Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 10 de julho de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/123ver.jpg

Um freio às injunções políticas de bastidores para nomeações ao Judiciário



Google Imagens - Foto de Lula Marques

Imagem da Matéria

 Nas mãos de Sérgio Moro

Nos processos de nomeação para os órgãos do Poder Judiciário e do Ministério Público da União, e também para o Conselho Nacional do Ministério Público, diversas atribuições passarão pelas mãos do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, antes da chancela definitiva do Presidente da República.

Sem repercussão na chamada grande mídia – mas já formalmente publicada no Diário Oficial da União – entrou em vigor na última sexta-feira (22) o Decreto nº 10.125, assinado um dia antes. São oito artigos que dispõem sobre competências e centralizam no M.J.S.P. até mesmo as providências pertinentes, quando for constatada – pela Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República – a existência de óbice(s) à(s) pessoa(s) do(s) indicados.

Nesse caso será de Sérgio Moro a competência para que “providencie esclarecimentos junto ao tribunal ou ao órgão competente”.

Na prática, o que Bolsonaro pretende brecar são as injunções – ´no atacado e varejo - segundo um ministro aposentado do STJ avaliou para o Espaço Vital – de políticos que se apresentem no Palácio do Planalto tentando ou sugerindo apadrinhamentos.

 A íntegra do decreto

Presidência da República
Secretaria-Geral
Subchefia para Assuntos Jurídicos

DECRETO Nº 10.125, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2019

Dispõe sobre o trâmite, no âmbito do Poder Executivo Federal,
dos processos de nomeação para os órgãos do Poder Judiciário
e do Ministério Público da União e para o Conselho Nacional
do Ministério Público submetidos à apreciação do Presidente da República.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, caput, inciso VI, alínea “a”, da Constituição,

DECRETA:

Objeto e âmbito de aplicação

Art. 1º - Este Decreto dispõe sobre o trâmite, no âmbito do Poder Executivo federal, dos processos de nomeação para os órgãos do Poder Judiciário e do Ministério Público da União e para o Conselho Nacional do Ministério Público submetidos à apreciação do Presidente da República.

Parágrafo único - As disposições deste Decreto aplicam-se às hipóteses em que a competência para o provimento do cargo seja do Presidente da República.

Recebimento do processo de indicação pelo Poder Executivo federal

Art. 2º - O Poder Executivo federal receberá, do órgão ou do tribunal competente para formar a indicação, os documentos necessários à instrução do processo.

§ 1º - O Poder Executivo federal poderá solicitar documentos complementares ao tribunal ou ao órgão competente para formar a indicação.

§ 2º - Na hipótese de que trata o § 1º, os prazos a que se referem o art. 3º e o art. 4º ficarão suspensos.

§ 3º - Na hipótese de a documentação encaminhada pelo tribunal ou pelo órgão competente para formar a indicação ser suficiente para subsidiar a escolha do Presidente da República, a instrução do processo no âmbito do Poder Executivo federal poderá ser dispensada pelo Presidente da República.

Trâmite do processo de indicação no Poder Executivo federal

Art. 3º - A Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça e Segurança Pública encaminhará à Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República, no prazo de dois dias úteis, contado da data de recebimento do processo de que trata o caput do art. 2º, no mínimo, as seguintes informações:

I - identificação pessoal dos indicados, que conterá:

a) nome completo;

b) número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas - CPF; e

c) número do título de eleitor;

II - tribunal a que se refere o cargo vago ou a vagar; e

III - motivo da vacância.

Art. 4º - O Ministério da Justiça e Segurança Pública encaminhará à Secretaria-Geral da Presidência da República, no prazo de dez dias úteis, contado da data de recebimento do processo de indicação de que trata o art. 2º, por meio do Sistema de Geração e Tramitação de Documentos Oficiais do Governo Federal, de que trata o Decreto nº 4.522, de 17 de dezembro de 2002:

I - a exposição de motivos;

II - o parecer jurídico e a nota técnica referentes ao processo de indicação; e

III - as minutas de decretos para o provimento do cargo a que se refere a indicação.

