Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira,
03 de abril de 2020.

Um processo que teve início, meio e fim em 30 dias úteis



Arte EV sobre foto www. ConhecendoMuseus.com.br

Imagem da Matéria

Florianópolis, 17 de outubro de 2019.

Senhor Editor do Espaço Vital, bom dia!

Ref.: O ideal de justiça.

Sou leitor e fã do seu trabalho.

No intuito de contribuir com a disseminação de iniciativas que deram certo perante a nossa assoberbada Justiça, compartilho a experiência que vivi perante o sistema eproc, agora implantado no âmbito do TJ de Santa Catarina.

Advoguei no processo n° 5001107-08.2019.8.24.0091 que tramita perante o 2° Juizado Especial Cível da Capital e fiquei impressionado com a celeridade da prestação jurisdicional.

A inicial foi distribuída no dia 4 de setembro deste ano; a contestação aportou aos autos no dia 27 do mesmo mês; a réplica no dia 8 de outubro; e, por fim, a sentença no dia 15 deste mês.

O processo teve início, meio e fim em exatos 42 dias corridos, ou 30 dias úteis! Este é o ideal de justiça que esperamos e devemos ter como meta.

Um processo célere como este faz lembrar o saudoso Rui Barbosa que naquela época apregoava: "Justiça tardia nada mais é do que injustiça institucionalizada."

O Poder Judiciário Catarinense está de parabéns!

Atenciosamente,

Fabio Elias Teixeira, advogado (OAB/SC nº 34437-B).
fabio@rqdsa.adv.br


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

“Nossos números são muito bons”

A afirmação é do desembargador Antonio Vinicius Amaro da Silveira, novo presidente do Conselho de Comunicação do TJRS, fazendo comparações com a média nacional de julgamentos. Em carta ao Espaço Vital, ele reconhece “haver espaço para melhorias, sempre perseguidas”.

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.