Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

O novo vizinho



Imagem da Matéria

Por Mauricio Antonacci Krieger, advogado (OAB-RS nº 73.357)

Em um popular condomínio de grande cidade, o novo proprietário do apartamento ´888´ e do box ´88´ acabara de se instalar e já estava causando desconforto na vizinhança. Chico - como ele ficou conhecido - não possuía carro e a sua vaga de estacionamento ficava sempre vazia.

Chega o verão, e algo inusitado ocorre. Chico passa a ocupar o box ´88´ como se fosse residência e ali instala uma cama.

Os vizinhos reclamam e o síndico chama o condômino para explicar-se. A justificativa dele é perolar:

- Sinto muito calor, tenho rinite alérgica ao ar condicionado e na garagem aberta sopra bastante ventinho, que vem das bandas do rio, o que faz com que eu consiga dormir melhor nestas noites caniculares.

O síndico rechaça, o conselho é convocado e a decisão condominial é o ajuizamento de uma ação de obrigação de fazer: a retirada da enorme cama, e a volta da rotina de dormir no apartamento, etc.

Na defesa do réu, vem a argumentação de insônia, a juntada de laudo médico atestando a dificuldade de dormir em ambientes quentes, a rinite, a aversão aos condicionadores de ar, etc. E principalmente, a não ocorrência de qualquer ato despudorado ou devasso no box 88. A contestação aborda uma questão de isonomia: “Outros condôminos usam seus boxes de estacionamento para guardar tralhas”.

Sai a sentença, cuja parte nuclear tem uma longa frase: “Considerando que o réu, comprovadamente, necessita de ambiente fresco e ventilado para dormir, e que conforme a prova fotográfica a garagem na qual se encontra a cama é um ambiente agradável, bem como certificado que o espaço-estacionamento é propriedade do réu, e que embora tal se destine naturalmente para veículos, nada impede que o seu proprietário lhe dê outra finalidade eventual, como ademais é o caso de moradores que guardam bicicletas, armários e até entulhos – como ressoa do álbum fotográfico”.

Sendo assim, o magistrado decide que o réu poderá permanecer dormindo na cama da garagem, com uma ressalva: “O leito deve servir unicamente para uso individual do proprietário, não podendo ser utilizado para outros fins. Além disso, para a boa convivência com os vizinhos, o réu deverá sempre, ao sair da garagem ‘arrumar a cama’ para deixá-la com melhor aspecto”.

Não houve apelação. Na semana passada, os condôminos tiveram uma boa notícia. Tendo ficado noivo, Chico - em honra à sua intimidade, mudou-se. O novo prédio em que se instalou tem o título de “Brisas do Rio”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Uma correntista linda, simpática, atraente

 

Uma correntista linda, simpática, atraente

Convocada pelo banco para atualizar seus dados cadastrais, a cliente com 26 de idade comparece prestativa. Formulários preenchidos, tudo ok, despedidas, etc. À noite ela recebe um torpedo no celular: “Lembra que te atendi hoje? Eu te achei linda e simpática, e fiquei interessado em ficar contigo. E, quem sabe, pode até rolar um sexo bom... Há possibilidades? Beijo’’.

Charge de Gerson Kauer

A justificada parcialidade do juiz

 

A justificada parcialidade do juiz

Um pênalti incomum cometido por um zagueiro. Gol da equipe adversária e fim do sonho de estar na elite do futebol gaúcho. Depois da partida, na entrada do vestiário, o goleiro agride seu companheiro de time. No juízo criminal, o magistrado decide com pleno e pessoal conhecimento da causa e absolve o acusado. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.