Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 3 de julho de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/jusazul.jpg

Um chocolate na Arena! E de como a IVI esconde os números!



Reprodução do Globo Esporte

Imagem da Matéria

O Grêmio deu mais um chocolate no Inter, ganhando um Gre-Nal que poderia ter sido 5 x 0, não fossem os goleiros do rival. Sim, falo dos goleiros, porque o Inter jogou com dois.

Ao dar uma voadora em Luciano, o goleiro Lomba parecia querer nos fazer voltar aos Gre-Nais dos tempos de Agomar Martins.

Engraçado foi o narrador da Premiere (não pude ir ao estádio, porque estou fora da Capital), que disse, várias vezes, que Lomba foi “mal expulso”.

Ora, se Lomba não fosse expulso, quer dizer que, cada vez que um jogador for pilhado em impedimento, o adversário pode lhe dar uma porrada com o argumento de que “afinal, você estava offside”....

Patético. Ah, para com isso, narrador (incrível, tão bom o narrador que perguntei e ninguém lhe sabe o nome).

Já o comentarista de arbitragem, Paulo Cesar Oliveira, deu a pérola: “A expulsão foi correta, mas a FIFA tem de mudar a regra”....

Einstein. Einstein ludopédico. O que a FIFA deve mudar, comentarista? Conta pra nós. Ah, já sei: os bandeirinhas devem dar logo o impedimento. Ok, e no que isso muda a voadora do Lomba? O que os ovos têm a ver com a caixa de ovos?

A IVI (Imprensa Vermelha Isenta) esconde os números dos Gre-Nais na Arena. É um massacre. Vejam os onze jogos: o Grêmio meteu 17 gols; Inter fez...apenas 3. Mas a IVI prefere escamotear os números. Bom, a IVI mancheteou: Zé Ricardo caiu nas graças dos jogadores; Zé e seu modelo ameniza ansiedades... Hum, hum. Essa IVI...!

Mudando de assunto

O futebol é um bom negócio, se soubermos bem lidar com ele. Grandes jogos, grandes rendas. A Fundação Getúlio Vargas fez um estudo divulgado ontem (4) pelo jornal O Globo, mostrando que o futebol pode gerar nove vezes mais empregos, saindo de 300 mil (hoje), para 2 milhões, contribuindo com 1,1% do PIB, em vez dos 0,2% de hoje.

Na Inglaterra, há campanhas para o turismo da Premier League. Venha à Inglaterra e assista futebol. Maravilha!

Temos no Brasil o maior campeonato do mundo. E dezenas de excelentes estádios. Apenas falta... infraestrutura.

Em Lisboa, por exemplo, pode-se ir aos dois grandes estádios de metrô, chegando à porta, sem congestionamento, sem se molhar, confortavelmente. Nem falo dos demais países.

Em Porto Alegre, temos de construir a infra. Imaginemos a bela Arena tricolor com metrô passando perto, ou dispondo de corredor de ônibus exclusivo, largando e pegando gente a 200 metros do estádio? Hein?

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Veja o lance completo da “voadora” de Marcelo Lomba (I) em Luciano (G)

 

 


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Porque a IVI e a CIA deveriam ler Gulliver e “1984”!

“Gostamos tanto de futebol. Conhecemos as regras, podemos xingar o juiz, dizer palavrões e fazemos a nossa guerra particular, torcendo para os artilheiros furarem a defesa a barreira do adversário. Deveríamos aproveitar melhor os espaços nos meios de comunicação para tratar mais de cultura”.

O terraivismo, versão do terraplanismo futebolístico

Manchete de Pedro Ernesto: “Dupla Gre-Nal agoniza financeiramente na pandemia”. Ora, o Grêmio pode não estar tão folgado. Mas, por favor, comparar com as finanças do Inter, só com a tese dos dois demônios. O momento já tem até um slogan da IVI: “Vamos arranjar uma crise gremista”!

Foto: Creative Commons

Escolhida a seleção dos filósofos e o treinador

 

Escolhida a seleção dos filósofos e o treinador

“Quarentena, futebol parado, IVI bocejando, resolvi chatear os leitores com um assunto que é a antítese da linguagem chula, antítese de palavrões. Entre os escolhidos, unanimidade para Aristóteles, relembrado neste busto construído para homenagear o Liceu criado pelo filósofo”.