Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.

A greve do Judiciário e os prejuízos que causa à advocacia gaúcha



Montagem do Espaço Vital – Imagem meramente ilustrativa

Imagem da Matéria

Artigo de Viviane Andrade Machado, advogada (OAB-RS nº 101.462), com escritório em São Borja (RS).
vivimachado.adv@gmail.com

Todos sabemos que é assegurado, a aqueles que se sentem prejudicados, reivindicar seus direitos, porém não podemos esquecer que quando nos juntamos a mais pessoas na busca de um objetivo comum, também afetamos terceiros que possuem tantos direitos quanto nós.

Há mais de duas semanas a advocacia gaúcha está sofrendo os prejuízos causados pela greve dos servidores do Poder Judiciário.

O advogado autônomo é o mais afetado diante de tal situação. Sim, é dever e direito dos servidores pleitear a valorização de seu trabalho maçante e desgastante, porém também é direito do advogado - que depende do andamento dos processos e da expedição dos alvarás para sobreviver - ter suas demandas atendidas.

O autônomo não possui salário fixo, décimo terceiro e férias... O advogado autônomo depende única e exclusivamente do alvará para pagar suas contas e sustentar sua família.

Estamos numa era em que se fala muito em respeito ao próximo. Ocorre, todavia, que não estamos sendo atingidos por esse respeito de que tanto se fala e que tanto é preciso.

É indignante, humilhante e frustrante, o advogado(a) chegar ao fórum para pleitear a expedição de um alvará, sua fonte de sobrevivência, e ter que ouvir de um servidor que “Não estamos fazendo, doutora”.

Temos mesmo que esperar pela continuidade e desdobramentos de uma greve que está traçada desde o início por tempo INDETERMINADO para podermos colocar comida dentro de nossas casas? Devemos nos calar diante de tamanha falta de respeito e consideração com quem depende da advocacia para sobreviver?

Eu digo: não podemos!

O alvará judicial é verba alimentar. É direito do advogado ter expedido seu alvará para posteriormente sacá-lo junto à instituição bancária.

Na conjunção, onde estão os 30% de servidores com a obrigação de trabalhar? Estão trabalhando exatamente no quê?

E ainda temos que ouvir piadas enrustidas nos corredores por conta de que não assinamos a bendita “lista de apoio a greve”! Como podemos apoiar um movimento que em absolutamente nada nos beneficia? Então a classe de advogados deve apoiar, enquanto o Judiciário não atende a pedidos mínimos feitos por nós?

Estamos numa era onde tudo corre tão rápido, onde mudanças acontecem o tempo todo e onde tudo anda numa velocidade nem sempre capaz de ser acompanhada. Advogar é uma dádiva, é uma atividade que só pode ser desempenhada pelos fortes, guerreiros, aqueles que não fogem à luta, mesmo em tempos tão difíceis.

Quem trabalha dentro da lei e obedecendo normas sabe do que estou falando. E ,mesmo com todos os obstáculos, um advogado apaixonado pelo que faz jamais abandona o barco. Muito pelo contrário, corre contra a maré, enfrenta as dificuldades e ao final nem sempre vence, mas pelo menos sabe que lutou!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O STF derruba a presunção de inocência

“Não vi ser enfrentado o conflito do art. 283 com o disposto no art. 637, do mesmo CPP, que afasta o efeito suspensivo do recurso extraordinário e prevê a baixa dos autos à primeira instância para o cumprimento da pena”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado, e desembargador aposentado do TJRS.

Dois meses de férias para todos!

“É deboche chamar de 'recesso' o ócio remunerado de juízes, procuradores e outros. Quantos meses deveria ter um médico da emergência de hospital público?”. Artigo de Nelson Motta, jornalista e escritor. 

Arte EV sobre foto Visual Hunt

Tempo - é o que falta

 

Tempo - é o que falta

“Mesmo em tempos de profunda radicalização, surpreende a atitude do governador do RS, Eduardo Leite”. Ele quer urgência na aprovação de - uma, duas, cinco, dez, vinte, cinquenta, cem, duzentas, trezentas, quatrocentas... – exatas 480 alterações no Código do Meio Ambiente do Estado do RS. Artigo do jornalista João Batista Santafé Aguiar.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem Google - Definições extraídas do Dicionário Aulete

E agora, José?

 

E agora, José?

“Há pouco dias referiu o ministro Toffoli que ´voto de presidente é diferente de voto de bancada´. Com razão, pois parece  prudente que, em voto de desempate, mantenha a orientação solidificada no STF de não atribuição de efeito suspensivo aos recursos. Aliás, como expressamente previsto no art. 637, do CPP, dando interpretação harmônica aos princípios constitucionais”. Artigo de Moacir Leopoldo Haeser, advogado (OAB-RS nº 45.143); desembargador aposentado do TJRS

Prescrição não é solução

“A proposta do ministro Toffoli não é ruim, mas é fraca e incompleta. Se ficar só nisso e desprezar o contexto estrutural de nosso labirinto processual, corre o risco de se tornar mais um factoide: cria uma cortina de fumaça, sem resolver os problemas reais”. Artigo de Silvana Batini, procuradora regional eleitoral e professora da FGV Direito Rio.