Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de fevereiro de 2020.

O juiz, o advogado e o Judiciário perderam!



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

  Cena 1

Numa estrepitosa ação reparatória por dano moral, ajuizada em 28 de novembro de 2007, por um desembargador gaúcho contra um advogado porto-alegrense, o juiz João Eduardo Lima Costa – atualmente desembargador do TJRS - ao sentenciar usou duas frases de total pertinência: “A demanda posta é daquelas em que todos perdem! Perde o autor, perde o réu e perde o Judiciário, pois uma situação vexatória envolve os figurantes da cena judiciária".

Foi em 5 de fevereiro de 2009, já se passaram quase 11 anos.

 Cena 2

Na semana passada, a 1ª Turma Recursal dos Juizados Especiais Cíveis do RS manteve sentença que condenou um advogado porto-alegrense a pagar reparação moral a um magistrado. Na origem da quizila entre os dois operadores jurídicos, um componente conhecido: a efetiva demora na obtenção do resultado financeiro da ação. Como desdobramento consequente, o desencanto do profissional da advocacia ante sucessivos despachos insatisfatórios nos pleitos protocolados.

Um dia a inconformidade do advogado se transformou em bílis – e ele foi ferino na petição subsequente: Eis algumas frases:

“Faz um tempo que esta execução encontra-se no arquivo, pois Vossa Excelência não faz a mínima questão de ajudar a exequente na busca de seus direitos. (...)

Nos últimos despachos, nem tem se dado ao trabalho de ler a petição e, de forma desrespeitosa e desprezando a angústia pela persecução da justiça, apenas se reporta a despacho anterior. (...)

Se a exequente estivesse na situação do magistrado, de receber o seu nada modesto salário - trabalhando ou não, sem parcelamento e sem temor de qualquer espécie - não estaria se preocupando em recuperar um débito tão difícil de ser alcançado. (...)

Quem tem o salário pomposo garantido no final do mês está pouco se importando com coisas sem importância...”.

O magistrado ofendido reagiu conforme o figurino. Contratou dois conceituados profissionais da advocacia e ajuizou ação reparatória contra o advogado ofensor. A sentença foi de procedência, deferindo modestos R$ 2.500.

Só o ofensor verbal recorreu. A condenação foi confirmada, ante “a ausência de vínculo entre os interesses da cliente e as ofensas à esfera pessoal do juiz, causando lesão aos direitos personalíssimos”. Não há trânsito em julgado.

 Cena 3

Tal como no caso recordado na abertura, a segunda demanda também “é daquelas em que todos perdem! Perde o autor, perde o réu e perde o Judiciário, pois uma situação vexatória envolve os figurantes da cena judiciária”.

Mas há dois diferenciais entre as duas ações. A que foi julgada na semana passada teve um resultado de R$ 2.500. A que chegou ao STJ em grau de recurso especial envolve condenação próxima de R$ 1 milhão. E o recurso especial está desde 26 de novembro de 2013 no gabinete da ministra Maria Isabel Gallotti.

É a demora da prestação jurisdicional vista por outro prisma, noutro patamar.

Madame Tartaruga Jurisdicional sabe disso.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

E agora, José?

 

E agora, José?

José Teutônico não apareceu na audiência de conciliação. O juiz considerou verdadeiros os fatos descritos na inicial e fixou o valor mensal da pensão na mesma proporção do que o assessor disse ganhar até há pouco. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. (Aproveite para escutar, na voz de Paulo Diniz, os lindos versos musicados de Carlos Drumond de Andrade).

Charge de Gerson Kauer

Enrolados na toga

 

Enrolados na toga

Em meio a um protocolo de mesuras, a longa toga da juíza prende numa rodinha da cadeira da sala de audiências. O senador que iria depor como testemunha acorre para ajudar. Mas o faz afoitamente e os dois caem enrolados na preta e sedosa vestimenta funcional da magistrada.

Charge de Gerson Kauer

O Dominador e a Submissa

 

O Dominador e a Submissa

E de repente, numa equivocada juntada de documentos em ação judicial, um advogado torna público um estranho contrato que ele próprio firmara com uma mulher. Esta, mediante pagamento, concorda em, nos fins-de-semana, ao longo de três meses, proporcionar ilimitados prazeres da cama, inclusive os violentos. Permitido até mesmo o uso de chicote...

Charge de Gerson Kauer

O aumento da poupança

 

O aumento da poupança

No Foro Central da capital tramita ação para o reconhecimento de união estável contra famoso operador do Direito. É requerido o depoimento pessoal do réu. O advogado da autora pergunta: “O senhor fazia sexo com ela?”. Há controvérsias. O texto é de Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

Generosidade de mãe

 

Generosidade de mãe

O advogado gaúcho jubilado, já setentão, e sua esposa, pouco mais de 60 de idade, viajam ao Rio de Janeiro para visitar o filho (que se prepara a concurso para ingresso no MP), a nora e o neto. E na confusa capital carioca passam três noites no apertado apartamento.