Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre,sexta-feira, 5 de março de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 9).
https://www.espacovital.com.br/images/sala_audiencias.jpg

OAB: Diretas Já, mas nem tanto...



Imagens: Freepik /OAB Sergipe - Montagem: EV

Imagem da Matéria

Este espaço Sala de Audiências propõe, a partir desta edição do Espaço Vital, uma análise posicionada acerca de um tema relevante para a advocacia e para a sociedade: a forma de escolha dos dirigentes da OAB nacional.

Sendo ela um conselho no formato de autarquia atípica, com função de fiscalizar o exercício da profissão, a OAB adquiriu uma relevante importância institucional como garante do estado democrático. Isso foi conquistado graças à luta unitária em favor das liberdades democráticas, no período da ditadura militar. A OAB foi destemida e intransigente na defesa dos princípios democráticos consagrados internacionalmente.

No mesmo período, o Judiciário e o Ministério Público, com raras exceções, institucionalmente atuaram como coadjuvantes na aplicação de dispositivos discricionários.

A unidade revelada pelos dirigentes da OAB, foi a amálgama para a conquista do seu prestígio na sociedade. A OAB, além do destemor agiu com altivez, sem ingressar no debate miúdo e, portanto, circunstancial.

Com a redemocratização do país, a Ordem ainda teve um relevante papel no processo constituinte que culminou com a promulgação da chamada Constituição Cidadã.

Instalado o pluripartidarismo e o debate multifacetado acerca do papel do estado, a OAB - como também todas as demais entidades de representação - deparou-se com uma crise de identidade. A obtenção do consenso das bandeiras tornou-se mais difícil, atingindo em cheio a unidade.

O debate mais miúdo quanto  aos temas incidentes e os múltiplos interesses vertentes, ensejaram o surgimento de correntes distintas.

A exemplo do Poder Judiciário e do Ministério Público, nos quais, muitas vezes, o representante institucional máximo age dissociado da maioria dos integrantes (presidente do STF e procurador-geral da União), a escolha do dirigente máximo nacional nem sempre representa a maioria do pensamento dos advogados e advogadas.

O Brasil mudou muito e, em que pese a realidade construída a partir da importância da democracia representativa, a OAB preservou a sua estrutura indireta na sua instância deliberativa nacional – muito semelhante às cortes.

Até mesmo o Judiciário, poder menos democrático comparado aos demais, embora com a lentidão que lhe é característica, mitiga a forma absolutista de escolha dos seus dirigentes.

Na esteira das transformações encontramos as universidades, as escolas públicas e até mesmo os clubes de futebol, dentre tantos outros.Teve início há cerca de quatro meses, novo debate quanto à importância das eleições diretas na OAB – conselho que abrange perto de um milhão e trezentos mil advogados e advogadas em todo o território nacional.

Seguiremos - nas sextas-feiras seguintes - abordando dois aspectos: o conteúdo das propostas de alteração do modelo e a velocidade empregada à tramitação.

Que - diga-se, desde já - impressiona pela lentidão.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Imagem: Freepik - Arte EV

O meu advogado se vendeu!

 

O meu advogado se vendeu!

“E tem também aquela situação que enfrentei com um cliente amigo, de formação universitária, dono de uma construtora. Ele me liga, no sábado pela manhã, em pânico buscando orientação: ´Tchê, fui no Água na Boca e flagrei a minha advogada dançando com o advogado de uns reclamantes´”...