perfumes jurisdicionais

 

Perfumes jurisdicionais

Num desdobramento de audiência de ação penal relativa a um assalto à mão armada, de repente a surpresa: “Doutor, o senhor tem compromisso hoje à noite?” – questiona a vítima (30 de idade), dirigindo-se ao juiz (50 anos). Na apoteose, até Vinicius de Moraes é evocado...