Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 11 de agosto de 2020. Dia do Advogado.
https://www.espacovital.com.br/images/escreva_direito_2.jpg

Desvios e contradições



Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Há expressões que se consagram apesar de conterem contradições, empobrecimentos ou desvios de significado. Alguns casos:

1. Salvo melhor juízo... Expressão consagrada que encerra a maioria dos pareceres emitidos por especialistas das mais variadas áreas técnicas, científicas e administrativas, em especial nos diversos campos do Direito. É tão consagrada que há muito virou sigla: SMJ. Examinando o real significado da expressão, percebe-se de imediato ser inadequada a um parecer, em função de não demonstrar firmeza por parte do especialista, pois declara a possibilidade de haver outros que possam fazer juízo melhor. Admitir isso pode passar insegurança ao leitor interessado nos efeitos do documento. A origem da expressão certamente se deu por questão de modéstia, por sinal, desnecessária e excessiva. Sugere-se expressão mais fidedigna e que não fere a modéstia: “É meu parecer”.

2. A Justiça tarda, mas não falha. Este é outro exemplo de frase aceita e consagrada, apesar de conter contradição, em especial quando se leva em conta o espírito de pressa que move a humanidade nos tempos modernos. O fato de tardar já não representa falha? 

3. Andar a passos largos. Para quem pensa que o português sofre influência apenas do inglês, aí está um exemplo de espanholismo; o espanhol usa “largo” no sentido em que o português utiliza “longo”; assim, o certo seria dizer que se anda a passos longos. Aliás, de certa forma, este consagrado equívoco expressa fato comum nas obras públicas realizadas em nosso País: em vez de andarem para frente, o fazem para os lados. Em outras palavras, a consagração dessa expressão deu-se por ato falho...

4. RSVP. A maioria das pessoas cultas sabe o que quer dizer esta sigla, mas desconhece sua origem. Pois são as iniciais da frase francesa “Répondez s’il vous plaît” (Responda, por favor). Por mais consagrada que seja e ainda que pareça requintada no conceito de muitos, esta forma está sendo abandonada aos poucos. Considero-a uma afronta à cultura nacional. Por mais que se goste da língua francesa, o nosso idioma é o português. Sugestão: “Favor confirmar presença”. Quem sabe no futuro não se consagre a sigla “FCP”...

Quando não se escreve direito...

A partir desta edição, o Escreva Direito vai publicar uma frase que simboliza as consequências trágicas que o significado pode sofrer em função de erros de construção. Iniciamos com um aviso encontrado no mural de uma igreja:

“Assunto da catequese de hoje: Jesus caminha sobre as águas; assunto da catequese de amanhã: Em busca de Jesus.”

Os leitores estão desafiados a trazerem sua colaboração. O espaço está aberto a qualquer assunto, mas será melhor se tiver ligação com o Direito. Importante: não pode ser ficção.

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

As sutilezas do hífen

“Coloque o hífen em boa-fé e em decreto-lei. Mas não faça o mesmo em fim de semana, nem em mão de obra”.

Ciclone-bomba

Diz a regra: “Usa-se hífen em combinações substantivas cujo segundo elemento é indicativo de tipo, forma ou finalidade”. Trocando em miúdos: sempre que o composto é formado por dois substantivos e o segundo informar sobre tipo, forma ou finalidade em relação ao primeiro, usa-se hífen. Bingo!