Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
27 de março de 2020.

Indenização para advogada que fraturou uma perna em festa de casamento



Imagem meramente ilustrativa – Arte EV sobre foto Visual Hunt

Imagem da Matéria

Advogada que escorregou em festa de casamento e teve fraturas será indenizada em R$ 40 mil. O acidente ocorreu no corredor do Hotel Morro dos Conventos (razão social: Complexo Turístico Morro dos Conventos Ltda.) durante uma festa de casamento, em 2014.

O chão estava úmido, não havia nenhuma placa de aviso, alguns funcionários já haviam sido informados mas nada foi feito.

A vítima – a advogada Débora May Pelegrim (OAB-SC nº 45.263) - uma das convidadas, escorregou e sofreu múltiplas fraturas na perna direita, principalmente no tornozelo. Foi submetida a uma cirurgia, teve colocadas duas placas metálicas, sofreu inflamação, ficou com uma cicatriz e perdeu parte da capacidade motora do membro atingido.

Em sentença de 1º grau, proferida em abril deste ano, o Complexo Turístico Morro dos Conventos foi condenado a pagar R$ 25 mil à vítima. Tanto ela quanto o réu recorreram.

O caso chegou ao TJ de Santa Catarina e a 4ª Câmara de Direito Civil aumentou a indenização para R$ 40 mil - R$ 20 mil pelo dano moral e os outros R$ 20 mil pelo dano estético.

Nos dois graus de jurisdição, a defesa do hotel sustentou não haver prova, nos autos, da causa do acidente e culpou a advogada por, supostamente, estar embriagada. No entanto, conforme o relator da matéria, desembargador Hélio David Vieira Figueira dos Santos, "há, sim, prova verossímil e plausível de que o acidente ocorreu por conta do piso molhado - da mesma forma, há prova de que os funcionários do hotel foram advertidos sobre o local escorregadio e não tomaram nenhuma providência".

Ainda segundo o relator, a evidência de que a autora pudesse estar alcoolizada pode ser levada em consideração, mas isso não afasta a responsabilidade preponderante da ré, que agiu com negligência.

Segundo o acórdão, "como aquele foi o único acidente ocorrido na noite, apesar do chão não ter sido seco durante toda a festa, é razoável atribuir certa parcela de responsabilidade à autora, embora em pequeno grau".

Para o relator, “isso porém não afasta a responsabilidade maior da ré, pois é também de seu conhecimento notório, como organizadora de eventos, que as pessoas bebem e se embriagam" - concluiu.

O voto do relator foi acompanhado pelos desembargadores José Agenor de Aragão e Selso de Oliveira. Em nome da autora atuam seus colegas de escritório Giovani Duarte Oliveira e Paulo Henrique Pelegrim Bussolo. (Proc. nº 0300646-43.2014.8.24.0020).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Google Imagens

As algemas de verdade e a condenação por responsabilidade civil na morte de um autônomo eletrocutado

 

As algemas de verdade e a condenação por responsabilidade civil na morte de um autônomo eletrocutado

No mesmo dia em que os irmãos Ronaldinho Gaúcho e Assis se enrolavam com a Justiça do Paraguai, a 10ª Câmara Cível do TJRS condenou a dupla a pagar indenização e pensionamento à viúva e aos filhos de um autônomo. A vítima levou uma descarga elétrica fatal numa rede elétrica irregular, no sítio da família Moreira, no bairro Ponta Grossa, em janeiro de 2010.

Test drive fatídico

Atropelamento fatal de idoso, no perímetro urbano de Gramado. O TJRS condena um consumidor que testava um automóvel Prisma, duas empresas e uma seguradora. Reparação por dano moral para as duas filhas da vítima será de R$ 445 mil.