Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.

“Quadrilhão do PT”: MP pede absolvição de Lula, Dilma, Palocci, Mantega e Vaccari



O Ministério Público Federal em Brasília pediu ontem (17) a absolvição sumária dos ex-presidentes Lula da Silva e Dilma Rousseff, dos ex-ministros Antônio Palocci e Guido Mantega, além do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, na ação penal apelidada de "quadrilhão do PT". Os cinco respondem na Justiça Federal em Brasília pelo crime de organização criminosa por suspeita de terem formado um grupo para desviar dinheiro público da Petrobras e de outras estatais.

O pedido de arquivamento será analisado pelo juiz Vallisney Souza, da 10ª Vara Federal em Brasília. A denúncia foi apresentada pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, pouco antes de deixar o cargo. Janot afirmou na denúncia que a cúpula do PT recebeu R$ 1 bilhão e 480 milhões de propina em dinheiro desviado dos cofres públicos. Como na época Gleisi Hoffmann, denunciada junto com os demais, era senadora, a denúncia foi apresentada ao STF.

Depois, o relator da Lava Jato no STF, Luiz Edson Fachin, determinou a cisão do processo e o envio da parte dos políticos sem foro privilegiado no Supremo para a Justiça Federal do Distrito Federal. Esta iniciou a ação penal contra os cinco em novembro do ano passado.

Ao se manifestar sobre o caso, a procuradora Márcia Brandão Zollinger, do MPF do Distrito Federal, afirmou que “não se verificam os elementos configuradores da dita organização criminosa". O parecer prossegue referindo que “não se observa a consolidação de um grupo, estável e estruturado, voltado para a prática delitiva, com repartição de tarefas e metodologia estruturada".

Ela destacou, no entanto, que há diversos indícios de crimes que estão sendo apurados em outros procedimentos. "Há, de fato, narrativas de práticas criminosas que estão sendo apuradas em processos autônomos, mas do conjunto das narrativas não se pode extrair, com segurança, que haveria uma estrutura organizacional estável integrada por Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Vana Rousseff, Antônio Palocci Filho, Guido Mantega e João Vaccari Neto, tampouco que a união desses atores políticos tivesse o propósito de cometimento de infrações penais visando um projeto político de poder", escreveu a procuradora.

No pedido de arquivamento, a procuradora menciona ainda que não há elementos de que os dois ex-presidentes tinham domínio das informações sobre os supostos crimes.

"Percebe-se, portanto, que não há o pretendido domínio por parte dos denunciados, especialmente pelos ex-Presidentes da República, a respeito dos atos criminosos, que obviamente merecem apuração e responsabilização e são objetos de investigações e ações penais autônomas, cometidos no interior das Diretorias da Petrobras e de outras empresas públicas. "

Conforme a procuradora federal Márcia Brandão Zollinger, os autos não indicam, entre os acusados, elementos de vontade livre e consciente de organizarem-se enquanto grupo estruturado e com divisão de tarefas, como apontou a denúncia. Ela afirmou que não se pode negar a ocorrência de outros crimes e referiu ao menos dez procedimentos que estão em andamento no Judiciário.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

A que ponto chega a extorsão da nudez!

Condenação a 14 anos de cadeia, a homem que já está preso preventivamente. Juiz deplora: “Um descaso com a integridade psíquica das vítimas, o que tem um viés dramático quando praticado em contexto de violência doméstica, mostrando-se os piores algozes aqueles que, um dia, fizeram juras de amor".