Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), sexta-feira, 31 de julho de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Contra, ou a favor?



O Supremo já se pronunciou cinco vezes sobre a controvérsia jurídica. Relembre como cada um dos onze ministros se posicionaram sobre a prisão após a condenação em segunda instância.

 Marco Aurélio Mello

Votou contra a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância por cinco vezes. A primeira, em 2009, no julgamento de um habeas corpus. Depois, em fevereiro de 2016. A terceira, em outubro de 2016, quando o STF fixou jurisprudência, e, a quarta, no mês seguinte. A última foi em 2018 no caso de Lula.

 Gilmar Mendes

Votou a favor da prisão após segunda instância em três ocasiões e, outras duas, foi contra. Em 2009, foi favorável ao acusado recorrer em liberdade. Em fevereiro de 2016, mudou seu entendimento. Em outubro do mesmo ano, manteve a opinião. Permaneceu com a posição no mês seguinte. Mas, em abril de 2018, no caso de Lula, foi contra a antecipação.

 Edson Fachin

Em quatro ocasiões votou pela prisão após condenação em segunda instância. A primeira foi em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A segunda, em outubro de 2016. A terceira, em novembro de 2016, quando o STF fixou jurisprudência. A última foi no caso do ex-presidente Lula, em abril de 2018.

 Ricardo Lewandowski

Votou contra a possibilidade de prisão após segunda instância em cinco oportunidades. A primeira foi em 2009. A segunda, em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A terceira, em outubro de 2016. Depois, em novembro de 2016. A última foi, em 2018, no caso do habeas corpus de Lula.

 Dias Toffoli

O atual presidente do STF foi favorável à prisão após segunda instância três vezes, mas, em outro momento, foi contra. Em fevereiro de 2016, foi a favor. Em outubro do mesmo ano, mudou o entendimento, e manteve o voto no mês seguinte. No caso do habeas corpus de Lula, em abril de 2018, também foi contra a prisão antecipada.

• Luiz Fux

Votou pela possibilidade de prisão após condenação em segunda instância quatro vezes. A primeira, em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A segunda, em outubro de 2016. Depois, em novembro de 2016. E a quarta, em abril de 2018, no caso do ex-presidente Lula.

 Luís Roberto Barroso

Votou a favor da prisão após condenação em segunda instância em quatro julgamentos. O primeiro foi em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. O segunda, em outubro do mesmo ano. O terceiro, no mês seguinte. E, o último, negando o habeas corpus para Lula, em 2018.

 Rosa Weber

Votou contra a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância em duas oportunidades; e a favor em uma. A primeira vez que foi contra, em fevereiro de 2016, foi no julgamento de um habeas corpus. A segunda, em outubro de 2016. Em abril de 2018, no caso do habeas corpus de Lula, mudou seu entendimento.

 Celso de Mello

Em cinco oportunidades votou contra a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância. A primeira foi em 2009. A segunda, em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A terceira, em outubro do mesmo ano. No mês seguinte, manteve sua posição. A quinta foi em abril de 2018, no caso de Lula.

 Alexandre de Moraes

Entrou no STF em 2017, substituindo Teori Zavascki, morto em 2017. Por isso, só esteve presente depois dos julgamentos de 2016 que trataram do tema. Em abril de 2018, no caso do habeas corpus do ex-presidente Lula, foi a favor da prisão após condenação em segunda instância.

 Cármen Lúcia

Votou a favor da possibilidade de prisão após condenação em segunda instância cinco vezes: em 2009; em fevereiro, em outubro e em novembro de 2016, O posicionamento seguiu igual, em abril de 2018, no caso do habeas corpus do ex-presidente Lula.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Visual Hunt - Imagem meramente ilustrativa

Um contrato de R$ 50 milhões para a superior segurança do STJ

 

Um contrato de R$ 50 milhões para a superior segurança do STJ

  • Os agentes - em número não especificado - ficarão lotados em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro.
  • Livro “Humankind” que foi sucesso na Europa será lançado no Brasil: como os humanos prosperam em crises.
  • As gavetas do STF que guardam 12 inquéritos que alcançam ministros, senadores e deputados.
  • Um projeto para a OAB: 30% de conselheiros negros a partir das eleições de 2021.
  • Lago Sul de Brasília é o epicentro da riqueza brasileira.
  • Porto Alegre está entre as três capitais do “home office”.

Arte EV

Um, dois, três, quase 20 mil

 

Um, dois, três, quase 20 mil

Cinco advogados trabalhistas militantes (dois em Porto Alegre; os demais em Canoas, Caxias do Sul e Pelotas) auxiliaram o Espaço Vital na coleta, análise e sintetização de dados sobre o trenzinho do TRT-RS que foi cassado no TST. “Ter pilhas de 800 ou 1.000 processos na Justiça do Trabalho é mais assustador do que ter um acervo de 2.500 na Justiça estadual”.

Marco Aurélio espera que - a partir de setembro - Fux tire o STF da vitrine

  • O ministro que se aposenta em julho de 2021 adverte que “quando se está na vitrine, o estilingue funciona”.
  • Em 30 anos, Fisco tem mais êxito no STF do que contribuintes. E o CREA-RS aparece na lista dos maiores litigantes.
  • Empregada afastada por auxílio-doença não receberá cesta básica. Decisão é do TST.

www.bing.com/images

Gilmar Mendes, o mais falado nas redes

 

Gilmar Mendes, o mais falado nas redes

  • Na segunda-feira foram 92 mil postagens por causa do entrevero dele com as Forças Armadas. No fim-de-semana tinham sido as imagens do ministro sendo apupado num restaurante em Lisboa.
  • Gesto generoso: TJ de Santa Catarina suspende os prazos de advogada que entrou em coma por causa da Covid-19.
  • Já somos 108 milhões de brasileiros com a renda diminuída.
  • Cresce a lista dos substitutos de Celso e Marco Aurélio: são cinco cotados para as duas vagas no STF.
  • Carlos Alberto Decotelli, que ficou ministro da Educação por cinco dias, vai entrar com ação contra a FGV.
  • Comparações: a “nova” Odebrecht e... a Odebrecht de outrora.

A vida nem sempre foi justa com Martha Rocha

  • Eleita a segunda mulher mais bonita do mundo em 1954, antes de completar seu 4º ano de casamento, ela perdeu o marido num acidente aéreo.
  • “Abra a porta, senão vamos arrombar!”. Uma diligência com 20 anos de atraso no apartamento do produtor Daniel Filho, ex-global.
  • Uma raridade: sentença rápida, 60 dias depois do ajuizamento, numa ação monitória em São Francisco de Paula (RS).
  • Entre políticos e empresário, uma reunião para decidir a “sucessão” da propina.

Foto: Visual Hunt

Dilma busca pensão de R$ 10,7 mil mensais: “perseguição durante a ditadura”

 

Dilma busca pensão de R$ 10,7 mil mensais: “perseguição durante a ditadura”

  • A ex-presidente da República recebe atualmente R$ 12.600 mensais da Fundação Perseu Abramo.
  • Pouco dinheiro e muito dinheiro: enquanto a cantora Angela Rorô pede que cada um de seus amigos doe R$ 10 a ela, a CBF perde ação de US$ 3 milhões para a multinacional Procter & Gamble.
  • Uma demanda entre duas empresas pelo uso do sobrenome Dalcin.
  • Chineses retornando para os estudos nos EUA: eles são 369 mil.
  • A garantia fiduciária prestada por devedor convivente, sem a outorga uxória da companheira é parcialmente nula.
  • 52% dos hotéis brasileiros ainda estão fechados.