Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), Atualização extra às 8h45 de 23.9.2020

Flanelinhas, guardadores e lavadores de carros nas ruas: vigarice consentida



Por Júlio César Cardoso, servidor federal aposentado

juliocmcardoso@hotmail.com

 

O Brasil é um país onde o trabalhador é espoliado ou assaltado descaradamente de todas as formas, pela União, Estados, DF e Municípios, com a cobrança de alta carga tributária sem retorno em serviços públicos qualificados. Os (maus) exemplos aí estão:

1) Educação, saúde e segurança de baixa qualidade;

2) Pela cobrança onerosa e inconstitucional de estacionamento de carros em locais públicos, eleitos aleatoriamente pelos municípios como áreas azuis de cobrança de estacionamentos;

3) Pela vigarice consentida pelos municípios e pela justiça - os dois com letras minúsculas - que permitem aos flanelinhas ou meliantes extorquirem condutores de veículos estacionados em áreas públicas, exigindo deles pagamentos para não terem os carros danificados.

Mas o que nos deixa perplexos é saber que existem no país até sindicatos legalizados dos flanelinhas. Isso é um absurdo. São coisas de um Brasil arcaico e assistencialista desmoralizante. A sindicalização profissional de guardador e lavador de carro de rua é a consagração oficial da malandragem, da vagabundagem, dos que não querem procurar trabalho sério, preferindo viver na sombra da Justiça, extorquindo os cidadãos.

Mas tudo ocorre por culpa exclusiva de parcela da sociedade que se compadece com a situação de vida de certos elementos, que não querem pegar no batente e trabalhar com responsabilidade em profissão honesta, e permite, sem contestar as autoridades competentes, que tais sindicatos sejam reconhecidos.

Não tenho dúvida de que o reconhecimento desses sindicatos é promovido por meio da iniciativa de políticos pertencentes a partidos que se autoproclamam defensores dos trabalhadores. Mas na verdade, o objetivo final dos políticos que se identificam com a situação dos flanelinhas em geral é estabelecer nos sindicatos um nicho onde possam abiscoitar votos nas eleições.

Assim, está na hora de o Legislativo Federal arrostar a matéria aqui tratada de modo a combater o abuso deliberado dos flanelinhas nas cidades, aprovando lei específica, inclusive que inviabilize a existência dos sindicatos correspondentes.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Chargista Duke - Dom Total

Boiada contra o consumidor

 

Boiada contra o consumidor

“Medidas de secretaria nacional causam prejuízos a milhões de pessoas. Criou-se no governo um conselho nacional, camuflado de ´defesa do consumidor´, cuja prioridade é a defesa dos interesses das empresas”. Artigo de Marilena Lazzarini, presidente do IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor.

Imagem: Acervo EV

Justiça do Trabalho, não brinque com a advocacia gaúcha!

 

Justiça do Trabalho, não brinque com a advocacia gaúcha!

“O TRT da 4ª Região criou um grupo para a implementação das medidas de retorno gradual ao trabalho presencial. Ele é formado por duas desembargadoras, cinco juízes, e nove servidores. São 16 pessoas num  grupo de alto quilate. Nenhum advogado foi convidado”. Artigo da advogada Bernadete Kurtz (OAB/RS nº 6.937).

(STF/Divulgação) - Arte EV

Rito de impeachment nos Estados: um debate necessário para proteger a democracia

 

Rito de impeachment nos Estados: um debate necessário para proteger a democracia

“Quatro questões jurídicas de notável relevância constitucional. É necessário que os ministros do STF esclareçam quais são as regras para se instaurar e julgar um processo que pode afastar do cargo de governador de Estado, o representante legitimamente eleito pelos cidadãos”. Artigo de Alisson de Bom de Souza, procurador-geral do Estado de Santa Catarina