Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.

Justiça infectada? A hora da prudência!



Arte EV sobre foto de Nelson Júnior (SCO/STF)

Imagem da Matéria

Por Luiz Fux, vice-presidente do STF

Vivemos um momento de pandemia experimentado pelas grandes nações, incluindo o nosso amado Brasil. O cidadão comum, levado pela ansiedade que lhe subtrai a razão, exige respostas rápidas, sem ponderações: sim ou não!

Esse é um comportamento esperado do ser humano diante da perspectiva de crise. Todos almejam voltar às suas atividades usuais porque o homem nasceu para o trabalho, como já afirmavam os antigos (homo nascitur ad laborem).

Entretanto, para além das discussões entre universalismo e utilitarismo, é hora de ouvir a Ciência, como bem destacou o ministro da Saúde há pouco, em entrevista marcada pela excelência de seu conhecimento e atuação, no noticiário vigilante da GloboNews.

Essa conclamação se estende aos juízes e juízas do Brasil. Ora, se se exige do homem médio ouvir e respeitar a Ciência, com mais razão assim devem proceder os magistrados, dos quais se exigem soluções razoáveis diante do quadro excepcional!

Em todas as instâncias, ações judiciais proliferam em relação às medidas governamentais de contenção à pandemia. Está na ordem do dia a virtude passiva dos juízes e a humildade judicial de reconhecer, em muitos casos, a ausência de expertise em relação à Covid-19. É tudo novo para a Ciência, quiçá para o Judiciário.

Nesse contexto, impõe-se aos juízes atenção para as consequências das suas decisões, recomendando-se prudência redobrada em cenários nos quais os impactos da intervenção judicial são complexos, incalculáveis ou imprevisíveis. Antes de decidirem, devem os juízes ouvir os técnicos, porque uma postura judicial diversa gera decisões passionais que desorganizam o sistema de saúde, gerando decisões trágicas e caridade injusta.

A novel figura do amigo da Corte (amicus curiae), que pode ser um cientista, um economista, um médico, foi incorporada ao novo Código de Processo Civil para coadjuvar os juízes e tribunais nas decisões que exigem conhecimentos que escapam à formação dos profissionais do Direito.

A participação desses experts é fundamental, na medida em que aqui e ali vislumbram-se decisões que apreendem máscaras e remédios, internam-se pessoas cujo tratamento deve ser caseiro, fadigando a disponibilidade de leitos hospitalares, impede-se a criação de postos próximos aos cidadãos para receberem o auxílio econômico governamental, entre outras.

Positivamente, não é hora do impulso imoderado, mas do raciocínio prudente, racional e consequencialista, sob pena de a Justiça, cujo o desígnio é dar a cada um o que é seu, transformar-se num paciente infectado por uma Covid que adoece a alma e a razão, ferindo de morte, a um só tempo, a vida dos que sofrem e a esperança dos que intentam viver.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Tutela judicial debilitada e crise do Estado Social

“O atual conflito entre o Poder Executivo e o Poder Judiciário, com a ausência alarmante do Congresso Nacional, não é um conflito clássico entre poderes. E aponta a emergência da ordem arbitrária  e discricionária oculta, mas presente na gênese absolutista do Estado Moderno”. Artigo de Tarso Genro, advogado e ex-governador do RS.

Reprodução do YouTube

Mundo pós-pandemia e a indenização

 

Mundo pós-pandemia e a indenização

A professora emérita Sandra Szurek (foto), da Universidade Nanterre (França), escreveu - em artigo publicado num dos mais importantes jornais do mundo, o Le Monde - que "é legítimo colocar a questão da responsabilidade legal da China". Artigo de Eduardo Barbosa, advogado e conselheiro seccional da OAB-RS.

Imagem Youtube

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

 

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

“Na angústia de atingir as metas que lhes são impostas, as varas e os tribunais implementam, cada um a seu gosto, diferentes regulamentações. E é nesse contexto, na ausência do ponteiro da tropa, que a boiada passa, atropela e acaba se perdendo”. Artigo do advogado Jonatan Teixeira (OAB-RS nº 69.752).

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.