Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019
https://www.espacovital.com.br/images/metaforense_4.jpg

Papo sobre feminicídio com Dr. Hannibal Lecter



Arte EV sobre foto Google Imagens.

Imagem da Matéria

Diante do insucesso das campanhas contra o feminicídio, autoridades buscam auxílio junto ao Dr. Hannibal Lecter, psiquiatra canibal que ganhou fama em filmes como “O Silêncio dos Inocentes” e que ajuda a polícia a traçar o perfil de homicidas procurados.

Adentrando ao Hospital Forense onde é mantido Hannibal Canibal, a agente brasileira se apresenta:

- Bom dia, doutor, sou a inspetora Maria das Dores, e preciso de sua ajuda para interromper uma onda de assassinatos de mulheres no Brasil.

Vaidoso, Hannibal se anima com a oportunidade de voltar às manchetes. E, com voz sinistra, cumprimenta a visitante:

- Hello, Maria. O que vocês sabem desse assassino?

- Não é um assassino específico – responde a inspetora. Trata-se de feminicídio, quando uma mulher é assassinada por razões da condição de sexo feminino. As ocorrências só aumentam, apesar das campanhas de prevenção.

- E como são essas campanhas?

- Pedimos para que as mulheres denunciem e reforçamos que elas são livres, independentes. E que lugar de mulher é onde ela quiser – e que depois do ´não´ tudo é assédio etc.

- E quanto ao perfil do nosso grupo de assassinos? Que tipo de indivíduo praticaria um crime desses? - induz Hannibal.

A inspetora Maria das Dores começa a entender a dinâmica proposta.

- Doentes, claro! – responde sem hesitar. São homens inseguros, possessivos, dotados de um ciúme doentio. Alguém abusado na infância ou traumatizado por relações frustradas.

- Sua campanha prega a liberdade social, profissional, sexual da mulher, certo? Como isso afeta o criminoso em potencial? Digo, o indivíduo inseguro, possessivo, ciumento, traumatizado, e com tendências homicidas, que você mesma descreveu.

- Parece que estamos tentando apagar o incêndio com querosene. Mas, então, o que devemos fazer? – Indaga a inspetora brasileira.

Sentindo-se em posição de superioridade - o que ele adora - Lecter encerra a questão, expondo seu parecer:

- Dirijam-se ao potencial agressor. Deem um canal para quem sofre de ciúmes se expressar, para quem se sente prestes a cometer uma loucura buscar conselho, segurança. Algo similar ao que já existe para prevenir casos de suicídio. Isso trará resultados.

- O quê? Depois de séculos de opressão à mulher, os homens agora querem compreensão? Carinho? Ah, para! O senhor está gagá, mesmo! Passe bem!

A inspetora evade-se pelo corredor, dando as costas para o senil doutor. Ele perde toda a dignidade ao seguir gritando:

- Maria! Se vocês continuarem fazendo as mesmas coisas, como esperam obter resultados diferentes? Para impedir a atuação de um psicopata você precisa entendê-lo!

Rejeitado, o velho psiquiatra começa uma reflexão:

- E pensar que quando descobriram que eu era um maníaco canibal, já me prenderam aqui, em vez de me darem todo o afeto de que eu precisava. Bem, de qualquer forma, fica a dica...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Charge de Gerson Kauer

Mais babados no STF

 

Mais babados no STF

“E então, chega ela: diva, poderosa, maravilhosa Rosa Weber! Ela é assim, não dá ´spoiler´! Quem quiser saber o voto dela tem que aguardar até o fim e só descobre quando ela fecha com o final ´golden key´!”

Google Imagens

Babados do STF

 

Babados do STF

“Vamos começar pelo bafão do momento: depois de quase morrer pela manhã, com a pressão arterial alterada, o ministro Marco Aurélio conseguiu reunir forças para comparecer à sessão e criticar a Procuradoria Geral da República, a Advocacia Geral da União, os ministros Toffoli, Gilmar e Fux. Quase conseguiu criticar a unanimidade do Plenário”.