Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).
https://www.espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

Porque o Internacional é roubado



Pedro H. Tesch/AGIF

Imagem da Matéria

É histórica a centralização do futebol no eixo Rio - São Paulo, o que foi agravado pelos interesses do televisionamento que busca a maior audiência. Isso colaborou para que a estrutura diretiva do futebol brasileiro sofra forte influência dos chamados grandes, aqueles que possuem expressiva torcida em todo o país e, assim, milhões de espectadores.

Em 2005 uma organização criminosa retirou do Internacional um título brasileiro que, por mérito, era seu. Uma vergonhosa página na história.

Agora, não com a mesma expressão e violência, em pequenos “erros de interpretação”, o título nos foi surrupiado.  A realidade poderia ter sido atenuada, não fossem alguns resultados de campo inaceitáveis, e os retumbantes erros administrativos de planejamento. Repito: os que hoje comandam o clube são os mesmos responsáveis pelo retrospecto incipiente da gestão que integravam.

A respeitabilidade de uma instituição, mesmo um clube de futebol, depende dos seus acertos constitutivos do seu prestígio.

Um saudoso amigo e grande colorado - Carlos Cesar Papaléo - indignado com o roubo de 2005, foi autor de um artigo: “A BOLA PUNE”. Nele aborda as conquistas do Internacional da Libertadores e do Mundial Fifa e a derrocada do Corinthians no pós-surrupiar. As conquistas internacionais colocaram o colorado entre os maiores clubes do mundo e, por consequência, alvo de respeito pelas organizações e times adversários. 

Repetimos a conquista da Libertadores e disputamos novamente o Mundial. Lembram do Abbondanzieri revertendo um pênalti marcado em nosso desfavor?

Depois disso o Internacional caiu de divisão, seus dirigentes protagonizaram intervenções ridículas após a tragédia com a Chapecoense e o clube teve que enfrentar um rumoroso caso de desvio de valores do seu caixa. Além disso, o Inter não revelou grandes jogadores, não ganhou regionais, iniciando uma lamentável série de derrotas em Gre-Nais.

A circunstância autorizou que diante de qualquer dúvida a decisão fosse contrária ao nosso Clube.

Só há uma forma de mudar a conjuntura desfavorável: jogar um inquestionável bom futebol e ter dirigentes que se façam respeitar, entendendo a dinâmica da máquina que administra o futebol brasileiro.

O ano de 2021 é decisivo para mudar os rumos da nossa recente trajetória. Precisamos fazer diferente e mais, embora com os mesmos dirigentes da última e desértica e raquítica gestão de futebol e finanças.

A nós, torcedores, resta torcer e - para alguns, os que têm fé e acreditam que sorte existe - rezar.

Merecido o título do Abel Braga de melhor treinador do Brasil; ele é Sport Club Internacional.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre imagem Medium.com

Falta generosidade no Inter

 

Falta generosidade no Inter

Na semana em que veio à tona que o Abel Braga teria chamado, dentro do vestiário, os atuais dirigentes do Internacional de “moleques” e em plena pandemia, o Pernambuco é despedido. Ele tinha uma vida dedicada ao clube, com 50 anos de serviços prestados.