Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 04 de agosto de 2020.

Aplicação na sobrepartilha de regra que distingue união estável e casamento



Visual Hunt

Imagem da Matéria

Por Delma Silveira Ibias, advogada (OAB-RS nº 25.657)
dibias@outlook.com.br

A 8ª Câmara Cível do TJRS ao julgar, recentemente, caso judicial que envolve casamento e união estável, firmou um relevante precedente em prol desta última.

O importante acórdão da 8ª Câmara Cível do TJ gaúcho discutiu se os efeitos do RE nº 878.694 - que julgou inconstitucional a sucessão da união estável - se aplicam aos processos de sobrepartilha realizados após a declaração da inconstitucionalidade do art. 1.790 do CCB.

A fim de evitar o desequilíbrio entre os filhos e a viúva, a decisão da 8ª Câmara Cível gaúcha foi no sentido de que se deve aplicar à sobrepartilha o mesmo regramento que regeu a partilha. Assim, determinou a aplicação do art. 1.790 do CCB, já declarado inconstitucional pelo STF, em 2017, no julgamento em que afastou a diferença entre cônjuge e companheiro para fim sucessório.

Importante fato: o casal firmou em 2009 escritura pública declarando que viviam em união estável há oito anos, incidindo sobre a relação o regime da comunhão parcial de bens. Após o falecimento do homem, foi lavrada escritura pública de inventário e partilha, sendo firmada pelos dois filhos e a companheira. Na ocasião foi feita a partilha com observância do regramento posto no art. 1.790 do CCB.

Posteriormente, foi descoberto que o falecido era titular de um crédito junto ao Estado do Rio Grande do Sul, consubstanciado em precatório. Não havendo consenso entre os filhos e a companheira acerca do critério legal a ser observado na divisão desse bem, foi formalizado em juízo, pelos filhos, pleito de sobrepartilha.

O magistrado de 1º grau decidiu que deveria ser, então, obedecido, na sobrepartilha, o regramento do art. 1.829, inc. I, do CCB, ante o julgamento, pelo STF, em 2017, do que declarou inconstitucional o art. 1.790 do CCB, mandando aplicar às uniões estáveis as mesmas regras sucessórias incidentes no casamento.

De acordo com os filhos, tal decisão é injusta, pois, gera benefício desproporcional à companheira, que antes, além da meação, foi contemplada com herança sobre os bens comuns (rateada com os filhos), pois essa era a regra do art. 1.790 do CC, e agora, na sobrepartilha, herdará também sobre o bem particular, o precatório.

Para o colegiado, caso adotado o regramento do art. 1.829, I, do CC, a companheira concorreria com os filhos também nos bens particulares.

Assim, segundo o julgado da 8ª Câmara Cível, a agravada seria contemplada com mais direito, como companheira, do que teria se casada fosse, pois receberia herança sobre os bens comuns e também sobre o bem particular, “o que certamente não foi o desejado pelo STF ao assentar o entendimento consagrado no RE nº 878.694”, conforme apontou o desembargador Luiz Felipe Brasil Santos.

Assim, por unanimidade, o colegiado proveu o recurso, fixando um importante precedente sobre essa matéria. Provavelmente, esse foi o primeiro acórdão, no país, que determinou a aplicação, em processos de sobrepartilha, do art. 1.790 do Código Civil já declarado inconstitucional pelo STF.

Compartilho a criação desse precedente com os muitos leitores do Espaço Vital a satisfação profissional de ter atuado nesse caso, acompanhada dos colegas Diego Oliveira da Silveira e Aline Rübenich. (Proc. nº 70083387449).

Leia a íntegra da ementa:

“Agravo de instrumento. Sucessões. Sobrepartilha de crédito.

Bem comum entre descendentes e a companheira supérstite. Inconstitucionalidade do artigo 1.790 do Código civil, afastada. Particularidades do caso em concreto. Reforma do decisum.

Caso em que se discute direito à herança de bem particular em ação de sobrepartilha que, dada as particularidades do caso em concreto, deve ser observado o mesmo regramento aplicado quando da ação de inventário, a evitar desequilíbrio entre os filhos e a viúva.

Recurso provido”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Imagens: Freepik - Arte EV

O TRT-4 e o juízo natural

 

O TRT-4 e o juízo natural

“O CNJ e o STF reconhecem a óbvia proibição de designar juiz para processo específico. Mas, na Avenida Praia de Belas, em Porto Alegre, há um Estado com leis próprias e conflitiva relação com o direito brasileiro”. Artigo do advogado Henrique Júdice Magalhães.

Uma boa ideia, mas com reflexos desconhecidos

“Nem tudo que reluz é ouro. Os juízes que fossem para os cargos transitórios do ´mutirão da solidariedade´ - que o TRT-4 pretendeu criar -  respeitariam a jurisprudência consolidada do segundo grau? Ou aproveitariam para firmar suas convicções?” Artigo do advogado Thiago Rocha Moyses.

O trem não descarrilou

“Impulsionado pelo exercício da advocacia trabalhista há mais de dez anos, reconheço a pertinência da Resolução nº 14/2020 (...) Mas, com a necessária humildade, a administração do TRT-4 deve colher a lição, aproveitando instâncias consultivas com integrantes externos ao Judiciário e promover esclarecimentos e consultas prévias. O Judiciário não pode desconsiderar os novos tempos”. Artigo do advogado Jonatan Teixeira (OAB/RS nº 69.752)

Imagens: Freepik - Montagem: Gerson Kauer

Os riscos na reabertura dos foros e (re)início dos prazos processuais

 

Os riscos na reabertura dos foros e (re)início dos prazos processuais

“Estamos aderindo a um sistema de contagem de prazos que, no Rio Grande do Sul será atípico, altamente complexo e que resultará em substancial perda de prazos. Tal ocorrência processual é algo grave ao advogado, mas sobretudo ao jurisdicionado. Atrai responsabilidade ao primeiro; fulmina o direito do segundo!”. Artigo de Anderson Bellini Aloisio (OAB-RS nº 51.954).