Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
03 de abril de 2020.

De graça, nem relógio trabalha



Arte EV sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

Por Juvenal Ballista Kleinowski, advogado (OAB/RS nº 102.262)
juvbk@hotmail.com

Denomina-se advogado dativo aquele nomeado pelo magistrado para prestar assistência à parte quando a Defensoria Pública não puder fazê-lo, ou não existir na localidade. A advocacia dativa decorre do direito fundamental à assistência jurídica gratuita (art. 5º, LXXIV).

Em reconhecimento ao serviço prestado, o juiz fixará o valor dos honorários ao dativo, verba esta que deverá ser custeada pelo Estado.

Na Justiça Federal a matéria é regulada através da Resolução nº 305/2014 do Conselho da Justiça Federal. Tal norma dispõe os valores mínimos e máximos para cada tipo de ação, cabendo ao magistrado fixar o valor da remuneração do advogado e requisitar o pagamento por meio de RPV, quitado em até 60 dias.

Diferente situação é vivida por aqueles colegas que insistem/aceitam atuar de forma dativa na Justiça Estadual.

A Lei Estadual nº 11.667/2001 previa que os honorários dos advogados dativos seriam pagos por meio dos rendimentos dos depósitos judiciais (art. 2º, §1º). A gestão dos depósitos e a obrigação de pagamento cabiam ao Poder Judiciário.

Os valores e formas de pagamento eram regulados pelo Ato nº 031/2008 da Presidência do TJRS. Ocorre que a referida lei foi extirpada do universo jurídico pelo STF ao julgar a ADI nº 2.909/RS, movida pelo Conselho Federal da OAB.

Como consequência do trânsito em julgado da referida ação, a Presidência do TJRS revogou o Ato nº 031/2008 em 20 de março de 2018. Em face da inexistência da lei e do ato normativo que permitiam os pagamentos, todos advogados dativos do Rio Grande do Sul ficaram sem receber pelo trabalho.

Após excelente trabalho político da OAB-RS, em 1º de outubro de 2018 foi editada a Lei Estadual nº 15.232, fixando a competência da PGE/RS para pagar os serviços prestados pelos advogados dativos (art. 9º). O mesmo diploma estabeleceu que um regulamento com valores e forma de pagamento seria editado por resolução conjunta da PGE/RS e da DPE/RS, com oitiva da OAB/RS no processo.

Passados 500 dias da edição da Lei nº 15.232, ainda inexiste o regulamento que daria suporte legal ao pagamento dos advogados dativos.

Inúmeras reuniões foram realizadas entre a OAB/RS e PGE/RS, mas não há previsão de conclusão do trabalho.

Em diversas rádios corredores ouve-se que o impasse é financeiro: o Estado simplesmente não possui condições de arcar com os honorários, e por isso o regramento não é concluído pela PGE.

Mesmo assim, advogados das mais diversas cidades do Estado trabalham diariamente em prol dos desassistidos. E o fazem sem receber pelo seu trabalho, arquivando as certidões que fixam honorários para – talvez – um dia receber.

Alguns colegas já ingressaram com ação da execução contra o Estado, que tem reconhecido a dívida. Porém, além da propositura de mais uma ação totalmente desnecessária, o advogado tem que aguardar, depois, a expedição de RPV e os 60 dias para pagamento.

É este descaso das instituições que é aqui denunciado: há quase um ano não se tem - por parte da OAB-RS, PGE e DPE -

Mais notícias sobre o assunto e sua solução.

A conjunção é descaso das instituições (OAB/RS, TJRS, PGE-RS e DPE-RS) com os advogados dativos. Espero que o presente artigo chegue às autoridades, para que alguma atitude seja tomada, pois de graça nem relógio trabalha.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Visual Hunt

 Acordo de Paris cumprido, mas "sem querer"

 

Acordo de Paris cumprido, mas "sem querer"

“Em que pese toda a tragédia humana causada pelo coronavírus, algumas notícias nos ajudam a entender a proporção do impacto que essa parada obrigatória dos maiores emissores de poluição ambiental do mundo teve sobre o meio ambiente e o planeta”. Artigo da advogada Renata Franco (OAB/SP nº 171.956).

Freepik

As ações judiciais contra a República Popular da China

 

As ações judiciais contra a República Popular da China

“O nexo causal evidente: a China como causadora da maior tragédia humana após a Segunda Guerra Mundial. Uma ação popular brasileira extinta sem julgamento do mérito.  Mas três outras gigantescas demandas têm seus primeiros passos nos EUA”. Artigo de Eduardo Barbosa, advogado (nº 35.070) e conselheiro seccional da OAB-RS.

Arte EV sobre foto de Nelson Júnior (SCO/STF)

Justiça infectada? A hora da prudência!

 

Justiça infectada? A hora da prudência!

“Em todas as instâncias, ações judiciais proliferam em relação às medidas governamentais de contenção à pandemia. Está na ordem do dia a virtude passiva dos juízes e a humildade judicial de reconhecer, em muitos casos, a ausência de expertise em relação à Covid-19. É tudo novo para a Ciência, quiçá para o Judiciário”. Artigo de Luiz Fux, vice-presidente do STF.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google

A advocacia empresarial e a pandemia

 

A advocacia empresarial e a pandemia

“Novos tempos, novos desafios. O isolamento social poderia ter sido o fim da advocacia empresarial, mas não foi, e não será. Quando faltaram o burburinho e o movimento que permeiam o dia-a-dia dos grandes escritórios, eles souberam responder de forma rápida”.Artigo de Daniela Kraide Fischer, advogada (OAB-RS nº 55.347).