Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Como Alemanha, Argentina, Estados Unidos, França, Itália e Portugal decidem sobre a execução antecipada da condenação criminal



 

  Direito comparado

Faço uma comparação com a legislação de seis países. É que as regras que determinam qual grau de jurisdição pode levar um réu à prisão variam de acordo com o sistema jurídico de cada país. Pelas leis da Alemanha, a prisão acontece após a decisão da segunda instância. Os crimes mais graves, ali, já começam a ser analisados desde logo por órgãos colegiados, que podem decretar a prisão desde logo.

Na Argentina, os recursos contra as condenações de primeiro grau têm sempre efeito suspensivo, e a ordem de prisão ocorre sempre após a decisão de segunda instância. E na França as prisões podem ocorrer ainda na primeira instância, quando houver decisão colegiada.

Nos Estados Unidos, o sistema jurídico estabelece a possibilidade de que os réus assumam a culpa, fazendo um acordo, que resultará em pena inferior à habitual. Ali, grande parte dos denunciados é presa ainda durante a tramitação em primeira instância; isso ocorre em duas situações: a) quando o acusado admite o crime; b) quando um júri conclui pela culpa do acusado.

Na Itália, os condenados são presos após a decisão das Cortes de Apelação, equivalentes à segunda instância do Judiciário brasileiro.

Em Portugal, os recursos que sucedem as decisões de segunda instância são suficientes para manter os réus em liberdade até novo julgamento. A lógica recursal é semelhante à do Brasil: as instâncias superiores tratam apenas de questões processuais, mas não nos fatos e no mérito das ações. Mas lá – como aqui – também há exceções, e o uso de muitas filigranas jurídicas.

  Sem enfrentamento...

O ágil Rodrigo Maia já pulou na frente, pensando lá adiante. Ele diz que não vai pautar a Proposta de Emenda à Constituição que tramita na Câmara Federal, dispondo sobre a prisão após a condenação em segunda instância. Para ele, “é necessário esperar o caminho do Supremo”.

E detalha e procura se justificar: “Eu não posso colocar matérias em plenário que caminhem para o enfrentamento com o STF. Então vamos esperar o caminho que o Supremo vai tomar, se vai manter, ou se vai mudar. O nosso papel é sempre gerar equilíbrio e harmonia”.

 Olho no relógio

A contestação entregue, no último dia do prazo, quatro minutos após o horário de expediente forense é intempestiva – mesmo que o cartório judicial tenha recebido e protocolado a peça, apresentada por meio físico quatro minutos.

Julgando um caso oriundo de Santa Catarina, o STJ considerou que “a lei é expressa ao fixar que a petição deverá ser protocolada no horário de funcionamento do fórum”.

O acórdão superior afirma também que “aceitar a dilação do prazo legal abriria margem para compreensões subjetivas e arbitrárias sobre em que medida seria razoável extrapolar o horário limite para o protocolo”. (REsp nº 1.628.506).

  Ócio forçado

O Tribunal Superior do Trabalho condenou a Mercedes-Benz do Brasil Ltda. a pagar indenização de R$ 50 mil a uma operadora de produção submetida a ócio forçado. A empresa manteve a empregada por um ano numa sala fechada, sem poder conversar com os colegas e sem contato com as demais unidades.

A Mercedes negou a ocorrência sucessiva da desconsideração e sustentou que nada havia sido imposto à empregada que pudesse ofender sua honra e sua dignidade. Segundo a empresa, a trabalhadora “teve de permanecer sozinha na sala porque não havia atividade para os operadores de produção na época da mudança do parque fabril”.

Ah... conta outra! O braço brasileiro da mais antiga empresa de automóveis e veículos comerciais da Alemanha e do mundo, podia ter criado uma história melhor para tentar se explicar. (ARR nº 390-25.2015.5.03.0037).

 

  Retrato atual do Brasil

A desigualdade segue crescendo. Dados do IBGE revelados ontem demonstram que a concentração de renda no Brasil aumentou em 2018 e atingiu seu patamar mais alto, desde 2012. A renda do trabalho da parcela 1% mais rica da sociedade brasileira corresponde a 34 vezes a dos 50% mais pobres.

Sendo mais exato: R$ 27.744 por mês era a renda dos 1% mais ricos em 2018. Esse mesmo grupo tinha tido média mensal de R$ 25.593 em 2017. Assim, uma alta de 8,4% em 1 ano.

