Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).
https://www.espacovital.com.br/images/direito_civil_stj.jpg

Dez lições sobre união estável



Imagem: Freepik - Edição EV

Imagem da Matéria

O direito abre os olhos para uma realidade complexa e vai se amoldando às novas expectativas sociais. As relações afetivas seguem em constante transformação. Nunca houve uma forma universal de amar e ser amado. Felizmente, aos poucos, o direito abre os olhos para uma realidade complexa e vai se amoldando às novas expectativas sociais.

No que toca à união estável, ela mereceu proteção constitucional (art. 226, § 3º). Desde então, tribunais encontram respaldo constitucional para zelar pela proteção dos companheiros e, a partir de decisões inovadoras, moldaram os contornos jurídicos desse recente instituto.

A contribuição da jurisprudência sempre foi relevante no tema, uma vez que o Código Civil de 2002 dedicou apenas cinco artigos à união estável (arts. 1.723-1.727).

Por isso, gostaria de lembrar dez interessantes decisões do STJ a respeito da união estável que podem ajudar os companheiros a resolver questões que se repetem com frequência:

(1)    “A coabitação não é elemento indispensável à caracterização da união estável”. (AgRg no AREsp 649786/GO, 3. T., Rel. Min. Marco Aurélio Bellizze. DJE 18/08/2015).

(2)    Comprovada a separação de fato entre os casados, a existência de casamento válido não obsta o reconhecimento da união estável. (AgInt no REsp 1725214/RS, 2. T., Rel. Min. Mauro Campbell Marques).

(3)    São incomunicáveis os bens particulares adquiridos anteriormente à união estável ou ao casamento sob o regime de comunhão parcial, ainda que a transcrição no registro imobiliário ocorra na constância da relação. (REsp 1324222/DF, 3. T., Rel. Min. Ricardo Cueva. DJE 14.10.2015).

(4)    A incomunicabilidade do produto dos bens adquiridos anteriormente ao início da união estável não afeta a comunicabilidade dos frutos (art. 1.660, V, CCB). (REsp 1349788/RS, 3. T., Rel. Min. Nancy Andrighi. DJE 29/08/2014).

(5)    As verbas de natureza trabalhista nascidas e pleiteadas na constância da união estável integram o patrimônio comum do casal e, portanto, devem ser objeto da partilha. (AgInt no REsp 1696458/RS, 4. T., Rel. Min. Luis Felipe Salomão. DJe 29.05.2018).

(6)    No período que antecede a percepção dos valores, a natureza preponderante do contrato de previdência complementar aberta é de investimento, razão pela qual o valor existente em plano de previdência complementar aberta, antes de sua conversão em renda e pensionamento ao titular, possui natureza de aplicação e investimento, devendo ser objeto de partilha. (REsp 1698774/RS, 3. T., Rel. Min. Nancy Andrighi. DJe 09/09/2020).

(7)    Os valores investidos em previdência privada fechada se inserem, por analogia, na exceção prevista no art. 1.659, VII, do CC/2002, consequentemente, não integram o patrimônio comum do casal e, portanto, não devem ser objeto da partilha. (REsp 1477937/MG, Rel. 3. T., Min. Ricardo Cueva. DJe 20/06/2017).

(8)    Na separação e no divórcio, o fato de certo bem ainda pertencer indistintamente aos ex-cônjuges, por ausência de formalização da partilha, não representa automático empecilho ao pagamento de indenização pelo uso exclusivo do bem por um deles, desde que a parte que toca a cada um tenha sido definida por qualquer meio inequívoco, visto que medida diversa poderia importar enriquecimento sem causa. (AgInt nos EDcl no REsp 1683573/PR, 4. T., Rel. Min. Antonio Carlos Ferreira. DJe 02/05/2018).

(9)    A competência para apreciar o reconhecimento da união estável, nas ações em que se busca a concessão de benefício previdenciário é do Juízo Federal, pois o tema é enfrentado como prejudicial de mérito, não havendo usurpação da competência do Juízo de Família. (AgInt no AREsp 1175146/RJ, 1. T., Rel. Min. Napoleão Maia Filho. DJe 18/09/2020)

(10)  É de quatro anos o prazo decadencial para anular partilha de bens em dissolução de sociedade conjugal ou de união estável, nos termos do art. 178 do Código Civil. (AgInt no REsp 1546979/SP, 4. T., Rel. Min. Maria Isabel Gallotti. DJe 16.04.2018)

Como se observa, o STJ vem diuturnamente interpretando e definindo os contornos jurídicos da união estável, proferindo decisões que podem servir de guia para a resolução dos casos que se multiplicam em todo o Brasil.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Época Negócios

Dez lições sobre doação

 

Dez lições sobre doação

“A doação do genitor para os filhos e a instituição de cláusula de inalienabilidade - por representar adiantamento de legítima - deve ser interpretada na linha do que prescreve o art. 1.848 do CCB”

Imagem: fernandesadvassociados.com.br

Qual a utilidade do planejamento sucessório?

 

Qual a utilidade do planejamento sucessório?

Planejar também serve para: (a) lidar com sentimentos; (b) distensionar relações pessoais; (c) prevenir conflitos entre herdeiros e familiares; (d) proteger o patrimônio; (e) reduzir custos e otimizar a riqueza; (f) definir cuidados com a saúde, garantir uma morte digna, etc.; (g) dar privacidade a determinadas situações; (h) orientar a sucessão, (g) regularizar bens”