Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 23 de julho de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 27).
https://www.espacovital.com.br/images/201811081626490.jpg

O que mudou no futebol do Inter



Imagem da Matéria

Foi uma segunda-feira para aplacar as preocupações da torcida colorada, pois o nosso sono foi embalado pela confortável liderança no Brasileirão – para mim o principal campeonato em disputa pelo Internacional.

O nosso time se apresentou bem, com uma qualidade superior ao que vinha ocorrendo. O técnico promoveu alguns ajustes que todos entendiam necessários.

Algo mais aconteceu e uma breve retrospectiva remete ao que houve no vestiário.  Não apenas a troca de nomes, mas a providencial extirpação da invasiva política que o contaminava. Há muito apontava que ela estava presente na pessoa de Alessandro Barcelos, o vice de futebol alçado a candidato presidencial. 

A alta pretensão dele é enigmática: um ilustre desconhecido do torcedor e que saiu da direção do futebol com uma coleção de derrotas. Enquanto ele e seus companheiros, todos com cargos diretivos, traçavam estratégias políticas a barca fazia água.

A intervenção do presidente foi providencial e o resultado está aí para quem quiser enxergar.

Também alertei para a nefasta aventura que está sendo articulada: uma disputa que, em um dos lados, terá uma chapa cuja principal identidade não é o Internacional, mas a massa popular dos torcedores.

Infelizmente não errei em uma oportunidade recente, quando fomos levados à segunda divisão, mas espero errar agora.

Sugiro aos conselheiros e demais associados que reconstruam a vida pessoal de cada um dos candidatos. Indaguem do que vivem e o que fizeram ao longo da vida.

Somente assim estaremos evitando mais uma aventura a marcar a nossa história.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

PNG Egg/Arte EV

O Inter, terra de ninguém

 

O Inter, terra de ninguém

“O currículo dos protagonistas - presidente, vice de futebol, executivo de futebol e treinador - aponta para o fracasso e para a irresponsabilidade. Quem pagará a conta?”