E R$ 153 por mês foi o rendimento dos 5% mais pobres em 2018. Um ano antes, o ganho deles tinha sido de R$ 158 mensais. Houve uma redução de 3,2%.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Chargista Diogo - Jornal da Tarde

O primeiro juiz da lista dos “bandidos de toga” ainda recorre

 

O primeiro juiz da lista dos “bandidos de toga” ainda recorre

 O paulista Gercino Donizete Prado - que recebia propina semanal de um empresário - e que conseguiu manter o recebimento salarial até novembro de 2017, teve mais um recurso fulminado pelo STJ.

 TJRS admite os recursos especiais de magistrado gaúcho e seu assessor condenados por fraudes em São Lourenço do Sul.

 A propósito, a ação civil pública contra cinco operadores jurídicos envolvidos na mesma farra financeira, não consegue deslanchar. Ajuizada em 2012, agora está parada por causa da pandemia. E antes?...

 Toffoli reassume no dia 8 e vai pautar o julgamento sobre a legalidade do inquérito das fake news.

Imagem SGP - Edição EV

Prestação de contas para fiscalizar os gastos da pensão paga a filho menor

 

Prestação de contas para fiscalizar os gastos da pensão paga a filho menor

•   Divergências entre o pai alimentante (advogado) e a mãe (advogada), em caso gaúcho, recebe mudança na jurisprudência do STJ.

•   O tribunal superior, por maioria (3x2), reforma sentença da comarca de Gramado (RS) e acórdão da 7ª Câmara do TJRS.

•   Prevalência da tese de que o devedor da obrigação tem o direito de acompanhar o dispêndio da pensão de 30 salários mínimos mensais.

Arte ev sobre foto meramente ilustrativa (camera press)

Racismo em escola pública em município gaúcho de 17 mil habitantes

 

Racismo em escola pública em município gaúcho de 17 mil habitantes

•   Fato ocorrido há seis anos (maio de 2014) gerou ação por dano moral ajuizada cinco meses depois. Sentença de improcedência demorou cinco anos. E rápida decisão do TJRS, condenando os pais da adolescente ofensora, foi em abril deste ano.

•   Acórdão deplora a conduta discriminatória no ambiente escolar: “Num país de mestiços, é fato grave, que atinge e envergonha a nossa comunidade”.

•   Casal gaúcho retido desde 6 de abril na Austrália volta ao Brasil 47 dias depois.

•   Indenização moral de R$ 60 mil para Dilma Rousseff: uso desautorizado da imagem da ex-presidente, associando-a à oferta com técnicas para “deixar de ser burro e vencer as dificuldades nos estudos”.

Arte EV sobre

Justiça gaúcha intima ex-deputado Jean Wyllys por edital

 

Justiça gaúcha intima ex-deputado Jean Wyllys por edital

•  Ele é acionado por uma empresa de Porto Alegre (RS) que obteve decisão judicial que obriga o ex-político a publicar retratação.

•  Marco Aurélio decide que ação contra Onyx Lorenzoni deve continuar no TRE-RS.

• Quinze clubes - incluindo a dupla Gre-Nal - realizaram 1.000 testes para saber se atletas e comissões técnicas estão infectados pela Covid-19. Resultado: 76 testes positivos.

• Acordo no dissídio da Casa da Moeda garante: não faltarão cédulas.

Visual Hunt - Imagem meramente ilustrativa

A controvérsia dos anúncios discriminatórios oferecendo emprego e estágio

 

A controvérsia dos anúncios discriminatórios oferecendo emprego e estágio

• Ação que tramitou na Justiça do Trabalho desde fevereiro de 2007 vai agora - 13 anos depois - para uma vara cível.

 Provimento do TST ao recurso da Folha de S. Paulo que tinha sido condenada a pagar R$ 1,5 milhão.

 De quem é a marca iPhone? A briga judicial entre Gradiente e Apple chega ao STF.

Difini: o desembargador gaúcho que alertou sobre o “uso indiscriminado dos depósitos judiciais desde 2005”.

YouTube / reprodução

A sátira a um sepultamento: um acontecimento divino, ou profano?

 

A sátira a um sepultamento: um acontecimento divino, ou profano?

A repercussão nas redes sociais sobre insólito acontecimento - regado a champanha e dança - num restaurante de Gramado (RS).

 Senado vai votar projetos que miram nos lucros dos bancos.

 A notória Andrade Gutierrez escolhida em Portugal para obras no metrô lisboense.

 Não cheguem perto dos senadores: 296 seguranças para proteger as Excelências.

 Futebol jurídico: o novo filão que cobra adicional noturno e pagamento diferenciado pelos jogos aos domingos e feriados.

 Rosângela Moro pede dispensa do Conselho Nacional de Incentivo ao Voluntariado.