Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/123ver.jpg

O futuro de Lula nos próximos dias



 Alvará de soltura

Com a decisão do STF que derrubou a prisão em segunda instância, o ex-presidente Lula deve ser autorizado a deixar a superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde está preso desde abril de 2018. Para que ele passe a responder em liberdade às ações penais a que ainda responde, seus advogados devem primeiramente apresentar um pedido de soltura à Justiça Federal do Paraná, o que deve ocorrer nesta sexta-feira.

A decisão, no entanto, não tem prazo previsto por lei para ser proferida. Mas não deve demorar.

E mesmo que o ex-presidente deixe a prisão, ele não poderá – pela Lei da Ficha Limpa - se candidatar a cargos públicos. A menos que venha uma decisão suprema.

Atualização às 9h10 – O advogado Cristiano Zanin também já ingressou com habeas corpus no STJ. Tem o nº 544.812. O relator vinculado é o desembargador pernambucano (TJ-PE) Leopoldo de Arruda Raposo.

O despacho – do qual já foi cientificado o TRF-4, requisita o fornecimento de informações.

 O que pode acontecer

A defesa de Lula informou ontem à noite que protocolará um pedido para que ele seja solto imediatamente. A destinatária da petição será juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara de Execuções Penais (VEP) do Paraná.

Na prisão, Lula já disse em entrevistas que não gostaria de voltar a morar em São Bernardo do Campo (SP). Quando sair da prisão, o plano é que inicialmente ele participe de um ato em frente à PF de Curitiba. Depois, a expectativa da militância petista é de que ele retome sua atuação política, ainda que não concorra pessoalmente a cargos eletivos. Ele também não poderá ocupar cargos públicos.

A condenação dele em segunda instância no caso do tríplex o fazem ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa – que já o alijaram das eleições do ano passado.

  A suspeição

Para que Lula volte a ser elegível, o STF terá que julgar procedente um pedido da defesa do ex-presidente, que pretende a declaração de suspeição do ex-juiz Sergio Moro, que atuou nas ações penais em que ele já foi condenado.

Preveem-se novas filigranas jurídicas e votos longos.

 

 A eventual volta à prisão

Dificilmente ocorrerá. Lula só voltará à prisão, se o STF condená-lo no caso do tríplex, como já fez o STJ. Uma nova reclusão também pode ocorrer em caso de trânsito em julgado em outras ações penais nas quais ele réu - o mais adiantado desses processos (referente ao sítio de Atibaia) porém, pode voltar em breve à primeira instância.

O ex-presidente também pode - em tese - ser alvo de mandados de prisão preventiva. Mas estes dependeriam de razões específicas para serem expedidos, como risco às investigações ou à ordem pública.

As demais ações em que Lula já é réu envolvem: acusações de recebimento de propina da Odebrecht; suposto favorecimento relacionado ao Instituto Lula; tráfico de influência em contratos do BNDES; irregularidades na compra de caças para a Força Aérea Brasileira.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte de Camila Adamoli

Um corpo estranho no pote do alimento infantil

 

Um corpo estranho no pote do alimento infantil

 O STJ condena a Danone: “Desnecessário investigar a existência de nexo de causalidade entre a ingestão do produto e a alegada contaminação alimentar para a caracterização de dano ao consumidor”.

• Patos e gansos no STF: repercussão geral reconhecida em recurso extraordinário.

 Desconfiança em Brasília sobre a prisão em segunda instância: há congressistas réus ou interessados em ações penais que tramitam no Supremo.

 Semana decisiva na Câmara para o pacote anticrime de Sérgio Moro

• Com “lesão aneurismática”, Eduardo Cunha quer cumprir a cana em casa.

Charge de Gerson Kauer

Futebol jurídico numa causa de R$ 15 milhões

 

Futebol jurídico numa causa de R$ 15 milhões

• O impasse financeiro depois que o Grêmio vendeu Pedro Rocha ao Spartak, de Moscou. O Clube Atlético Diadema (SP) diz ter direito a 30% do valor do negócio.

• Sentença foi desfavorável ao clube gremista e seus reflexos se aproximam dos R$ 15 milhões.

•  Relator da apelação no TJRS, desembargador Carlos Cini Marchionatti, empenha-se para que os clubes façam acordo. E diz ser “80% colorado”. Ele já torceu para o Grêmio ser campeão do mundo.

Google Imagens - Foto de Lula Marques

Um freio às injunções políticas de bastidores para nomeações ao Judiciário

 

Um freio às injunções políticas de bastidores para nomeações ao Judiciário

  Decreto assinado por Jair Bolsonaro dispõe sobre o trâmite dos processos de nomeação para os órgãos do Poder Judiciário e do Ministério Público da União, e também para o CNMP. Diversas atribuições passarão pelas mãos do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

  A norma assinada no dia 21 tem oito artigos e entrou em vigor no dia imediato.

  Conheça a íntegra do Decreto nº 10.125.

Arte de Camila Adamoli sobre foto TRT-4 (Divulgação)

Pesada condenação contra escritório em ação trabalhista movida por advogada

 

Pesada condenação contra escritório em ação trabalhista movida por advogada

 Reconhecimento de relação de emprego que durou quatro anos e dois meses. Direito a horas extras e várias outras parcelas.

 Comunicação à Receita Federal e ao MPF por contratação “ao arrepio da legislação trabalhista, fiscal e previdenciária, inclusive configurando, em tese, crime contra a ordem tributária”.

 Indisponibilidade dos bens do sócio principal, porque a sociedade de advogados não tem bens, mas apenas receita.

• Um impasse reconvencional sobre um pagamento de R$ 20 mil não revelado na petição inicial.

 Importante: não há trânsito em julgado.

Arte de Camila Adamoli – Reprodução de artigos do CPC

   A greve terminou, a sociedade exige trabalho, assiduidade e o cumprimento dos prazos

 

A greve terminou, a sociedade exige trabalho, assiduidade e o cumprimento dos prazos

 A necessidade de um mutirão dos servidores do Judiciário do RS. E a presença e fiscalização dos magistrados, após a paralisação de 52 dias que prejudicou milhares de pessoas.

 O protesto das ruas contra os tapetes vermelhos do STF.

 Como Marco Aurélio Mello gosta de ser chamado em casa? Adivinhem!

 Susep desregulamenta a profissão de corretor de seguros.

 Toffoli, a mais poderosa autoridade do Brasil.

 A viabilização do novo partido de Bolsonaro exige 673 assinaturas quentes por dia.