Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de fevereiro de 2020.

Páginas da vida (e da morte) de famosos



Fotos Divulgação Tv Record (E) e Camera Press (D)

Imagem da Matéria

O desembargador Galdino Toledo, do TJ-SP, cassou ontem (6) a decisão de primeira instância, de 24 de janeiro, que dava a Rose Miriam Di Matteo – viúva, ou companheira, ou amiga de Gugu Liberato - uma pensão de R$ 100 mil mensais. Toledo considerou que “a relação não era de união estável” e determinou o pagamento apenas dos custos básicos dos três filhos, incluindo os gastos da residência.

A decisão definiu provisoriamente o valor de R$ 42 mil (correspondente a US$ 10 mil) para tais gastos.

No mesmo dia (29 de novembro) do sepultamento de Gugu, a família se reuniu para proceder à abertura de seu testamento. O documento distribuiu a herança, estimada em R$ 1 bilhão: 75% para os três filhos, 25% para cinco sobrinhos, e uma pensão mensal de R$ 163.000 para a mãe do apresentador.

Páginas da vida (e da morte) – 2

Decisão da 1ª Vara de Órfãos e Sucessões do Rio de Janeiro considerou válido o testamento deixado pela atriz Betty Lago, que morreu, em 2015, aos 60 de idade, vitimada por câncer. Ela foi casada durante 10 anos com o ator Eduardo Conde, falecido em 2003, com quem teve dois filhos: Patrícia, nascida em 1973, e Bernardo, nascido em 1979.

Depois do óbito, os dois filhos litigaram porque o legado para Bernardo fora maior do que o quinhão deixado para Patrícia.

Esta sustentava que, por ocasião do ato testamentário, uma semana antes do óbito, a mãe “não estava com plenas faculdades mentais”.

O julgado considerou que “nos relatórios médicos não há qualquer menção à capacidade – ou falta dela – de discernimento da atriz”. O valor total dos bens a partilhar é de aproximadamente R$ 10 milhões. (Proc. nº 0204404-49.2016.8.19.0001).

Em carta, Rose Miriam dá detalhes de relação com Gugu Liberato

No texto distribuído à imprensa, a médica e mãe dos três filhos do apresentador o chama de marido e fala em família.

“Gugu desejou construir uma família e eu também. Ele me incluiu na vida dele, assim como eu o incluí na minha vida. Formamos uma família conforme a vontade de Deus. Tivemos três filhos lindos e saudáveis. E desde o momento em que ficamos sabendo que eu estava grávida, as nossas vidas tomaram um novo rumo.

Caminhamos sempre juntos em um caminho de amor, respeito e cumplicidade. Um relacionamento de acordo com a vontade de Deus, em que o amor e confiança andam juntos. Fomos muitos felizes durantes todos esses anos, principalmente nos últimos anos em que vivemos aqui nos Estados Unidos. Apesar da distância, a nossa casa aqui se tornou um lar mais sólido.

Gugu vinha frequentemente e a nossa alegria sempre foi algo que brotava de nossos corações. Jamais esquecerei dos fortes abraços que ele nos dava ao abrir a porta de casa quando chegava do Brasil. Gugu adorava viver aqui, pois além de estar no seio familiar, podia passear de bicicleta, de bermuda e de chinelo, e de fazer as compras no mercado. Eram momentos de liberdade!

Gugu foi um querido e zeloso pai e marido. Foi meu companheiro nos momentos felizes na criação e educação dos filhos. Ele era o pilar da casa!

Quando vinha para cá, ficava o máximo de tempo que lhe era possível. Se não fosse o trabalho de apresentador e de empresário, teria um tempo maior para convivermos. Mas ele adorava ser apresentador querido e amado por todos. Gugu foi um homem íntegro e o mais generoso que já conheci na vida.

Ele sempre me dizia que quando as crianças chegassem na idade de fazer o high school, deveríamos trazê-los para cá nos Estados Unidos, por achar que essa seria uma ótima decisão. Foi assim que viemos eu, Gugu e as crianças no dia 02 de julho de 2015.

Quando chegava o momento de ir embora de suas muitas vindas, Gugu se emocionava ao se despedir de nós. E sempre dizia: “Assim que der, eu volto. Amo vocês! Fiquem com Deus”.

Mas no dia 20 de novembro deste último ano, ao chegar em nossa casa, sua vida foi ceifada de forma extremamente trágica em um acidente doméstico diante de nossos olhos. E agora as nossas vidas transcorrem na maior perda que já tivemos. O que nos resta agora é a dor da saudade de alguém inesquecível que só nos deu amor.

Mas para nos confortar, temos a certeza que Gugu está calmo e bem pertinho de Deus.”


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O sexo das pessoas não se presta como fator de desigualação jurídica

Conheça a íntegra do voto divergente, que está prevalecendo (5x3) no caso de Sergipe. Na hipótese dos autos, o recorrente alega ter mantido união estável concomitante com o ´de cujus´. Ou seja, paralela à união estável mantida entre o instituidor e a companheira já reconhecida, haveria uma segunda união estável, homoafetiva.

“Pai também é quem cria !”

Uma rara ação envolvendo questões familiares, decidida com elogiável rapidez pelo Judiciário gaúcho: do ajuizamento até a sentença, apenas 41 dias de tramitação. Um acordo entre três partes, envolvendo vínculo parental.