Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira ,06 de dezembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Contra, ou a favor?



O Supremo já se pronunciou cinco vezes sobre a controvérsia jurídica. Relembre como cada um dos onze ministros se posicionaram sobre a prisão após a condenação em segunda instância.

 Marco Aurélio Mello

Votou contra a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância por cinco vezes. A primeira, em 2009, no julgamento de um habeas corpus. Depois, em fevereiro de 2016. A terceira, em outubro de 2016, quando o STF fixou jurisprudência, e, a quarta, no mês seguinte. A última foi em 2018 no caso de Lula.

 Gilmar Mendes

Votou a favor da prisão após segunda instância em três ocasiões e, outras duas, foi contra. Em 2009, foi favorável ao acusado recorrer em liberdade. Em fevereiro de 2016, mudou seu entendimento. Em outubro do mesmo ano, manteve a opinião. Permaneceu com a posição no mês seguinte. Mas, em abril de 2018, no caso de Lula, foi contra a antecipação.

 Edson Fachin

Em quatro ocasiões votou pela prisão após condenação em segunda instância. A primeira foi em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A segunda, em outubro de 2016. A terceira, em novembro de 2016, quando o STF fixou jurisprudência. A última foi no caso do ex-presidente Lula, em abril de 2018.

 Ricardo Lewandowski

Votou contra a possibilidade de prisão após segunda instância em cinco oportunidades. A primeira foi em 2009. A segunda, em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A terceira, em outubro de 2016. Depois, em novembro de 2016. A última foi, em 2018, no caso do habeas corpus de Lula.

 Dias Toffoli

O atual presidente do STF foi favorável à prisão após segunda instância três vezes, mas, em outro momento, foi contra. Em fevereiro de 2016, foi a favor. Em outubro do mesmo ano, mudou o entendimento, e manteve o voto no mês seguinte. No caso do habeas corpus de Lula, em abril de 2018, também foi contra a prisão antecipada.

• Luiz Fux

Votou pela possibilidade de prisão após condenação em segunda instância quatro vezes. A primeira, em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A segunda, em outubro de 2016. Depois, em novembro de 2016. E a quarta, em abril de 2018, no caso do ex-presidente Lula.

 Luís Roberto Barroso

Votou a favor da prisão após condenação em segunda instância em quatro julgamentos. O primeiro foi em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. O segunda, em outubro do mesmo ano. O terceiro, no mês seguinte. E, o último, negando o habeas corpus para Lula, em 2018.

 Rosa Weber

Votou contra a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância em duas oportunidades; e a favor em uma. A primeira vez que foi contra, em fevereiro de 2016, foi no julgamento de um habeas corpus. A segunda, em outubro de 2016. Em abril de 2018, no caso do habeas corpus de Lula, mudou seu entendimento.

 Celso de Mello

Em cinco oportunidades votou contra a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância. A primeira foi em 2009. A segunda, em fevereiro de 2016, no julgamento de um habeas corpus. A terceira, em outubro do mesmo ano. No mês seguinte, manteve sua posição. A quinta foi em abril de 2018, no caso de Lula.

 Alexandre de Moraes

Entrou no STF em 2017, substituindo Teori Zavascki, morto em 2017. Por isso, só esteve presente depois dos julgamentos de 2016 que trataram do tema. Em abril de 2018, no caso do habeas corpus do ex-presidente Lula, foi a favor da prisão após condenação em segunda instância.

 Cármen Lúcia

Votou a favor da possibilidade de prisão após condenação em segunda instância cinco vezes: em 2009; em fevereiro, em outubro e em novembro de 2016, O posicionamento seguiu igual, em abril de 2018, no caso do habeas corpus do ex-presidente Lula.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Foto Getty Images

   Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

 

Barulho na madrugada cria rota de choque de artista famosa com vizinhos endinheirados

  O Condomínio Mansões, no Rio, notifica a rica proprietária Larissa de Macedo Machado, 26 de idade, “para que tal fato não se repita, a fim de evitarmos multas e ações judiciais”.

 Quatro perguntas sobre o mercado jurídico brasileiro

  Revista Exame sai da Editora Abril e fica sob o comando do banqueiro André Esteves.

  Veja quem será o representante do Partido Podemos para debater e votar sobre a PEC da prisão em segunda instância.

  Há 25 deputados que mandam na Câmara Federal. Os outros só apertam os botões de votações...

Charge de Jota A / Portal O Dia

Compensação financeira para Dilma pela prisão e tortura sofridas durante a ditadura

 

Compensação financeira para Dilma pela prisão e tortura sofridas durante a ditadura

 Ela busca perante a Comissão de Anistia uma reparação de R$ 11 mil mensais.

 O lodo no Judiciário baiano: afastamento do presidente do tribunal e prisões são apenas o começo do “pepino apimentado”.

 Os dois momentos diferentes de Adriana Ancelmo.

 Ação do Diadema contra o Grêmio tem julgamento antecipado para amanhã: “reserva mental”.

 Porque os mais bem pagos executivos brasileiros estão desistindo do Natal em New York

Ilustração Felipe Franco Rodrigues

Está chegando a hora de o Grêmio se despedir de Renato

 

Está chegando a hora de o Grêmio se despedir de Renato

 Só o “chapabranquismo” gremista sustenta o favorecimento a Galhardo, Tardelli, André e Luciano – todos contas do treinador gremista.

 Aumenta a expectativa de vida para as crianças brasileiras nascidas em 2017 e 2018.

 As seguradoras se unem para tentar derrubar a medida provisória que acaba com o DPVAT.

 Hoje (29) lançamento de livro em homenagem ao professor Alexandre Wunderlich.

 Como os desembargadores do Trabalho reagiriram se a União começasse a atrasar seus salários?

Blog E Viva a Farofa - Reprodução

O Brasil dos “juridiqueístas”

 

O Brasil dos “juridiqueístas”

 Os servidores do Poder Judiciário brasileiro, em todos os Estados e níveis, ganharam em média, no ano passado, um salário mensal de R$ 12.774,02.

 Contraste: a média recebida pelos trabalhadores do setor privado do país, mensalmente em 2018, foi de R$ 2.456,65.

 Nos últimos 18 trimestres seguidos, a renda só cresceu para os que estão no topo da pirâmide brasileira.

 O voto acrobático (em idioma javanês) de Dias Toffoli envergonhou alguns de seus colegas.

Arte EV sobre fotos de Lucas Pfeuffer

Dois anos antes da eleição de 2021, os primeiros movimentos para a sucessão na OAB-RS

 

Dois anos antes da eleição de 2021, os primeiros movimentos para a sucessão na OAB-RS

• A procuradora do Estado Fabiana Azevedo da Cunha Barth vai somando pontos para ser a candidata da situação.

• Mensalmente aumenta a predominância feminina na advocacia gaúcha; elas são 43.004; eles, 42.487.

• A oposição ainda não se articulou, mas o advogado criminalista Aury Lopes Júnior começa a ser lembrado.

 A ressaca das pilhas, depois dos 52 dias de greve no Judiciário estadual.

No Rio, dos 204 que foram presos pela Lava-Jato, 196 já estão soltos

 Vem aí a segunda edição de “A Verdade Vencerá”, o livro de Lula.

 A obra que exalta o ex-presidente não se reporta à frase épica de janeiro de 2016: “Não existe uma viva alma mais honesta do que eu”.

• Prefeito de Cuiabá (MT) só recebe visitas femininas se houver um assessor na sala.

 Em loja de grife, cliente vai ao provador e tem a camisa... furtada