Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 07 de agosto de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/sem_tons_cinza_2.jpg

Roberto Jefferson, o condenado, está de volta



Marcos Michael - Google Imagens

Imagem da Matéria

No domingo (10), à noite, a CNN Brasil reproduziu três entrevistas que levou ao ar ao longo da semana.

 A primeira delas com o ex-ministro Mandetta. Ele revelou o que todos já sabemos, uma habilidade ímpar para a comunicação. Foi claro, ponderado e adequado. Demonstrou um grande conhecimento sobre o SUS e os contornos da pandemia da Covid -19.

Defendeu o seu ponto de vista respaldado na ciência em escala mundial, de que a melhor forma de evitar a contaminação é o isolamento social. Condenou, com razão, o pouco caso das autoridades brasileiras para com as possibilidades emergentes do carnaval frente à doença.

Não revelou rancor com a sua exoneração, foi inteligente, ressaltando a competência (responsabilidade), plena para fazê-la do presidente.

 Uma outra entrevista, sobre a qual havia lido muito em razão da repercussão, foi a da secretária da Cultura, Regina Duarte - “a namoradinha do Brasil”. Triste, muito triste. Há muito não testemunhava alguém tão alienado(a) frente às responsabilidades do cargo. Qualquer um dos seus personagens, a partir do pior, é melhor do que ela.

Riu quando não devia, desdenhou quando o assunto era sério, leu um roteiro previamente elaborado e abandonou a entrevista quando contrariada em um ponto.

Não imagino quem Regina pensa que é, bem como com que direito fala da morte com desprezo ao drama dos que são assolados pela dor da perda. Terminada a entrevista que, além do banho de realidade para quem conhecia apenas o seu desempenho artístico, ficou a pergunta: EM QUE MUNDO VIVE ESSE ESTRANHO SER?

• Mas o melhor (?) estava por vir. Ressurge dos porões do esquecimento, o condenado ex-deputado Roberto Jefferson. Sim, aquele que protagonizou as maiores lambanças na política.

Hoje está magro, mas é a única diferença com aquele agitado gordinho que comandava a tropa de choque de Fernando Color de Mello. Sim, foi ele também que, após o flagra em um cupincha que metia a mão no dinheiro desviado pela corrupção, denunciou o mensalão petista, atribuindo a criação do mecanismo a José Dirceu.

Roberto Jefferson foi condenado, assim como as práticas que quase destruíram o país.

De dedo em riste, com postura teatral, passou a desfiar um rosário de conselhos para que a política do país melhore. Atacou Moro, Maia, o Supremo, em especial quatro ministros: Alexandre Moraes, Celso de Mello, Luiz Fux e Marco Aurélio.

Com todas as letras apontou os quatro como articuladores de uma crise institucional no país. Como se vê, a pandemia não se instala nos esgotos da República.

Muito triste verificar que em nosso país a dissimulação é um traço relevante. Jefferson postou-se como um mestre da ética, oferecendo - não apenas a si, mas também o seu partido - ao presidente.

O condenado está de volta, foi resgatado como conselheiro. Em breve um novo escândalo surgirá. Tentou com o Temer, indicando a sua filha para o cargo de Ministra do Trabalho. Lembram o que ocorreu?


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Caricaturas de Mike Smith

O perigoso sotaque do advogado

 

O perigoso sotaque do advogado

“Em uma audiência na Justiça do Trabalho comparece um advogado, muito simpático e gentil, todavia com um marcante sotaque alemão. Sua pronúncia era típica dessas regiões. Um verdadeiro troca letras. Vai daí que, na hora de sacramentar a A J...”

Imagem Mitos e Lendas

O cruel Centauro da comarca

 

O cruel Centauro da comarca

“Um magistrado jovem, vaidoso, discreto e boa-pinta. Toda a vez que ele estava à mesa de audiências, provocava um alvoroço nas jovens advogadas da cidade. Um verdadeiro entra e sai de sorrisos largos na sala. Um dia surgiu o interesse dele por uma linda dentista”.

Imagem Camera Press - Edição EV

A testemunha que caiu do céu

 

A testemunha que caiu do céu

Manhã fria e a caminhada de sempre entre o único hotel da cidade e a Junta de Conciliação e Julgamento localizada à frente da praça repleta de plátanos. Audiência para a coleta da possível prova de que o empregado rural exercia atividade insalubre. Depois de algumas curvas, a testemunha admitiu: “Doutor, o senhor me pegou”...