Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,03 de dezembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Torçamos por vagas – é o que nos resta em 2019



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

Os clubes do Rio Grande do Sul foram os primeiros a atribuírem importância à Libertadores da América. Muito depois é que no restante do país a conquista da Libertadores passou a ser perseguida, especialmente por conduzir ao Mundial Interclubes.

O “mister” Jesus, vem mostrando ao futebol brasileiro que é época de derrubar dogmas, quase sempre criados em favor dos boleiros ou da reserva de mercado de trabalho dos treinadores brasileiros e da intensidade de ruidosos negócios.

Eu testemunhei a enorme resistência desencadeada com a contratação do Jorge Fossati pelo Internacional.

Um exemplo claro da derrubada dos dogmas, é o rompimento com o costume reinante da escolha por uma competição em detrimento de outras, poupando os jogadores titulares. Já escrevi aqui que o risco de poupar, escolhendo competição, pode levar à realidade gaúcha: os dois grandes foram eliminados da disputa que leva aos grandes títulos.

Internacional e Grêmio adotaram esse método e hoje pagam o preço. A temporada está chegando ao fim e nada mais resta, a não ser lutar por uma vaga entre aqueles que disputarão a Libertadores de 2020.

O Jorge Jesus promoveu uma virada no Flamengo. Aquilo que era improvável - dominar o vestiário no ambiente do futebol carioca - se revelou plenamente possível. Hoje, o mister Jesus é cogitado como solução para treinar até mesmo a seleção brasileira.

Quanto a não poupar jogadores, é óbvio que isso implica em contar com um plantel amplo e qualificado. Embora pareça difícil, aparentemente remetendo às condições financeiras, não é bem assim. Se listarmos as contratações realizadas pelos clubes da paróquia, avaliando quantidade, qualidade e custo, verificaremos que é meramente uma questão de escolha.

Não é por insistência verbal em entrevistas, ou por decreto que uma equipe será reconhecida como a melhor do futebol brasileiro. Essa condição decorre dos resultados obtidos. O primeiro dos indicativos é o número de vitórias e o segundo diz com as derrotas. Elas são inevitáveis, mas não precisam ser vexatórias.

Um treinador é competente quando faz aqueles que não estão jogando bem, jogarem. Com isso também abandonando o cacoete de optarem por soluções mágicas, milagrosas, escalando reconhecidas ruindades para os jogos decisivos. Como ensina a realidade: de onde menos se espera é que não sai nada mesmo.

Parabéns ao Flamengo, esperando que vença o River, pois isso poderá ser determinante para que o nosso Internacional venha a ter um técnico promissor o quanto antes.

Torçamos por vagas, pois é o que resta na temporada.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Bruno Alencastro / Google Imagens

   Vai tarde!

 

Vai tarde!

“Afinal, Roberto Melo caiu! Resgatado o vestiário, espero que rapidamente ele se refaça. Não há dúvida de que havia descontrole e crise. A postura confusa dos jogadores na partida com o Goiás foi prova disso”.

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

O Gre-Nal dos desesperados

Na quarta-feira, um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.

Morreu pela boca

“Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade. Já afirmei que Melo, o eterno vice futebol do Inter - resistente a todos os insucessos - derrubou o Odair sem querer derrubá-lo”.