§ 1º - Nas hipóteses em que a indicação for submetida à aprovação do Senado Federal:

I - o Ministério da Justiça e Segurança Pública encaminhará à Secretaria-Geral da Presidência da República, por meio do Sistema de Geração e Tramitação de Documentos, de que trata o Decreto nº 4.522, de 2002, no prazo estabelecido no caput:

a) a exposição de motivos com relação ao processo de indicação; e

b) a minuta de mensagem a ser encaminhada ao Senado Federal; e

II - após a aprovação do Senado Federal, o Ministério da Justiça e Segurança Pública encaminhará à Secretaria-Geral da Presidência da República, por meio do Sistema de Geração e Tramitação de Documentos, de que trata o Decreto nº 4.522, de 2002, no prazo de cinco dias úteis, contado da data de recebimento da comunicação da aprovação do indicado encaminhada pela Presidência da República:

a) a exposição de motivos para o provimento do cargo com os dados do indicado escolhido; e

b) a minuta de decreto pessoal de nomeação.

§ 2º - A Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça e Segurança Pública disponibilizará à Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República a integralidade do processo instruído pelo tribunal ou pelo órgão competente para formar a indicação, por meio de sistema eletrônico.

Competências

Art. 5º Ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria Nacional de Justiça, compete:

I - instruir, no âmbito do Poder Executivo Federal, o processo destinado ao provimento de cargo de magistrado para as vagas de que trata o art. 1º; e

II - opinar sobre o cumprimento aos requisitos formais pelos indicados.

Art. 6º - À Secretaria-Geral da Presidência da República, por meio da Subchefia para Assuntos Jurídicos, compete:

I - examinar a fundamentação jurídica da proposição e adequar a forma do ato a ser submetido a despacho presidencial, nos termos do disposto no inciso IV do caput do art. 22 do Decreto nº 9.982, de 20 de agosto de 2019;

II - registrar a consulta facultativa acerca da vida pregressa dos indicados, nos termos do disposto no inciso I do caput do art. 15 do Decreto 9.794, de 14 de maio de 2019; e

III - preparar os atos de que trata este Decreto e submetê-los a despacho presidencial, observados os prazos estabelecidos neste Decreto ou mediante demanda do Presidente da República;

§ 1º - A Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República poderá informar ao Ministério da Justiça e da Segurança Pública a existência de óbice à nomeação, para que providencie esclarecimentos junto ao tribunal ou ao órgão competente para formar a indicação.

§ 2º - As vedações estabelecidas nos incisos I e II do caput do art. 36 da Lei Complementar nº 35, de 14 de março de 1979:

I - não constituem impedimentos à nomeação; e

II - serão informadas ao tribunal ou ao órgão competente para formar a indicação pela Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República, para adoção das providências cabíveis.

Disposições finais

Art. 7º - A Subchefia para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República disponibilizará em seu sítio eletrônico oficial a relação dos processos de que trata o caput do art. 2º a serem submetidos ao Presidente da República, no prazo de trinta dias úteis, contado da data de publicação deste Decreto.

Vigência

Art. 8º - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 21 de novembro de 2019, 198º da Independência e 131º da República.

JAIR MESSIAS BOLSONARO

Sérgio Moro

Jorge Antonio de Oliveira Francisco

 As formas constitucionais de nomeação de magistrados

A nomeação para a magistratura de carreira (juiz federal, juiz do trabalho, juiz auditor da Justiça Militar, juiz de direito) dar-se-á sempre após concurso público de provas e títulos, observada rigorosamente a ordem de classificação, conforme o art. 78 da Lei Orgânica da Magistratura Nacional e o art. 93, inciso I, da Constituição de 1988.

A nomeação dos demais magistrados dar-se-á, ora pelo Presidente da República, ora pelo Governador do Estado, sendo a escolha ou eleição, conforme o caso, feita nos termos da Constituição da República e da Constituição do respectivo Estado, conforme se trate da magistratura federal ou da estadual.

O Presidente da República, a quem compete nomear os magistrados nos casos previstos na Constituição (art. 84, inciso XVI), nomeia os ministros dos Tribunais Superiores, os desembargadores do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, e os juízes dos Tribunais Regionais, após a escolha e aprovação pelo órgão competente nos termos da Constituição (Senado Federal, eleição ou indicação de tribunal).

Quanto ao quinto constitucional, diz a Constituição de 1988:

Art. 94 - Um quinto dos lugares dos Tribunais Regionais Federais, dos Tribunais dos Estados, e do Distrito Federal e Territórios será composto de membros, do Ministério Público, com mais de dez anos de carreira, e de advogados de notório saber jurídico e de reputação ilibada, com mais de dez anos de efetiva atividade profissional, indicados em lista sêxtupla pelos órgãos de representação das respectivas classes.

Parágrafo único - Recebidas as indicações, o tribunal formará lista tríplice, enviando-a ao Poder Executivo, que, nos 20 dias subsequentes, escolherá um de seus integrantes para nomeação.

