Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

A reabertura do Judiciário e o novo jeito



Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Imagem da Matéria

O Judiciário gaúcho está programando sua abertura novamente ao público externo para a próxima segunda-feira (29), se retornarmos à bandeira laranja frente à COVID-19; os trabalhos internos foram reabertos no dia 15. Alvo de algumas críticas e muitas comemorações por parte dos advogados, a retomada atenderá às normas de segurança em função da Covid-19: as repartições funcionarão em horários diferenciados (apenas das 13 às 19h) e com no máximo 30% dos quadros funcionais.

Em bom português: teremos aquela correria, filas e - o mais complexo neste momento de pandemia - as aglomerações.

E o leitor - operador do Direito - já se perguntou o que pode ser diferente? Já questionou a si próprio se “Precisamos ir ao fórum?”

Imagino que muitos suscitarão: “Como não ir, tenho que agilizar, preciso ir no balcão pegar o processo, ter o alvará na mão (bom, né), protocolar (processo físico) e tudo mais”…

Trago à baila dois pensares disruptivos neste momento crítico:

  • 1. Que tal usar empresas de logística para que eles façam este trabalho e entreguem tudo no seu escritório ou ainda melhor, já digitalizado e pronto para ser gerenciado de forma eletrônica? Aliás, quem ainda não digitalizou seu escritório, precisa se dar conta de que está mais do que na hora!
  • 2. E por falar em digitalização, essencial pensar em gerir bons scaners e meios eletrônicos de gestão, porque - na órbita do TJRS - os processos poderão ser digitalizados pelos próprios advogados. Assim, estes terão a oportunidade de, definitivamente, ir muitíssimo menos aos fóruns!

Enfim, os fóruns vão reabrir dentro de seis dias ou quando diminuirem os riscos de contaminação (bandeira laranja), e você deve pensar no que quer na sua vida profissional:

  • a) Ficar adstrito e dependente do Judiciário (relembrando que a advocacia é responsável pela administração da Justiça e não pelas mazelas da mesma!); ou
  • b) Assumir o protagonismo da sua advocacia, escolhendo alternativas com o uso da tecnologia e pensando no melhor para o seu negócio e para o seu cliente.

Nas palavras de Pablo Neruda, a escolha é sua. Mas, você também é refém das consequências.

 

Coloco o meu endereço de e-mail à disposição dos leitores. Comentários, sugestões etc. serão bem-vindos: gustavo@gustavorocha.com

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Foto: Visual Hunt - Arte EV

 Robôs seriam o problema do Judiciário?

 

Robôs seriam o problema do Judiciário?

“A ideia (!) do TRT-RS de limitar o acesso para facilitar o trabalho não é uma solução aceitável. Até porque, sob este prisma, daqui a pouco poderemos acessar 1.500, depois 1.000, após quiçá apenas 500 ou 100 processos, sob o falso argumento de resolver a lentidão do sistema”.

O Facebook apagando contas que apoiavam ou criticavam o governo

“O que isto significa na prática? Pensemos em três questões: 1) Redes sociais são meios de comunicação entre o governo e a população. 2) Quem controla a mídia controla a situação. 3) O poder da tecnologia é incalculável.

Liberdade de expressão ou receita financeira?

“Qual o princípio que norteia o Facebook? Não há como olvidar que estamos todos conectados, neste emaranhado que se chama de mercado, neste mundo pandêmico e sem normas definidas”.