Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre,sexta-feira, 5 de março de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 9).
https://www.espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

O choque de culturas



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Era uma apelação em causa de família - um irreconciliável divórcio litigioso - e, nele, a conclusão no acórdão foi reveladora: "O choque de culturas vertido pela antiga tradição familiar japonesa é a causa do fracasso no casamento". E, assim, o julgado pôs fim ao matrimônio de um casal de japoneses, moradores de cidade gaúcha, depois de vários meses de desavenças.

Ele viera para o Brasil ainda menino; e ela, 15 anos depois, já moça – quando os costumes orientais tinham sido modificados. Conheceram-se em Porto Alegre, onde também casaram. Diferença etária: 16 anos.

A ocupação das horas livres dele era a leitura sobre a cultura samurai. Ela preferia teclar no notebook e tinha amigos no Facebook.

Ele não permitia que ela se relacionasse com vizinhos; exigia-lhe sempre usar saias compridas. E quando os dois se desentendiam e a esposa saía de casa, ele não permitia que ela voltasse ao lar no mesmo dia. Nem perguntava, no dia seguinte,  o nome da amiga em cuja casa ela passara a noite.

Na rua, quando caminhavam, ele exigia que, na mesma calçada, ela se postasse atrás dele.

“O marido impunha à mulher o jugo da submissão” – resumiu o relator, depois de evocar a fala de uma testemunha, também japonesa, que informara que “o conflito conjugal foi motivado pela total diferença de pensamentos deles".

Outro depoimento revelou que "ele é um homem trabalhador e honesto, mas exigia da esposa, no Brasil, o mesmo padrão de 40 anos atrás no Japão: proibição de dirigir veículos; não levantar a voz; e nunca sair de casa sozinha".

Uma terceira testemunha completou que "ela é uma mulher séria, mas moderna, apegada aos padrões culturais e intelectuais dos tempos atuais, tem instrução superior”.

Em primeiro grau, a sentença afirmara que o casamento findara por culpa só do marido, sendo improcedente a reconvenção que ele propusera contra a esposa.

Na apelação que ele interpôs – e que foi provida em parte pela Câmara – os desembargadores decidiram pela “culpa concorrente, atribuível às profundas diferenças em seus respectivos jeitos de viver".

O relator arrematou com um detalhe revelador: “No depoimento pessoal, a esposa contou seu desconforto pessoal porque o cônjuge não permitia que ela tomasse a iniciativa das relações sexuais”.

O presidente da câmara propôs:  “Conveniente, talvez, que este detalhe sobre a reserva conjugal não se inclua no acórdão. Vamos ficar só no choque de culturas!”

E assim se fez.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Quarta-feira de cinzas...

 

Quarta-feira de cinzas...

Penúltima semana de dezembro - anos antes da pandemia - sem acordo na tentativa de conciliação, o Doutor Pinheirinho – juiz pouco afeito a gentilezas e que exigia ser chamado de “meritíssimo juiz” – designou o prosseguimento para as 8h45 de quarta-feira, dia 22 de fevereiro. Saiba qual foi o efeito orloff...

Charge de Kauer

Os caros prazeres nova-iorquinos

 

Os caros prazeres nova-iorquinos

O que deu certo e o que deu errado durante e após rápidas férias de um recém unido casal porto-alegrense que escapou do inverno gaúcho para desfrutar dos encantos da grande cidade imortalizada pela inconfundível voz de Frank Sinatra.

Uma república só de juízes

 

Uma república só de juízes

Depois de um almoço pago pelas associações de classe de cada comensal, saem do restaurante um magistrado, um membro do MP, um defensor público, um delegado federal, um conselheiro de tribunal de contas, um procurador federal e ... um advogado. De repente, exsurge um gênio, que concede um desejo para cada um.

Ilustração de Gerson Kauer

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

 

Imprevistos, intimidades e extravagâncias

O casal havia se separado e, depois disso, o ex-marido teria ameaçado a esposa, o que os leva ao fórum para a resolução da pendenga. De repente surge sobre a mesa da sala de audiências. De repente, surge na cena um sugestivo artefato erótico de silicone. É o maranhão...

Ilustração de Gerson Kauer

Jogo de palavras

 

Jogo de palavras

O sucesso do famoso advogado Doutor Oidivo, que muito agradou aos integrantes da câmara julgadora do Tribunal de Justiça. Mas, até hoje, seu abonado cliente está em dúvidas se venceu a causa, ou se perdeu. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.