Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de fevereiro de 2020.

Flanelinhas, guardadores e lavadores de carros nas ruas: vigarice consentida



Por Júlio César Cardoso, servidor federal aposentado

juliocmcardoso@hotmail.com

 

O Brasil é um país onde o trabalhador é espoliado ou assaltado descaradamente de todas as formas, pela União, Estados, DF e Municípios, com a cobrança de alta carga tributária sem retorno em serviços públicos qualificados. Os (maus) exemplos aí estão:

1) Educação, saúde e segurança de baixa qualidade;

2) Pela cobrança onerosa e inconstitucional de estacionamento de carros em locais públicos, eleitos aleatoriamente pelos municípios como áreas azuis de cobrança de estacionamentos;

3) Pela vigarice consentida pelos municípios e pela justiça - os dois com letras minúsculas - que permitem aos flanelinhas ou meliantes extorquirem condutores de veículos estacionados em áreas públicas, exigindo deles pagamentos para não terem os carros danificados.

Mas o que nos deixa perplexos é saber que existem no país até sindicatos legalizados dos flanelinhas. Isso é um absurdo. São coisas de um Brasil arcaico e assistencialista desmoralizante. A sindicalização profissional de guardador e lavador de carro de rua é a consagração oficial da malandragem, da vagabundagem, dos que não querem procurar trabalho sério, preferindo viver na sombra da Justiça, extorquindo os cidadãos.

Mas tudo ocorre por culpa exclusiva de parcela da sociedade que se compadece com a situação de vida de certos elementos, que não querem pegar no batente e trabalhar com responsabilidade em profissão honesta, e permite, sem contestar as autoridades competentes, que tais sindicatos sejam reconhecidos.

Não tenho dúvida de que o reconhecimento desses sindicatos é promovido por meio da iniciativa de políticos pertencentes a partidos que se autoproclamam defensores dos trabalhadores. Mas na verdade, o objetivo final dos políticos que se identificam com a situação dos flanelinhas em geral é estabelecer nos sindicatos um nicho onde possam abiscoitar votos nas eleições.

Assim, está na hora de o Legislativo Federal arrostar a matéria aqui tratada de modo a combater o abuso deliberado dos flanelinhas nas cidades, aprovando lei específica, inclusive que inviabilize a existência dos sindicatos correspondentes.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Chargista Duke / Portal Dom Total

Morte à vista do pedido de vista

 

Morte à vista do pedido de vista

“Uma vergonhosa manipulação do processo penal que os ministros de todas as cortes tomam sem o menor constrangimento”. Em lúcido artigo, o jornalista Ascânio Seleme adverte que com o auxílio do pedido de vista um processo chega a demorar de 15 a 20 anos. “Isso permite a prescrição de eventual crime antes de ele conhecer sua sentença final”

Pacto fiscal gaúcho é uma alternativa que outros estados deveriam seguir

Em editorial, o jornal O Globo dominical (09.2.2020) elogia: “Governo e Assembleia Legislativa construíram um acordo para iniciar a reforma do serviço público”. Mas critica os abusos financeiros no Tribunal de Contas do Estado. Ali a média salarial entre conselheiros e funcionários é de R$ 27 mil mensais.