A nomeação nesse caso, contudo, se dá de forma complexa, com a participação ativa da classe respectiva, que faz a lista sêxtupla, do tribunal competente (o qual dessa lista sêxtupla forma a lista tríplice), e, por fim, do Presidente da República ou Governador, conforme o caso, que, de forma livre, escolhe na lista tríplice quem será nomeado.

 A vitaliciedade

É de lembrar que os magistrados são vitalícios, porém a vitaliciedade é adquirida de forma diferente entre os de carreira e os nomeados via quinto constitucional. O magistrado de carreira é vitalício após dois anos de exercício; os demais magistrados, nos termos do art. 22 de Lei Orgânica da Magistratura Nacional, tornam-se vitalícios imediatamente após a posse.

É, pois, "sui generis" a aquisição da vitaliciedade dos magistrados membros de tribunais oriundos da Advocacia. Na análise mais profunda do assunto, apenas estes se tornam vitalícios após a posse como membro de tribunal, pois os juízes e membros do Ministério Público, antes da nomeação, já a adquiriram nos cargos de origem.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Getty Images G

Na Justiça do RS a primeira ação vultosa por morte pelo coronavírus

 

Na Justiça do RS a primeira ação vultosa por morte pelo coronavírus

  Está na 30ª Vara do Trabalho de Porto Alegre a ação do espólio de uma auxiliar de enfermagem do Hospital Conceição. A pedida é de R$ 2,8 milhões.

  Projeto de lei institui pensão complementar aos dependentes de profissionais de saúde que, no exercício de suas atividades, falecerem vítimas do Covid-19.

  “A Estrela Roubada”: o advogado Roberto Siegmann dá os retoques finais no livro que vai esquadrinhar uma milionária operação de marketing envolvendo Corinthians, Rede Globo, CBF e STJD.

  Em tempos de isolamento, o velho e bom quebra-cabeça, os jogos de tabuleiro e as cartas eletrônicas do “Paciência” voltam à moda e batem recordes.

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Excentricidades judiciais durante a pandemia

 

Excentricidades judiciais durante a pandemia

• Estresse durante a quarentena: um tapete úmido que se transformou em instrumento de agressão contra uma vizinha.

• Uma ação cível - ajuizada por uma estudante de Direito e com a participação de três advogados - em nome de 23 gatos, contra duas construtoras em Salvador (BA).

• O ataque dos ratos à vizinhança, depois que os felídeos foram levados embora.

• A sentença que extinguiu a ação: “Não se poderá admitir que tais animais ostentem capacidade processual”.

Ramiro Furquim / Visual Hunt / Edição EV / Imagem meramente ilustrativa

Negado habeas corpus para que advogado-surfista tenha passe livre para as ondas

 

Negado habeas corpus para que advogado-surfista tenha passe livre para as ondas

• Praticante de surfboard queria autorização para acesso às águas do mar catarinense entre 5h50 e 9h.

• Celso de Mello volta à atividade jurisdicional do STF. Mas só à distância.

• Negada liberdade provisória para detento condenado a 1.128 anos de prisão. Foram 61 crimes.

• Competência da Justiça do Trabalho para julgar eventual vínculo de ensino à distância.

Arte EV sobre imagem do Google

   Juiz extingue ação ajuizada por advogado para obrigar a Azul a reiniciar operações em Chapecó (SC)

 

Juiz extingue ação ajuizada por advogado para obrigar a Azul a reiniciar operações em Chapecó (SC)

 A empresa cancelou todos os seus voos ali, alegando ser decorrência da pandemia.

 Cuidado com golpes sobre precatórios que o TRT-4 estaria antecipando.

 Vinte dias depois de chegar ao Instagram, Sérgio Moro já tem 1 milhão de seguidores.

• Vem aí, em português, o livro sobre a Grande Gripe.

 Você sabia que o Brasil já teve um Presidente da República eleito que não assumiu (em 1919) porque foi vitimado pela gripe espanhola?

 2020 em casa: aumentam as buscas por chinelos e pijamas.

Reprodução do Twitter

Charge de jornal dinamarquês sobre coronavírus irrita a China

 

Charge de jornal dinamarquês sobre coronavírus irrita a China

 A figura mostra uma bandeira chinesa e, no lugar das tradicionais estrelas amarelas, há desenhos do novo coronavírus.

• O tamanho residencial da delação premiada de Eike Batista: um ano na cadeia de Bangu (mas a partir de 2021), 12meses de prisão domiciliar e dois anos de regime semiaberto. Parece que o crime compensa...

 O que fazer numa cidade de 92 mil habitantes onde faltou papel higiênico?...