Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 27 de novembro de 2020.

Uma boa ideia, mas com reflexos desconhecidos



Por Thiago Rocha Moyses, advogado (OAB/RS nº 69.821), militante na Justiça do Trabalho.

contato@rochaezaccaadvogados.com.br

O chamamento de 68 juízes da primeira instância para dar andamento aos processos parados no segundo grau parece ser, a priori, uma bela alternativa. Esta era a ideia do TRT-4 quando editou a Resolução nº 14/2020, criando o que ficou conhecido como “Regime de Solidariedade”. Em resumo, serviria para analisar processos trabalhistas pendentes de julgamento.

Avalio que a ideia, em sua essência, é alvissareira e, de fato, solidária. Ora, quem não gostaria que os processos que versam sobre os direitos que foram suprimidos dos trabalhadores tivessem a tramitação ágil e célere que, aliás, a própria lei define?

Mas é preciso ter cuidado para não ficarmos presos a uma análise rasa. Nem tudo que reluz é ouro: os reflexos de um brilho inicial poderiam trazer dúvidas e incertezas.

Existe um ponto que causa angústia em muitos advogados trabalhistas. Incluo-me neste grupo.

Particularmente, não estou falando das gratificações previstas no artigo 8°, pois primo pela coerência. Se defendo que um trabalhador que acumule funções tenha incremento em sua remuneração, o mesmo raciocínio vale para um servidor público.

O que causa preocupação na advocacia é o fato de que os juízes de primeiro grau, ao assumirem a função de julgar os processos pendentes de análise na esfera superior, ficariam na relatoria dos casos. Isto poderia, de alguma forma, consolidar uma mudança de entendimento. Uma nova jurisprudência no tribunal.

Quem milita na seara trabalhista há tanto tempo como eu, sabe que muitas mudanças foram implementadas na Justiça especializada gaúcha. Algumas com apoio da advocacia, outras sob protestos e outras com a pior de todas as posturas, a omissão.

Em 2020, podemos dizer que o TRT-4 firmou jurisprudências importantes, como a isenção de custas para ingresso de nova ação do beneficiário da justiça gratuita e a suspensão dos honorários de sucumbência do reclamante que litiga no âmbito da assistência judiciária gratuita.

Já o primeiro grau, na contramão dos entendimentos consolidados pelo TRT-4, produz sentenças com decisões que não respeitam alguns entendimentos consolidados na instância superior.

Então, fica a pergunta: os juízes que fossem para os cargos transitórios do “mutirão da solidariedade” iriam respeitar a jurisprudência consolidada do segundo grau? Ou aproveitariam para firmar suas convicções?...

Esta é a grande questão que deveria ser enfrentada e debatida, principalmente com a advocacia. Em tempos de supressão de direitos dos trabalhadores em meio à pandemia, não precisamos de uma mais insegurança jurídica.

E, pelo visto, não a teremos: o TST suspendeu a referida Resolução n° 14/2020. E o TRT-4, na palavra de sua presidente, já disse que não irá recorrer.

Uma boa ideia, às vezes, pode trazer mais problemas do que benefícios.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Imagem: Freepik - Arte EV

Desculpas e desagravos. Para quem?

 

Desculpas e desagravos. Para quem?

“Era junho de 2018: um cidadão trabalhador busca na Justiça do Trabalho a satisfação dos direitos de que entende ser merecedor. É novembro de 2020: os privilegiados foram os que negaram o acesso à Justiça, que valorizaram a forma encenada, teratológica e abusiva de não entregar alguma jurisdição, em detrimento da legalidade sociojurídica”. Artigo de Álvaro Klein, advogado de trabalhadores.

Chargista Cazo

Para o crime não compensar

 

Para o crime não compensar

“A soltura de André do Rap não teria ocorrido se estivesse valendo a prisão em segunda instância. Esse estatuto vigorou por 21 anos e foi derrubado pelo STF justamente quando políticos poderosos e grandes empresários começaram a ser presos”. Artigo do senador Lasier Martins.

Edição EV sobre imagem COLEPRECOR

O engodo

 

O engodo

“Não podemos mais tolerar o descaso e até o deboche com que nossos direitos são tratados! Processos parados e agora ...tudo é culpa da pandemia”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz.