Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

Liberdade de expressão ou receita financeira?



Nada como um dia depois do outro e as atitudes para conhecermos os propósitos e princípios, não é mesmo? O Facebook, detentor das empresas WhatsApp, Instagram e a que leva seu próprio nome, bem como outras empresas menores que o diga.

Recentemente o discurso mudou rapidamente de tom e o que antes era tido como liberdade de expressão - quiçá o preceito mais forte clamado por todos nos últimos tempos - virou um problema financeiro e a mudança de postura foi radical.

Os fatos são estes: após a morte de George Floyd e todos os protestos oriundos contra racismo e demais pautas nos Estados Unidos e no restante do mundo todo, o Facebook (que lucra milhões de dólares com publicidade), não mudou o tom em nada e continuou aceitando propagandas e divulgações em suas redes consideradas racistas e ofensivas.

Tal atitude gerou críticas de todos os lados, inclusive de seus próprios funcionários que chegaram a fazer um protesto virtual contra estes fatos. Mas nada foi feito, sob o mantra que o Facebook defendia a liberdade de expressão - e, sendo assim, não poderia intervir nos anúncios, que seriam de responsabilidade dos anunciantes.

Bonito e poético, não é mesmo? A liberdade de expressão é maior que qualquer outro direito ou pauta.

Entretanto, tal assertiva foi posta no chão quando inúmeros anunciantes de peso do Facebook resolveram parar de anunciar, já que a empresa não tinha preocupação com conteúdo de suas postagens.

A atitude de Coca Cola, Unilever, Honda, Starbucks entre outras gerou um prejuízo de nada menos que 56 bilhões de dólares no último dia 26 de junho, o que levou o Facebook a mudar de posição.

Agora, ele irá censurar conteúdos sim! Que se “f---“ a liberdade de expressão! Afinal, o próprio dono Zuckerberg perdeu neste posicionamento “equivocado" da sua empresa 7 bilhões de dólares em poucos dias.

Em suma, qual o seu princípio Facebook? Ficam a duvida e o questionamento, para reflexão dos leitores.

Sem deixar de questionar os seus princípios e atitudes, afinal, um dos ensinamentos deste exemplo é que - ao conhecer nossos princípios, propósitos e direcionamento - teremos mais aderência do público.

E não há como olvidar que estamos todos conectados, neste emaranhado de conexões que se chama de mercado, neste mundo pandêmico e sem normas definidas.

 

Coloco o meu endereço de e-mail à disposição dos leitores. Comentários, sugestões etc. serão bem-vindos:

gustavo@gustavorocha.com

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Foto: Visual Hunt - Arte EV

 Robôs seriam o problema do Judiciário?

 

Robôs seriam o problema do Judiciário?

“A ideia (!) do TRT-RS de limitar o acesso para facilitar o trabalho não é uma solução aceitável. Até porque, sob este prisma, daqui a pouco poderemos acessar 1.500, depois 1.000, após quiçá apenas 500 ou 100 processos, sob o falso argumento de resolver a lentidão do sistema”.

O Facebook apagando contas que apoiavam ou criticavam o governo

“O que isto significa na prática? Pensemos em três questões: 1) Redes sociais são meios de comunicação entre o governo e a população. 2) Quem controla a mídia controla a situação. 3) O poder da tecnologia é incalculável.