Ir para o conteúdo principal

Espaço Vital, sexta-feira 15.10.
(Próxima edição: terça-feira, 19)
https://www.espacovital.com.br/images/direito_civil_stj.jpg

Bem de Família: dez lições do STJ



Imagem Visual Hunt - Arte EV

Imagem da Matéria

Neste ano, a “Lei do Bem de Família” (Lei nº 8.009/90) completa trinta anos de vigência. Trata-se de um dos diplomas mais importantes em nossa legislação. Sua aplicação é diuturna e envolve praticamente todos os ramos do direito. Na sua origem, a preocupação era a de oferecer um mínimo segurança e de proteção à sociedade, altamente endividada naquela quadra histórica.

Recordo de minhas aulas na graduação (década de 90) e lembro que muitos professores a denominavam “Lei Sarney”, pois veio de seu Gabinete Presidencial a Medida Provisória nº 143 (08.03.1990), após convertida em lei pelo Congresso Nacional.

Desde então, a relação entre credores e devedores ganhou outros contornos, em face da enorme aceitação pela comunidade jurídica (em especial, os tribunais) quanto aos seus termos. O seu amadurecimento foi constante, com a adaptação da jurisprudência às novas exigências da sociedade.

Considerando os “prós” e “contras”, o saldo é positivo. Por isso, gostaria de lembrar dez interessantes decisões do STJ a respeito da do bem de família que podem ajudar as pessoas a proteger a sua esfera de direitos:

(1)    O conceito de impenhorabilidade de bem de família abrange também o imóvel pertencente a pessoas solteiras, separadas e viúvas. (Súmula nº 364/STJ)

(2)    A Lei nº 8.009/90 aplica-se à penhora realizada antes de sua vigência. (Súmula nº 205/STJ)

(3)    A proteção contida na Lei nº 8.009/1990 alcança não apenas o imóvel da família, mas também os bens móveis indispensáveis à habitabilidade de uma residência e os usualmente mantidos em um lar comum. AgRg no REsp nº 606301/RJ, 4. T., Rel. Min. Raul Araújo. DJE 19.09.2013.

(4)    “Não há que se falar em prazo decadencial ou prescricional para a arguição da oponibilidade de bem de família, pois a jurisprudência do STJ orienta que a impenhorabilidade de bem de família é matéria de ordem pública, suscetível de análise a qualquer tempo e grau de jurisdição, operando-se a preclusão consumativa somente quando houver decisão anterior acerca do tema". (AgInt no REsp 1639337/MG, 4. T., Rel. Min. Marco Buzzi. DJe 23/10/2020)

(5)    Os integrantes da entidade familiar residentes no imóvel protegido pela Lei n. 8.009/90 possuem legitimidade para se insurgirem contra a penhora do bem de família. (EDcl no REsp nº 1084059/SP, 4. T., Rel. Min. Maria Isabel Gallotti. DJE 23/04/2013)

(6)    A impenhorabilidade do bem de família é questão de ordem pública, razão pela qual não admite renúncia pelo titular. AgRg nos EDcl no REsp nº 1463694/MS, 3. T., Rel. Min. João Otávio de Noronha. DJE 13/08/2015;

(7)    "Segundo entendimento adotado por este STJ, somente será admissível a penhora do bem de família quando a garantia real for prestada em benefício da própria entidade familiar, e não para assegurar empréstimo obtido por terceiro ou pessoa jurídica, sendo vedada a presunção de que a garantia fora dada em benefício da família, de sorte a afastar a impenhorabilidade do bem, com base no art. 3º, V, da Lei 8.009/90" (AgInt no REsp nº 1.732.108/MT, 4. T., Rel. Min. Marco Buzzi. DJe de 03/06/2019).

(8)    "O imóvel que se enquadra como pequena propriedade rural, indispensável à sobrevivência do agricultor e de sua família, é impenhorável, consoante disposto no parágrafo 2º do artigo 4º da Lei nº 8.009/1990, norma cogente e de ordem pública que tem por escopo a proteção do bem de família, calcado no direito fundamental à moradia" (EDcl nos EDcl no AgRg no AREsp nº 222936/SP, 4. T., Rel. Min. Luis Felipe Salomão. DJe: 26.02.2014).

(9)    É impenhorável o único imóvel residencial do devedor que esteja locado a terceiros, desde que a renda obtida com a locação seja revertida para a subsistência ou a moradia da sua família (Súmula nº 486/STJ).

(10)  A vaga de garagem que possui matrícula própria no registro de imóveis não constitui bem de família para efeito de penhora. (Súmula nº 449/STJ).

Como se observa, a jurisprudência procura, na interpretação e na aplicação da Lei do Bem de Família, proteger a moradia das famílias brasileiras.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Edição EV sobre imagem Temes & Temes

Pensão alimentícia e maioridade

 

Pensão alimentícia e maioridade

“A lei brasileira não estabelece um limite etário para a pessoa postular alimentos. Assim como os bebês têm o direito a receber adequado pensionamento - crianças, adolescentes e adultos também, em tese, podem invocar o princípio da solidariedade para demandar parentes próximos”.

PNG Egg/Arte EV

O bullying na lei e na jurisprudência

 

O bullying na lei e na jurisprudência

“A escola pública tem a sua responsabilidade guiada pelo art. 37, § 6º, da Constituição Federal. E as escolas privadas respondem consoante as regras de responsabilidade civil do Código de Defesa do Consumidor e do Código Civil”.

Arte EV - Imagem Wikipedia

A utilidade dos embargos de divergência

 

A utilidade dos embargos de divergência

Durante o século 20, dos importantes julgamentos dos embargos de divergência, brotaram muitas ´súmulas´ utilizadas pelos tribunais até hoje. Em vídeo, acompanhe a explanação sobre cinco importantes orientações do STJ: 1) Assistência judiciária gratuita; 2) Atraso na entrega do imóvel; 3) Assédio sexual ou ato libidinoso praticado por usuário do serviço de transporte contra passageira; 4) Multa pelo descumprimento de obrigação de fazer ou não fazer; 5) A cláusula de eleição do foro.