Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/leitores.jpg

Uns podem alugar via Airbnb, outros não! Por que?



 De Monica Dutczak, sobre Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb: https://espacovital.com.br/publicacao-37436-caso-gaucho-pode-ser-paradigmatico-para-chancelar-ou-restringir-o-airbnb

“Preciso muito da ajuda do Espaço Vital. Sou Monica Dutczak, atualmente mais conhecida como ´a mulher de Porto Alegre´, a recorrente no recurso especial. Necessário esclarecer que se de fato aqui neste condomínio fosse proibido alugar via Airbnb, teria sido muito mais simples, bem mais econômico e muito menos desgastante para mim, eu me mudar para onde fosse permitido. Não é este o caso.

Desde antes de mim já haviam outros apartamentos, aqui mesmo, que alugavam quartos. Tanto é verdade que levei como testemunha a filha de um casal que hoje já não mora mais aqui. Mas ficou registrado no processo.

Mais importante, e ainda não vi nenhuma matéria jornalística relatar, é que ainda hoje há ao menos outros dois apartamentos - aqui no mesmo Condomínio Coorigha que está me processando - que também são alugados via Airbnb. Tenho ambos os anúncios impressos como prova. Num destes eu mesma fiz uma reserva este mês. Tudo irrefutavelmente comprovado.

Outra coisa interessante é que, embora a assembleia dos condôminos seja soberana, aqui são 104 apartamentos e na assembleia que decidiu me processar foi pelo total de 8 votos. E aqui no prédio são 104 unidades ...

Preciso tornar isto tudo público. Por favor me ajudem. Não é razoável que uns possam e outros não...

 De João Elpídio de Almeida Neto, procurador municipal, também sobre Caso gaúcho pode ser paradigmático para chancelar ou restringir o Airbnb:

“O gaúcho é reconhecido como o povo mais beligerante do Brasil, quiçá do Planeta. Batemos recordes na interposição de ações judiciais. Esta que trata das locações via Airbnb é mais uma prova disso. Litigar no Brasil é ainda muito barato, pois se assim não fosse haveriam mais composições para solução de litígios. Efetivamente temos muito a aprender”.

De Saulo Vieira Rinaldi, advogado, sobre Devedor do Banrisul por sete anos:https://espacovital.com.br/publicacao-37416-devedor-do-banrisul-por-sete-anos

“Ganha um empréstimo em banco oficial, por sete anos, a carinhosos juros de 1% anual, quem conseguir acessar, no saite do TJRS, as informações processuais da comarca de Ibirubá, para saber em quantas ações em que o Banrisul é parte, o juiz Ralph de Moraes Langanke se deu por suspeito. Por enquanto, façam suas apostas: 1, 2, 3, 5, 10, 30... ou 50? Quem dá mais?”

• De Leandro do Amaral Wichinewsky, estagiário, também sobre Devedor do Banrisul por sete anos.

“Madame Tartaruga foi vista na comarca de Ibirubá, procurando consertar o sistema local de informações processuais. O réptil retornou a Porto Alegre sem sucesso”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O juiz endividado com o Banrisul

Em Ibirubá só se fala nisso. Inclusive que o magistrado ganha 9,5 vezes o que um trabalhador gaúcho recebe em média por mês. A Subseção local da OAB não se manifestará, e espera a iniciativa da OAB-RS. Em 30 e-mails, advogados, estagiários e até um contador fazem considerações. E há quem lembre que juiz gaúcho não ganha, de presente, “lagostas oficiais supremas”.

Arte EV sobre imagem Google

As muitas reclamações de advogados sobre a greve do Judiciário

 

As muitas reclamações de advogados sobre a greve do Judiciário

 Vem aí o caos forense e cartorário, se é que já não estamos nele.

 A goleada que o Flamengo também aplicou no Departamento Médico do Grêmio.

 Com um contracheque de R$ 104 mil, o presidente do TJRS é um cidadão de sorte.

• O estúpido edital sobre o Município de Xangri-lá: “Lugar incerto e não sabido”...

 A rapidez e a demora da Justiça de Santa Catarina.

 A participação dos leitores Viviane Andrade Machado, Gilberto Cesar Vieira de Rezende, Fernando Maciel Ramos, Fabio André Adams dos Santos, Simone Maria Serafini, Daniel Halfen, Giovani Fuhr , Irno Biasbetti, Daniel Forrestier, José Augusto de Villela.

Arte EV

O banquete da impunidade na República

 

O banquete da impunidade na República

 Leitores comentam situações políticas; a juizite; a ovada em Bolsonaro; o vazamento de Moro e Deltan; a não prestação de contas pela OAB; e a eleição indireta para a direção da Ordem nacional (“Assim como era no tempo da ditadura”). E o juiz que “pensava ser deus”...

  Manifestações dos advogados José Mario De Boni, Dorly José Giongo, Róberson Azambuja, Vera Conceição Ilha Dietrich, Claudio Garcia, Roberto Dias Torres, Roberto Schultz, Alceu Georgi, Antonio Carlos Estrella Júnior, Rogers Welter Trott e do contador Mauro Santolin.

Críticas, desencantos, juizite, três anos de demora, etc.

As dificuldades rotineiras na advocacia. Mas também elogios a magistrados, nas manifestações dos advogados e leitores Nei Antônio Zardo, Carlos Massena, José Mario De Boni, Juliano Luís Rodrigues, Benhur Antonio Bacega, José Domingos Moreira Neto, Henrique Júdice Magalhães, Denise Fagundes de Fagundes, Roberto Schultz Ribeiro, Terezinha Grando Cavalcanti, Cristina Wanke, Jorge Luís Miranda Abel, Narcy Maldaner, Antonio Edson Leon de Oliveira, Vera Conceição Ilha Dietrich e Ruy Carlos Kastalski.