Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 07 de agosto de 2020.

O STF vai lançar o novo juiz-robô: ele é Victor!



Arte de Camila Adamoli sobre foto do Google Imagens - Base de dados do EV (15.06.2018)

Imagem da Matéria

Por Lenio Luiz Streck, jurista às antigas, que ainda acredita em livros e não em robôs! Artigo publicado pelo Espaço Vital em  15.6.2018

É Victor o robô que terá a tarefa de pré-processar (filtrar) os recursos na Suprema Corte. Claro, logo depois Victor terá filhotes, que, nepotisticamente, assumirão seus lugares para filtrarem recursos no STJ e apelações nos demais tribunais.

Victor, dizem, é “treinado” para aumentar a eficiência e velocidade de avaliação judicial. Em nome da eficiência (o que é isto – a eficiência), sucumbimos ao Black Mirror?

Bom, a máquina é Victor, cujo parente mais antigo era Victor... Frankenstein. E, é claro, nós somos os ´loosers´. Perdemos para a técnica.

O direito à liberdade dependerá de um ou dois bytes. Nem um colóquio com Huxley, Orwell e Kafka seria capaz de prever um Direito em que o cidadão que vai a juízo recebe, no lugar de uma resposta adequada à Constituição, a instantaneidade da técnica.

Claro que isso já está gerando problemas. Militantes feministas reclamam que Victor é masculino. Machismo! Já há movimento para trocar o nome de Victor para Victoria. E gente falando do Vic! Ou da Vic. A comunidade LGTB acha que Victor podia ser sem gênero. Reclamam um nome neutro. E já falam em colocar ´x em lugar de ´o´. Seria Victxr...!

Dizem também que a principal função de Vic (já incorporei) é exterminar recursos. Ele chefiará o ´Einzatzgrupp´ de recursos (Grupo de Extermínio de Recursos). Será uma espécie de ´Dead Pool´.

Victor – o exterminador de recursos – será patrocinado pela SkyNet, a empresa que destruiu o mundo no filme O Exterminador do Futuro, lembram?

Outro problema: como recorrer das decisões de Vic? Caberá agravo das decisões de Vic? Haverá uma TRV – Turma Recursal de Victors? Hum, hum.

Mais: cabem embargos das decisões de Vic? Ele terá estagiários na equipe? Certamente, haverá uma reunião do sindicato dos estagiários para reivindicar cotas para a respectiva estagioariocracia.

Outra questão envolve o sindicato dos assessores. Quantos assessores terá o Vic? E vai dar para despachar com Vic?

Os cursinhos de preparação farão resumos “victorianos”? Os professores-sertanejos-universitários dos cursinhos de preparação para concursos cantarão em versos dicas de como ingressar com recurso para driblar Vic?

Vic (ou Victxr) decidirá conforme a sua consciência? Ups. Vic decidirá por livre convencimento?

Consta que as faculdades alterarão suas grades curriculares. Vic I, Vic II, Vic III, além de Introdução ao Vic, Teoria Geral do Vic, Pratica do Vic. ´

E os professores ensinarão que petição se faz assim: 

“Carx Victor(ia):

Resumo do caso: x na perspectiva xh + f2 = grt3.

Requer: organon6 desde que bg5.

PD”.

O que isto quer dizer? Não sei. É a novilíngua victoriana. Vá saber...

De todo modo, PD eu sei: é o velho Pede Deferimento. É só isso que restará do antigo direito.

Vou estocar comida. No meu bunker. Nas montanhas.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Imagens: Freepik - Arte EV

O TRT-4 e o juízo natural

 

O TRT-4 e o juízo natural

“O CNJ e o STF reconhecem a óbvia proibição de designar juiz para processo específico. Mas, na Avenida Praia de Belas, em Porto Alegre, há um Estado com leis próprias e conflitiva relação com o direito brasileiro”. Artigo do advogado Henrique Júdice Magalhães.

Uma boa ideia, mas com reflexos desconhecidos

“Nem tudo que reluz é ouro. Os juízes que fossem para os cargos transitórios do ´mutirão da solidariedade´ - que o TRT-4 pretendeu criar -  respeitariam a jurisprudência consolidada do segundo grau? Ou aproveitariam para firmar suas convicções?” Artigo do advogado Thiago Rocha Moyses.

O trem não descarrilou

“Impulsionado pelo exercício da advocacia trabalhista há mais de dez anos, reconheço a pertinência da Resolução nº 14/2020 (...) Mas, com a necessária humildade, a administração do TRT-4 deve colher a lição, aproveitando instâncias consultivas com integrantes externos ao Judiciário e promover esclarecimentos e consultas prévias. O Judiciário não pode desconsiderar os novos tempos”. Artigo do advogado Jonatan Teixeira (OAB/RS nº 69.752)