Ir para o conteúdo principal

EV de férias! > Os 15 Romances Mais Lidos de 2019

O jatinho financiado com juros de 3% ao ano...



Chargista Aroeira

Imagem da Matéria

Libertado, Lula chegou na manhã de sábado (9) a São Paulo. Voou de Curitiba a Congonhas no jatinho particular PP-HUC, pertencente à Brisair Serviços Técnicos Aeronáuticos, empresa titulada por Luciano Huck e sua esposa Angélica. “Qualquer especulação política sobre o voo é maluquice do momento polarizado dividindo o país. O fato não passou de uma simples questão comercial” – Huck tentou explicar, sem ter o sucesso de suas aparições aos sábados na tevê.

Ora, a empresa de Huck, dona do avião, tem finalidade específica. Na Internet se encontra seu objetivo – que é o educacional Mas em vídeo com suas explicações, o apresentador diz que “uso para minhas viagens de serviço e nas horas disponíveis o avião é colocado à disposição da Icon, empresa de táxi aéreo”.

Salvo melhor juízo, o contrato – assinado em 29 de maio de 2013 (primeiro governo Dilma Rousseff) com juros camaradas de 3% ao ano e 114 meses para pagamento (com carência de seis meses) - que o empresário Huck assinou com o BNDES, não permite o uso mediante aluguel a terceiros.

Tal situação é passível de ocorrer com empresas específicas de táxi aéreo. E, sob outros prismas, com as tradicionais Azul, Gol, Tam, etc. cuja finalidade social é o transporte de passageiros.

A tentativa de explicar a coincidência aeronáutica é maluquice terrena. Não adiantará, breve, nem mesmo a exibição da fatura comercial quente que será paga no dia do vencimento, no exato valor do transporte aéreo sem desconto.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

 

Condenação de ex-assessor do Ministério do Trabalho e Emprego em ação civil pública

Ex-presidente da Câmara de Vereadores em Esteio (RS), Fabio Battistello procurava dirigentes sindicais, valendo-se da envergadura de seu cargo e de informações privilegiadas, para oferecer serviços de “consultoria” e receber propina. Preso em flagrante, foi exonerado e já está condenado (primeiro grau) em ação penal. A suspensão dos direitos políticos é por oito anos.

Se a boa-fé for violada, cessa a proteção do bem de família

A ninguém é dado beneficiar-se de sua própria torpeza. O STJ nega provimento ao recurso de um empresário que ofereceu seu imóvel como garantia na negociação de R$ 650 mil em dívidas e, depois, alegou que ele não poderia ser penhorado por constituir bem de família.

Ação gaúcha por improbidade administrativa vai completar 18 anos no TJRS

Processo oriundo da comarca de Osório (RS), onde começou em 28 de dezembro de 2001, teve sentença que condenou o ex-prefeito Romildo Bolzan Júnior (1993/1996) – atual presidente do Grêmio - e um secretário municipal a indenizarem R$ 700 mil de prejuízos ao erário municipal. Cálculo extraoficial sugere o valor atualizado de R$ 3,8 milhões, sem computar os juros legais.