Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, sexta-feira, 16 de abril de 2021.
(Próxima edição: terça-feira, 20).
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_3.jpg

Fake news: reflexão e busca de soluções



Temos vivenciado uma onda de notícias, entrevistas e difusão de projetos de leis acerca das chamadas fake news, expressão que, numa tradução literal, significa notícias falsas.

Por que tal situação é grave e interessa a todos? Porque estamos diante de “notícias” que podem impactar, movimentar, direcionar massas, funcionando como verdadeiros gabinetes de ódio (sem lados partidários, por favor) contra algo ou alguém.

A ideia de justiça pelas próprias mãos pode até ser interessante, entretanto, é extremamente perigosa, afinal, por trás de simples notícias inverídicas temos interesses de alguém capitaneando tudo e jogando com fatos, pessoas, verdades.

Imagine ver-se pessoalmente mencionado numa notícia que imputa, a você, algo que não aconteceu. Seu nome injustamente saindo em jornais, mídia, etc. Do nada, você se vê envolto em mentiras que difamam sua essência. Como provar a verdade?

Alguns dirão que cabem ações penais, cíveis, etc. Sim, mas a sua reputação, como trazê-la de volta? Não há dinheiro que faça isto.

E isto pode ser evitado?

´Pra variar´ (leia-se ironicamente) o Legislativo tenta fazer algo a respeito, entretanto, com amarras que são inviáveis ou inúteis. O atual projeto de lei para brecar fake news exige que para fazer cadastro nas redes sociais precisamos de RG, CPF (que sinceramente não evita nada, procure “CPF válidos” no Google e veja que você pode gerar um qualquer, válido, agora mesmo!) além de um sistema de pontos e a possibilidade de exclusão de conteúdos on line sem decisões judiciais.

Temerário, para não dizer teratológico!

Imagine a possibilidade - num período de eleições ou debates mais acalorados - de uma parte ter mais “PONTOS” (que basta estudar como o algoritmo funciona e será simples) para ser mais verdadeira a sua tese do que a do concorrente?!

Queremos monitorar a rede para ter controle sobre ela? Ditar regras e pontos que podem dizer quem está mentindo? Será assim que a Constituição fala em liberdade de expressão? E não pense que isto não irá atingir você que é uma pessoa do bem e fala a verdade. A mentira vestida de verdade faz um estrago tremendo, já dizia a parábola judaica.

Vamos acompanhar este debate legislativo e pressionar deputados e senadores para que o texto do projeto de lei seja reescrito (estão prometendo, ainda este mês, um novo texto) de forma a garantir os preceitos de liberdade de expressão.

Afinal, é no debate da tese e da antítese que geramos novas teses, ideias e preceitos, na mais pura teoria do direito de Kelsen, não é mesmo? E sem liberdade com responsabilidade (que em seus desvios deve ser repreendida) não podemos evoluir como sociedade

#FicaaReflexão

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Coloco o meu endereço de e-mail à disposição. Comentários, sugestões etc. serão bem-vindos: gustavo@gustavorocha.com


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Abranet

Direito ao esquecimento. Hein? Esqueci!...

 

Direito ao esquecimento. Hein? Esqueci!...

“A liberdade de expressão deve ser plena, ainda que admitamos que ofensas ou eventuais indenizações poderão ser pleiteadas em casos de usos descabidos ou errados desta possibilidade de agir conforme a própria vontade, mas dentro dos limites da lei e das normas racionais socialmente aceitas”.

Retrospectiva tecnológica 2020

 

Retrospectiva tecnológica 2020

Os advogados terão que - no dia a dia da profissão - aprender a usar mais os recursos da tecnologia com salas virtuais junto aos tribunais (e seus diversos sistemas diferentes, Google Meet, Cisco Webex, Zoom, Microsoft Teams, entre outros). E manejar QR Codes com links para vídeos no YouTube e, brevemente, acesso ao Espaço Vital.