Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
31 de março de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/romance_forense.jpg

Os beijos que a juíza enviou



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Assim que entrou na magistratura, e lá se vão dez anos, de vez em quando, a juíza lançava um ou outro despacho a mão.

Em um desses, apôs sua decisão caligrafada, tentando caprichar na letra, que já naquela época andava enferrujada pelo parco uso – afinal, quase tudo era escrito apenas por meio do teclado do computador.

A magistrada foi escrevendo, escrevendo, escrevendo e se distraiu. Ao final, em vez do clássico “intime-se”, por engano lascou “Beijos, Daniela”.

Os autos foram ao cartório e o desligado escrevente tratou de, meia dúzia de dias depois, publicar na nota de expediente a íntegra do despacho, incluindo o final afetivo.

No mesmo dia da publicação, os advogados das duas partes protocolaram uma petição conjunta: “Eminente juíza, o beijo é a ação e o resultado de tocar os lábios, com leve sucção, em sinal de estima, amor, carinho, respeito etc. Nos beijos apaixonados entre pessoas, geralmente as bocas se tocam e se trocam carícias com os lábios. Beijo também é a fórmula carinhosa e íntima de encerramento de carta, bilhete etc. “

A petição em folha A-4 tinha, na sequência, um espaço em branco, e logo a conclusão: “Imaginando que o arremate do despacho de fl. 86 esteja revestido de humano equívoco, mas também admitindo possa ter sido uma fórmula processual carinhosa de arremate, as partes pedem que Vossa Excelência melhor explicite, para que não pairem dúvidas na eternidade dos autos”.

Há quem diga, na vara, que a juíza enrubesceu com a petição. Mas, para evitar novos desdobramentos, ela despachou com concisão: “Recebo a petição conjunta como embargos de declaração. Acolho-os para afirmar ter se tratado de erro material. E arremato com o meu profissional respeito pelos dois advogados. Nada mais”.

A “rádio-corredor” se encarregou de, por conta própria, divulgar um comentário adicional: “Sem beijos e sem abraços”...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Um adultério diferente!

 

Um adultério diferente!

Ao sentenciar, o juiz entendeu que “mesmo que não comprovado o adultério na sua forma habitual do sexo carnal, a infidelidade virtual está demonstrada pela troca de fantasias eróticas de um(a) com a(o) outra(o), em nítido jogo sexual virtual”. Mas o tribunal julgou diferente.

O aniversário da namorada do ministro

 

O aniversário da namorada do ministro

“Meu nome é ´José da Silva´. Eu sou ministro da mais alta Corte do meu país”.  O imprevisto, a solução e o encerramento de uma comemoração natalícia num dos mais badalados restaurantes de New York. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A linguiça mal entendida

 

A linguiça mal entendida

Cidade interiorana de cerca de 100 mil habitantes. Certo dia o promotor, na sala da residência, lia um processo quando sua filha de 13 anos dali ligou – no bom e tradicional telefone fixo - para o armazém do Seu Manoel:  "Bom dia! A mãe mandou perguntar se tem linguiça da colônia”... A adolescente teve, então, que escutar...

   O novo vizinho

 

O novo vizinho

Em um popular condomínio, o novo proprietário do apartamento ´888´ e do box ´88´ acabara de se instalar e já estava causando desconforto: a ocupação do espaço de estacionamento com uma cama. O texto é do advogado Maurício Antonacci Krieger.

Charge de Gerson Kauer

Cabelos molhados

 

Cabelos molhados

“Os tititis forenses andavam a mil, em comarca da Grande Porto Alegre. Dois juízes apaixonados; um pela linda promotora loira natural; o outro pela servidora loira mal tingida... A paixão era concreta e vista por todos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Enrolados na toga

 

Enrolados na toga

Em meio a um protocolo de mesuras, a longa toga da juíza prende numa rodinha da cadeira da sala de audiências. O senador que iria depor como testemunha acorre para ajudar. Mas o faz afoitamente e os dois caem enrolados na preta e sedosa vestimenta funcional da magistrada.