Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).
https://www.espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

E agora, José?



Foto: Fernando Moreno/AGIF/APP

Imagem da Matéria

O futebol é repleto de surpresas, mas emite sinais que permitem prognósticos. O Coudet - aquele que deixou inúmeras viúvas por aqui - fez o time colorado jogar, mas não convenceu, utilizando uma mecânica de jogo incompatível com a realidade daquilo que encontrou. Enfim, ele foi apontado como um treinador moderno e isso assanhou alguns “experts”.

Mas de tudo que fez, o pior foi o seu desprezo pelo clube que o trouxe – arrumou suas coisas e virou as costas. Não venham as viúvas choradeiras dizer que ele saiu porque o plantel era “corto”.  Com plantel “largo” até eu, cara pálida!

Ouvi de um profissional do futebol que respeito, ponderações consistentes: os gringos trazem consigo uma tropa de outros gringos, se fecham, pois efetivamente desconfiam do grupo e da estrutura.

Sai o moderno e vem o antigo, o nosso Abel Braga, o Abelão que, em termos de Internacional, conhece tudo e todos. Homem experiente com as cicatrizes deixadas pela vida, acompanhado do respeito e do descrédito de alguns. Não esperavam muito dele, apenas que terminasse aquilo que o moderno, revelando medo e oportunismo profissional, deixou para trás.

Abel fez o time jogar recuperando jogadores e dando oportunidade para outros da base. Em resumo: está muito perto de dar ao Internacional um título que não conquistamos desde 1979.

Logo ali, terminado o campeonato, teremos à frente o acerto prévio da direção com o Miguel Ángel Ramirez, outro gringo, também uma promessa que não conhece a aldeia e nem os caboclos. Não há dúvida que serão necessários no mínimo três meses até que ele tome pé da situação e, se der certo, conquiste o vestiário. Soma-se a isto o julgamento pessoal a ser feito pelos atletas - eles estão jogando pelo Abel e considerarão uma “trairagem” a sua substituição em meio a festa.

Uma decisão difícil!

Então, lembrei dos versos de Carlos Drummond de Andrade:                      

                              E agora José?

                              A festa acabou,

                              A luz apagou,

                              O povo sumiu,

                              A noite esfriou,

                              E agora José?

                             E agora você?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Arte EV sobre imagem Medium.com

Falta generosidade no Inter

 

Falta generosidade no Inter

Na semana em que veio à tona que o Abel Braga teria chamado, dentro do vestiário, os atuais dirigentes do Internacional de “moleques” e em plena pandemia, o Pernambuco é despedido. Ele tinha uma vida dedicada ao clube, com 50 anos de serviços prestados.

Pedro H. Tesch/AGIF

Porque o Internacional é roubado

 

Porque o Internacional é roubado

É histórica a centralização do futebol no eixo Rio - SP, o que foi agravado pelos interesses do televisionamento que busca a maior audiência. Isso colaborou para que a estrutura diretiva do futebol brasileiro sofra forte influência dos chamados grandes, aqueles que possuem expressiva torcida em todo o país e, assim, milhões de telespectadores”.